View Geocache Log

Found it K!nder found #8-Baixo Vouga Lagunar - de Cacia a Canelas

Wednesday, March 23, 2011Aveiro, Portugal

Quem me manda a mim sair de casa para fazer caches quando sei que algo vai correr mal. Será o vício do geocaching assim tão grande. fica aqui a pergunta para todos vocês reflectirem sobre a mesma. A meio da tarde recebo a sms do Carlytos a perguntar se queria ir às caches depois do treino. Lá acedi, faltava era escolher o local de ataque.

18:30 termino o trabalho, desloco-me para o treino e decidimos logo ali após o treino ir-mos jantar à melhor roulote de cachorros da região e partir para local planeado mais tarde. As 20:00 chegam rápido e poucos minutos depois estavamos em frente ao mapa para decidir onde atacarmos. O raio do mapa tinha uma zona carregada.

"Será que o carro passa?", atira o Carlytos.
"Lembras-te da Lusitani? É lá!"

Devia ter pensado melhor depois destas frases porque essa cache e estes caminhos já nos deram que penar. Vendo a hesitação do Carlytos, contra-ataco dizendo que não há problema que desta vez levo o carro, mas ele expedito: "Não é o problema do carro mas da dificuldade das caches!"

Estavamos decididos o ataque seria o powertrail do Baixo Vouga Lagunar e o carro o do Carlytos. Pelo caminho sinto o carro a comportar-se duma maneira estranha e arrisco: "É normal", "Sim já faz isto há bastante tempo!". Jantamos e metemos novamente "pés" à estrada. Já no estradão de terra batida é a vez dum barulho na roda volto a arriscar "Já ouviste o barulho da roda?", "Não te preocupes anda com esse barulho à meses!". Não voltei a insistir ambos os sintomas já tinham dado no meu antigo BM ==> 58-05-BM Corsa e duvido que algum geocacher conheça esse carro. Imaginem porque?

.....Continuando.....

Começamos a fazer umas atrás das outras começando pela #4 e eu sempre a filmar porque queria fazer um vídeo com o ataque. Sem problemas nenhuns até nos lembrar-mos que havia uma bónus e nenhum de nós tinha tirado os dados. Ai o diabo.

Fomos prosseguindo sempre em frente sempre a tomar-mos atenção à matricula para ver se não tinha caído e eis que chegamos à #8 e acontece o que não estavamos à espera, saímos do carro sem o desligar para fazermos mais uma cache rápido e ele sem mais nem menos morre. Encontramos a cache e voltamos para ver o que poderia ser. O mais estranho o rádio que só funciona com a chave agora funcionava sozinho, o carro que só pega com a chave agora queria pegar sozinho cá para mim é bruxedo. Ainda pensei ligar ao caçadores de espíritos de Esmoriz, mas já era tarde

O Carlytos que já tinha tido um problema semelhante decide esperar 30 minutos para deixar a bateria carregar. Posso dizer que foram os 30 minutos de maior bandalheira que tivemos nessa noite. Como ainda estavamos esparançados com a situação começamos a abandalhar. Falou-se de fantasmas, carros teimosos, alienigenas, caldo verde e tudo mais.

30 minutos passados e volta a tentar pegar o carro mas nada. Conosco não pegava mas sozinho queria pegar à força toda. Aqui começa outra fase da noite ligar para a seguradora e os reboques. Como o nosso amigo Carlytos gosta tanto de geocachig fez questão de dizer a todos eles que estava a fazer geocaching.

Primeiro a seguradora, depois a mulher do dono do reboque que nos diz que o monte não lhe aparece no GPS e logo a seguir diz que não tem GPS. Pois claro sem GPS como é que o monte há-de-lhe aparecer no GPS.
Terceiro o dono do reboque que em vez de se preocupar em vir tirar-nos dali estava mais interessado em saber o que era geocaching, mas isto só visto e irão mesmo ver quando puser os vídeos disponíveis.
Por fim o condutor de reboque que andou para todo o lado à nossa procura enquanto nós faziamos os 3,5 kms até a N109. Após chegarmos à N109 lá conseguimos indicar ao reboque como vir ter conosco e lá fomos resgatar finalmente o nosso cachemobile. Para terminar bem a noite quase não passavamos com o carro em cima do reboque perto da ponte dos comboios.

A triologia: 1) A aventura 2) A bandalheira 3) O resgate. 3 vídeos que conto criar.

TFTC

infoThis is the original cache type consisting, at a bare minimum, a container and a log book. Normally you'll find a tupperware container, ammo box, or bucket filled with goodies, or smaller container ("micro cache") too small to contain items except for a log book. The coordinates listed on the traditional cache page is the exact location for the cache.
Visit Another Listing:

Advertising with Us