Skip to Content

This cache has been archived.

touperdido: É melhor arquivar já antes que venha o "quero posso e mando"

Rui Duque

More
<

TP48 - Cisternas do Capucho 3 [Fátima]

A cache by touperdido Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 07/20/2007
Difficulty:
3.5 out of 5
Terrain:
3.5 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Cisternas do Capucho

Introdução

As Cisternas do Capucho, localizadas no Casal Farto, junto à Maxieira, num ambiente histórico setecentista, são formações calcárias muito semelhantes às da Pia do Urso, na freguesia de São Mamede. Com o tempo, o calcário foi dissolvido a partir do dióxido de carbono, transportado das nuvens para o solo, através das chuvas. Formaram-se, então, cavidades nas rochas. Desde tempos imemoriais que o Ser Humano aprendeu a utilizar este tipo de acidentes geológicos como depósitos de água. No Casal Farto, as Cisternas do Capucho encontram-se providas de diversas coberturas. Em qualquer equipamento deste tipo, a cobertura tem como função reduzir a evaporação do líquido devido à acção do Sol, proteger os transeuntes de quedas para o interior das fendas, permitir a instalação de sistemas elevatórios de água e evitar a queda de resíduos. No Casal Farto, ao longo do solo, rochoso, observam-se diversos sulcos, ou outros obstáculos construídos pelo Homem, para permitir o transporte do fluido para o interior das mesmas.

O problema surge quando se pretende efectuar a datação destas cisternas, o que é extremamente difícil. No que diz respeito à parte natural, o processo de formação das cavidades exige milhões de anos. Quanto à parte humana, esta é muito mais recente. As construções ora aí existentes serão já do século XX, por diversas razões. Por outro lado, não se descura a hipótese, como é evidente, de aí existirem (ou terem existido) outras estruturas arquitectónicas anteriores, remontando aos séculos XVIII e XIX. Acontece, porém, que uma remodelação novecentista parece ter reformado as construções. Que fundamentos suportam esta ideia? As paredes não diferem das das casas da mesma época. O fraco desgaste das rochas sugere uso não muito longínquo e descontinuado. As telhas existentes usam-se nas casas a apenas algumas décadas. No século XIX e nos primórdios do seguinte, as telhas usadas nas construções eram de canudo, de origem romana.

A propósito disto, vejam-se as casas de Lúcia e de Francisco e Jacinta. Por conseguinte, não se descura a hipótese de aquelas telhas terem sido usadas anteriormente. As cisternas encontram-se bem preservadas. Nalguns casos, utiliza-se já o cimento. Deste modo, será muito difícil fazer remontar as estruturas existentes ao século XIX, ainda que pudessem ter existido outras mais antigas. Por outro lado, na primeira cisterna, na parte de cima da construção, é possível observar uma data cuja leitura não se afigura fácil. Nestes casos, com o Sol a baixa declinação, as condições de observação tornam-se sempre melhores. Assim, foi possível ler, em epígrafe, «16.10.1945». Esta data coincide, com precisão, com as características apresentadas anteriormente e que nos elucida que as cisternas, como estão actualmente, são um produto do século XX. De facto, nos anos de 30 e 40 do século passado, construíram-se imensas cisternas e poços. Na realidade, o isolamento de Portugal face à sua não participação na Segunda Guerra Mundial levou, apesar de tudo, a uma época de racionamento dos alimentos e, por isso, a população teve que se dedicar ainda mais às actividades agrícolas. Isto explica, em parte, a razão pela qual poços, cisternas e lagoas foram abertas ou reedificadas.

Informação retirada de www.noticiasdefatima.pt

Localização

Para chegarem à cache vindos de Lisboa ou Porto na A1 saiem em Fátima. Seguem a direcção de Minde inicialmente e quando encontrarem uma pequena rotunda seguem para a esquerda na direcção de Torres Novas. Passam por umas rectas quase intermináveis e antes de chegarem à povoação Bairro, encontram um corte à direita que diz: "Turismo de Habitação - Casalinho Farto", cortam para aí e seguem sempre em frente, passam por uma capela, por um relógio de sol e logo a seguir ao TH cortam á direita.

Cache

A cache está dentro da cisterna. Como esta cache já vai na 3ª edição POR FAVOR sejam discretos na busca.

Para evitar que as crianças possam entrar acidentalmente na cisterna, a entrada está bloqueada por um palete. Agradecia que voltassem a colocar a palete como estava antes de se irem embora.

ATENÇÃO AOS ATRIBUTOS depois não digam que não avisei! Para a cache final final não é preciso destruir o muro, basta estarem atentos que percebem logo onde ela está! Para a micro já precisam de mais imaginação.... Da coordenada inicial até à final são cerca de 3 quilómetros em linha recta!

Additional Hints (Decrypt)

vavpvny:aãb qvtb;svany: whagb à onfr qb cbfgr

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

29 Logged Visits

Found it 23     Didn't find it 1     Write note 2     Archive 1     Publish Listing 1     Owner Maintenance 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 10 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.