Skip to content

<

CASA-MUSEU FERREIRA DE CASTRO

A cache by Ruba Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 02/10/2009
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Related Web Page

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Participante no concurso: As 3 melhores geocaches de Oliveira de Azeméis

A cache não se encontra nas coordenadas iniciais.

 

JOSÉ MARIA FERREIRA DE CASTRO nasceu no dia 24 de Maio de 1898, em Salgueiros, freguesia de Ossela, concelho de Oliveira de Azeméis - Portugal. Filho de José Eustáquio Ferreira de Castro e D. Maria Rosa Soares de Castro, viveu boa parte da sua infância nesse modesto local. A sua casa hoje é Museu, e é na proximidade desta Casa-Museu que se esconde a cache. Em 1904, Ferreira de Castro entra na escola primária de Ossela. Dois anos depois passa por sérios problemas financeiros por causa da perda do pai.

Em 1911 emigra para Belém do Pará – Brasil, onde trabalha, por cerca de quatro anos, num seringal da floresta Amazónica. Essa fase, vivida em regime de semi-escravidão, proporcionou-lhe o contacto com os sofrimentos e injustiças vividos pelo povo local, o que lhe serviu de "inspiração" para escrever o romance "A selva", publicado em 1930.

Por volta de 1914 deixa o Seringal. Os anos seguintes são-lhe muito duros, pois tem que se submeter a trabalhos humildes para conseguir sustentar-se. Em 1916 consegue publicar o romance "Criminoso por Ambição", cuja distribuição era feita por ele mesmo.

A partir daí começa a colaborar com alguns jornais locais (Jornal dos Novos e a Cruzada). No entanto a vida ainda o castiga muito e o escritor chega a viver em estado de extrema miséria.

Sua situação começa a melhorar somente em 1917, quando funda juntamente com o português João Pinto Monteiro, um semanário intitulado "Portugal".

Em 1919, já com a situação financeira regularizada, Ferreira Castro viaja pelo Brasil e faz vários contactos importantes. No entanto, retorna a Portugal com a intenção de seguir uma carreira literária.

Em 1920, funda, com Nuno Romano, o jornal "O Luso", que tinha a intenção de aproximar o Brasil de Portugal. Esse periódico extingue-se alguns meses depois e, novamente, Ferreira Castro vive em estado de extrema miséria.

Pouco a pouco, começa criar relações com pessoas que lhe abrem o caminho na vida jornalística. Começa também a produzir e publicar romances: Carne Faminta - 1920; O Êxito fácil - 1923; Sangue Negro - 1923; A boca da esfinge - 1924; A morte Redimida - 1925 etc.

Em 1928 funda e dirige, junto com Campos Monteiro, o magazine "Civilização". Ainda nesse ano, publica o romance "Emigrantes", que, além de receber elogios da crítica em Portugal, marca também o início definitivo de sua carreira de escritor.

Em 1930 publica "A Selva", na qual relata as experiências vividas na Amazónia. Esse romance tornou-se um grande sucesso tanto em Portugal como no Brasil. Isso porque a retrata os problemas sociais vividos pelo povo da região Amazónia com objectividade e extremo senso crítico. Em 30 de Maio deste ano morre a sua companheira Diana de Lis. Angustiado, interrompe suas actividades literárias e abandona a direcção do magazine "Civilização".

A obra "Eternidade" publicada em 1933, marca o seu retorno às actividades literárias, que se prolonga até a sua morte, ocorrida em 29 de Junho de 1974 na cidade do Porto.

Ferreira de Castro teve seus livros traduzidos para vários idiomas. Sem sombra de dúvidas, as obras mais importantes de sua carreira são "Emigrantes" e "A Selva", pois são consideradas precursoras do Neo-Realismo em Portugal.

Outras obras de destaque do escritor: escritor

Terra fria – 1934;

Tempestade – 1940;

A lã e a neve – 1947;

A curva da Estrada – 1950;

A missão – 1954;

O Instinto Supremo – 1968;

 

O LOCAL:

A casa, que é apresentada por esta cache, é de meados do séc. XIX e de traçado rural, retractando a sua origem humilde.

casa A Casa – Museu Ferreira de Castro é composta por dois pisos, apresentando no primeiro piso, uma adega, onde estão expostos alguns utensílios agrícolas da época, nomeadamente: o lagar, a prensa, uma salgadeira e seis pipos, contrastando com o cromatismo de nove quadros oferecidos ao escritor por autores consagrados.
O segundo piso desenvolve-se em quatro cómodos de parcas dimensões, nomeadamente: a cozinha, a sala, o quarto de José Ferreira de Castro, onde se encontram também a mala e os sapatos que usou em 1939, na volta ao mundo, que realizou e o quarto de D. Maria Rosa, mãe do escritor.
Uma outra preciosidade que existe na Casa – Museu Ferreira de Castro é um velho dicionário que, em Belém do Pará, constituiu a sua primeira riqueza.
No exterior da casa conservam-se, por vontade expressa do escritor, o quintal e o pinhal com as árvores existentes ou, em sua substituição, outras da mesma espécie.
Este edifício passou por várias utilizações, nomeadamente, marcenaria e Casa do Povo. Só em “A” (ano), torna a ser usufruto de Ferreira de Castro, desta vez como proprietário, graças a uma doação da esposa do Comendador Artur Gomes Barbosa por intenção deste.

Nesta data, o escritor Ferreira de castro, já com o intuito de a tornar na sua Casa – Museu, providencia a sua decoração, conferindo-lhe o ambiente e aspecto que teve a sua casa berço.

Em 1967, Ferreira de Castro doa a propriedade à autarquia, que se comprometeu, desde essa data, a mantê-la e conservá-la, proporcionando visitas guiadas a todos que o quisessem fazer.

A localização da cache não obriga a visita à Casa – Museu, apesar de recomendar que se faça esta visita.

A cache inicial trata-se de um container de tamanho pequeno que contém:

1 lápis

1 Afiadeira

1 LogBook

Nota Informativa do Geocaching

1 travelBug

1 chaveiro, 1 clip com boneco para troca

 

- Coordenadas da habitação da zeladora da Casa-Museu N 40º 50.2005 W 008º 25.680

 

A – No jardim da Casa – Museu existe um bloco de pedra de mármore a qual contém uma inscrição alusiva à doação da propriedade a Ferreira de Castro, tendo também inscrita uma data, com a qual também completa o texto, qual?

 

B – Quantas letras contém a placa afixada no pilar do portão de entrada da

Biblioteca de Ossela.

 

CONTAS – N 40º 50.(A + 12 semestres em meses + 255)

W 008º (B + nº dias semana).720

 

 

INGLÊS

 

JOSE MARIA DE CASTRO FERREIRA was born on May 24, 1898, in Salgueiros, Ossela of parish, municipality of Oliveira de Azemeis - Portugal. Son of Eustachian José Ferreira de Castro and D. Rosa Maria Soares de Castro, lived much of his childhood in that small place. The Museum is home today, and is in the vicinity of this house-museum that hides a cache. In 1904, Ferreira de Castro enters the primary school of Ossela. Two years after passing through serious financial problems because of loss of father.

In 1928 founded and directs, along with Campos Monteiro, the magazine "civilization." Also that year, publishes the novel "Emigrants," which, in addition to receiving critical praise from Portugal, also marks the definitive beginning of his career as a writer.

In 1930 published "The Jungle", which describes the experiences in the Amazon. This novel became a great success both in Portugal and Brazil. Because it portrays the social problems experienced by the people of the Amazon region with extreme objectivity and sense. On May 30 this year killed his companion Diana de Lis. Distressed, interrupted his literary activities and leave the direction of the magazine "civilization."

The book "Eternity" published in 1933, marking his return to literary activity, which lasts until his death, which occurred on 29 June 1974 in Porto.

Ferreira de Castro had his books translated into several languages. Without shadow of doubt, the most important works of his career are "Emigrants" and "The Jungle" because it is considered a precursor of Neo-Realism in Portugal.

The house, which is presented by the cache, is the middle of the century. XIX and rural route, withdraw its humble origin.

The location of the cache does not require a visit to the House - Museum, despite recommend you make this visit.

 

- Coordinates the residential custodian of the House-Museum N 40º 50.2005 W 008 º 25.680

A - In the garden of the House - Museum there is a block of marble which contains an inscription referring to the donation of the property to Ferreira de Castro, also entered a date, with which also supplements the text, what?

B - How many letters containing plate affixed to the pillar of the gate's input Library Ossela.

Calculates: N 40 º 50. (A + 12 semesters in months + 255)

W 008 º (B + Nº week days) .720

Additional Hints (No hints available.)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.