Skip to Content

This cache has been archived.

Gato Maltês: A paciência tem limites. Para mim chega!
Fica o espaço livre para quem quiser, uma vez que não estou virado para o lado de colocar mais caches.
Obrigado a todos os que a visitaram.

More
<

Ponte do Arrabalde

A cache by Gato Maltês Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 11/14/2009
Difficulty:
3 out of 5
Terrain:
1 out of 5

Size: Size: other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:



A Ponte do Arrabalde tem grandes tradições na história de Leiria e nas suas ligações para os diversos locais da freguesia de Marrazes, para além de ser, de longa data, a passagem de saída na direcção da estação dos caminhos-de-ferro e para a Estrada da Figueira da Foz.
Não me foi possível estabelecer com exactidão a data de construção, nem tão pouco saber quem foi o seu autor. No entanto, e após consultar os ANAIS do Município de Leiria, de João Cabral, é provável que a data de construção desta ponte seja anterior a 1823.


… Leiria tinha, além das pontes sobre o Rio Lis que eram a dos Caniços, a mais antiga, a que estava em frente da Igreja do Espírito Santo, a do Bairro dos Anjos, a do Arrabalde e a das Mestras…
... Existiam também outras pontes menores, nos subúrbios da cidade, por cima de pequenas valas. .../...
Foi deliberado na reunião de 16.7.1823, reparar a "Ponte de Pau", ...
                                                        (ANAIS do Município de Leiria, vol. I, pág. 138)

… O Vereador Curado declarou, na reunião de 4.1.1877, que se estivesse presente na de 21 de Dezembro do ano anterior, não apoiaria a deliberação tomada da “construção do muro em seguida ao que ultimamente foi construído no marachão do rio, por ser da opinião que dali até à Ponte do Arrabalde se fizessem motas, seguras com estacaria, salgueiros”, etc. …

(ANAIS do Município de Leiria, vol. I, pág. 225)

“… - Ti Ambrósia, vossemecê tenha paciência, mas descalça é não pode entrar em Leiria. Olhe que as multas são pesadas - advertiam-na as vizinhas, irmanadas pelo mesmo dilema. - Faça como nós, vai descalça pelo caminho e só calça as sandálias à entrada da cidade.
Após hesitações e recuos sem conta, lá se resignou a ti Ambrósia a comprar um par de sandálias, amplas como 13 barcas, que lhe custaram um dinheirão e que o sapateiro lhe afiançava serem macias como uma luva.
- Vai ver que quando se apanhar com elas nos pés, nunca mais as quer largar.
Maldita boca de trapos! O que o malandro queria era apanhar-lhe o rico dinheirinho. Quando lhe perguntavam, depois, qual tinha sido o pior dia da sua vida, a ti Ambrósia, não hesitava um segundo, quais partos, quais doenças, quais sacrifícios e tragédias da vida, nada se comparava àquele momento em que, fazendo das tripas coração, conseguira encafuar as patorras naquelas malditas sandálias e se aventurara a caminhar, aos tropeções, pelas ruas calcetadas da cidade. Nem para o seu maior inimigo pedia tal suplício. Julgara que ia morrer. Passados cinco minutos, uma eternidade, já tinha os pés a escorrer sangue, as tiras de sola das sandálias enterravam-se na carne até ao osso, já não se atrevia a dar nem mais um passo, seria capaz de cair para o lado, com tanta dor que lhe subia até ao coração. Desvairada, com a luz varrida dos olhos, descalçou-se e, com as sandálias na mão, correu, correu, só descansou quando, com o coração a galope como um cavalo no peito, já fora da cidade, debaixo da Ponte do Arrabalde, enterrou os pés martirizados na corrente fresca do rio. …”
                                                ( “Ti Vida”, livro de Manuel Santos Carvalho)

Em Janeiro de 2007 e no âmbito do projecto POLIS, a ponte foi sujeita a uma intervenção para alargamento da via pedonal, tendo ficado mais colorida e de aspecto mais sinuoso.


A CACHE
Para aceder à cache, pode deixar o carro no parque (em Maio, este espaço está reservado à feira que ali se realiza anualmente) e fazer uma agradável caminhada junto ao rio, de aproximadamente 250 metros até ao local de busca.
A cache está colocada num local onde a afluência de pessoas é normal, pelo que a discrição na procura, recolha e reposição da mesma é imperativa.
Para manter a surpresa para os próximos visitantes, o contentor deve ser recolocado exactamente no mesmo local.
Não publique fotos do contentor e quando fizer o log, se se referir à cache, faça-o de forma cuidada para não a desmascarar.
Por favor não cole autocolantes no logbook e após registar a sua visita, certifique-se que o contentor fica bem fechado.
É necessário levar material para escrita.

Additional Hints (No hints available.)



 

Find...

628 Logged Visits

Found it 529     Didn't find it 33     Write note 28     Archive 1     Temporarily Disable Listing 11     Enable Listing 11     Publish Listing 1     Needs Maintenance 2     Owner Maintenance 6     Update Coordinates 6     

View Logbook | View the Image Gallery of 39 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.