Skip to Content

<

Tourém

A cache by the_Ateam & Friends Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 03/13/2010
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Tourem

Tourém está associada à fundação de Portugal.
No século XII, sob a tutela protectora do Castelo da Piconha, a quem fornecia os bens e recursos para sustentar as lutas que se desenvolviam, primeiro na reconquista cristã e, depois, na independência de Portugal, Tourém assume um papel muito importante.
Tourém é feita vila com a carta de foral de D. Sancho I, por volta do ano 1200 (entre 1185 e 1211) e sede administrativa da honra de Tourém, uma das seis famosas honras de Barroso (as outras eram Gralhas, Meixedo, Padornelos, Padroso e Vilar de Perdizes).
Tourém teve, a partir dessa altura, Câmara, Vereação e Juíz.
Com o desaparecimento do Castelo da Piconha, por volta de 1650, Tourém assume-se como o centro politico administrativo e económico da honra de Tourém, substituindo, nos cartórios da Administração Pública, a designação de concelho do Castelo da Piconha por concelho da Honra ou Vila de Tourém.
O concelho de Tourém foi extinto na reforma de Passos Manuel de 1836.

Freguesia do Concelho de Montalegre, situada a uma distância de 30 km da sede do concelho e integrada na área protegida do Parque Nacional da Peneda Gerês.
Tourém, aldeia com 185 habitantes, é a freguesia mais visitada pelos Galegos, pois é comum dizer-se que é um dedo português metido na Galiza.
Segundo Manuel Dias, na obra Montalegre Terras de Barroso “Tourém foi a sala de visitas do concelho. Era e, sin embargo, como dizem nuestros hermanos, continua a ser a terra mais visitada por Galegos...” (Dias, 2002: 129)
Em termos climáticos, Tourém, à semelhança do resto do concelho apresenta um clima frio e rigoroso, com neve e gelo e com verões bastante quentes.
Aproveitando a corte do Boi do Povo para evidenciar a Identidade cultural, funciona em rede com o Centro Interpretativo em Montalegre, abordando as seguintes temáticas: “O Boi do Povo, as relações com a vizinha Espanha, o Couto misto, o sistema de regadio, o castelo da Piconha, o contrabando, os modos de produção local, as alfaias agrícolas e a venda de artigos artesanais.

Couto Misto - O caminho previligiado

Embora se desconheça a origem de sua instituição, ligada desde a Baixa Idade Média ao Castelo da Piconha, posteriormente vinculado à poderosa Casa de Bragança, constituía-se numa pequena área fronteiriça de cerca de 27 km² com organização própria, que não estava ligada nem à Coroa de Portugal e nem à da Espanha. Entre os direitos e privilégios deste pequeno território encontravam-se o de asilo para os foragidos da justiça portuguesa ou espanhola, o de não dar soldados nem para um reino nem para o outro, o de isenção de impostos, o de liberdade de comércio (como o sal, objecto de estanco até 1868), a liberdade de cultivos como o do tabaco, e outros.

Até à assinatura e entrada em vigor do Tratado de Lisboa (1864), em 1868, celebrado entre Portugal e Espanha, cada habitante do Couto elegia livremente a nacionalidade espanhola ou portuguesa. A partir do Tratado, os seus domínios passaram para a soberania da Espanha, integrados nos Concelhos de Calvos de Randín (aldeias de Santiago e Rubiás ou Ruivães) e Baltar (aldeia de Meaus ou Meãos). Em contrapartida, passavam para a soberania de Portugal os chamados "povos promíscuos", até então divididos pela linha da raia, actuais Soutelinho da Raia, Cambedo e Lama de Arcos (Chaves)

Os habitantes do Couto dispunham de um caminho neutro, de cerca de 6 km de extensão, que, partindo do Couto, atravessava as terras de Calvos de Randín, na Galiza, e de Tourém, em Portugal, seu destino. Era delimitado por mourões ou marcos de pedra, marcados com diversos sinais, como cruzes.

Utilizado para o trânsito de pessoas e de mercadorias, as autoridades de ambos os países não podiam realizar nenhuma apreensão dentro de seus limites (nem de contrabando), nem de molestar seus usuários.

Forno do Povo

Edifício inteiramente de pedra. A fachada principal é sustentada por trés pesados e grossos gigantes sobre os quais descarregam os arcos que internamente sustentam a cobertura.
No interior pode observar-se frente à porta, o tendal, lage comprida, coberta de colmo de centeio, sobre o qual é colocado o lençol que embrulha a massa trazida de casa pelas mulheres e onde estas tendem o pão. A direita, sobre um balcão de pdraa, está o forno. No lado oposto, saliente da parede fica uma copeira. todas as segundas-deiras há um homem, o quentador, a quem cabe a vez de aquecer o forno. Essa tarefa é distribuida ao longo do ano "à roda pelo povo".
"Atrás do quentador" marcam-se as "vezes para cozer", cozendo de cada vez três ou quatro vizinhos".


A Cache

Multi simples que vos "obrigará" a conhecer o forno do povo, passeando pelas ruas de Tourém. O ponto final fica já perto da fronteira com Espanha, passando pela ponte sobre o embalse de Salas. As coordenadas são obtidas através da seguinte fórmula:

N41 55.5BA W7 53.9CD

onde ABCD é o ano que pode ser encontrado gravado dentro do forno (coordenadas iniciais)

Esta cache foi colocado durante os festejos do nosso 3º aniversário de Geocaching, do found #1000 do Fernando Rei e #700 do PatrolTeam. Que melhor lugar do que este para esses festejos, um local cheio de mística e história e na melhor companhia. Um local que já merecia à muito uma cache!

Additional Hints (Decrypt)

Ab puãb, qronvkb qr hzn crqen

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

122 Logged Visits

Found it 112     Didn't find it 6     Write note 3     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 51 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.