Skip to content

<

Indiana Taparué e o legado de Sonho

A cache by Valente Cruz Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 02/06/2011
Difficulty:
3.5 out of 5
Terrain:
4.5 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Esta geocache pertence ao projecto A TRILOGIA DE SONHO, que é composto por A queda de Sonho, Indiana Taparué e o legado de Sonho, Indiana Taparué e o Sonho no Portal do Inferno.

INDIANA TAPARUÉ E O LEGADO DE SONHO

Após a grande batalha que pôs fim ao domínio dos gigantes sobre a Terra, pelos acontecimentos que se seguiram À queda de Sonho, os homens viveram em paz e harmonia durante largos anos. Os seus reis governavam de uma forma justa e benevolente e as recordações horripilantes de tempos antigos sucumbiram ao raiar da esperança de uma nova era.

Mas, entre as trevas do mundo, uma sombra alastrava-se como um sussurro do medo numa noite invernosa. Durante a batalha derradeira, o último senhor dos gigantes, encurralado no seu palácio no pico da mais alta montanha, ao aperceber-se da derrota eminente, abriu o seu peito e transferiu a sua essência para um homem que permanecia seu escravo. Durante a noite, longe dos sonhos de outros, o gigante vinha visitar o homem que, ao fim de alguns anos, levou a família para o topo de uma montanha e passaram a viver como eremitas.

 

Várias gerações se sucederam, partilhando todos os mesmos sonhos tenebrosos, e quando os eremitas já eram mais do que mil, começaram a urdir planos contra os outros homens. Surgiram então vários conflitos que culminaram com a Guerra das 1000 luas, cujo desenlace foi a criação de dois reinos distintos com as fronteiras bem delimitadas.

O tempo atropelou-se numa vontade fugidia e as eras sucederam-se, sendo que as fronteiras dos dois reinos foram-se esbatendo à medida que a ambição e o desejo de poder dos homens iam crescendo. Chegou uma altura em que os homens já não identificavam de que lado tinham estado os seus antepassados na Guerra das 1000 luas ou tão pouco sabiam quem tinha sido Gaia, sendo que os seus sonhos misturavam-se com os pesadelos como uma dança universal entre o sol e a lua.

Num dia de que não há registo a sua exactidão, quando os homens viviam em querelas constantes, houve um jovem aventureiro e arqueólogo, de seu nome Indiana Taparué, que encontrou um pergaminho na Biblioteca Perdida, onde estava contada toda a história da primeira era. Seguindo as suas indicações, Indiana Taparué foi até ao local onde Gaia residiu quando vivia escondida dos gigantes, numa passagem secreta por detrás de uma queda de água.

No esconderijo de Gaia, Indiana Taparué encontrou uma velha caixa com uma mensagem quase esbatida pelo tempo e lá dentro achou um ser tão pequeno que a sua presença apenas pode ser sentida quando todos os sentidos se apagam e a consciência atinge um equilíbrio com a natureza.

Suspeitando que o tempo poderia deturpar a alma humana, aproximando-a aos gigantes, Sonho revelou a Gaia a existência de tais criaturas, tão antigas como o tempo e que viviam escondidas nos cumes cobertos de neve. Ela, ao fim de algumas tentativas, conseguiu encontrar um e trouxe-o para o seu esconderijo.

Indiana Taparué desdobrou o pergaminho, que estava amarelado pelo tempo mas nada lá estava escrito. Sabendo de antemão o que tinha de fazer, colocou o pergaminho na água e as letras surgiram:

De tão entusiasmado que estava, Indiana Taparué agarrou na caixa e preparava-se para sair quando ouviu um estrondo profundo. As rochas que sustinham o leito do rio começaram a ceder e ele, num fôlego, conseguiu escapar por pouco, submergindo entre as águas cristalinas.

Mal abriu os olhos, deparou-se com homens que o acometiam com espadas em riste. Ele, num ápice, atravessou para a outra margem cima do tronco e, seguindo pela margem, chegou a uma levada/vereda. Seguiu-a, mas os homens foram no seu encalço, gritando promessas de uma morte dolorosa.

Passou então por um carvalho secular que pende sobre o rio e meia dúzia de metros depois desceu por um velho trilho que seguia em direcção ao rio.

Contudo, antes de chegar à água, escutando os passos dos homens que o perseguiam subiu a um penhasco que ficava sobranceiro sobre a lagoa que o gigante Sonho tinha criado e onde ele escondia o seu corpo enorme.

Num relance, Indiana Taparué escondeu a caixa debaixo de um penedo e atirou-se para a lagoa. Os homens que o perseguiam dragaram a água durante dois dias e duas noites mas não o conseguiram encontrar.

 

A história soçobrou para a lenda e o mito adormeceu-a pelas eras da Terra, mas a brisa vai murmurando esta história através dos tempos e há quem diga que a caixa ainda pode ser encontrada onde Indiana Taparué a escondeu, apesar de não existirem certezas se o bagbi ainda lá está. Outros dizem que, algum tempo depois, Indiana Taparué voltou ao penhasco e levou o bagbi, deixando contudo lá a caixa e desde então o pequeno ser, aedo de Sonho, tem passado de guardião para guardião, procurando mudar vontades ao sonho dos homens.


Advertências

Não existe propriamente uma maneira que seja fácil de chegar ao local onde Indiana Taparué terá escondido a caixa e quando chegarem ao cume do monte sugerido para a descida, com o sol a raiar desconfiança nos vossos corações, é possível que perguntem à consciência: “Será que vale a pena?”

Sigam a sugestão do poeta e embrenhem-se na descida por onde vos parecer melhor, já que não existe um trilho certo.

Quando chegarem ao rio, podem seguir os passos de Indiana Taparué mas para isso devem levar o trabalho de casa já feito e aproveitar as referências e as imagens. Devem começar por encontrar o início da levada/vereda, que fica poucas dezenas de metros a jusante do tronco que une as margens. Não precisam passar para a outra margem pelo tronco! De qualquer forma, e com muitos cuidados, podem sempre libertar o Indiana que há em vós.

Evitem visitar o local em dias de muita pluviosidade pois podem não conseguir atravessar o rio. Noutras situações, mesmo no Inverno, como quando nos aventurámos pelo local, não devem ter problemas em atravessá-lo. No caso de lá irem no Verão é proibido não tomarem banho nas lagoas, sendo o incumprimento passível de serem perseguidos por uma maldição geocachiana de muitos DNF’s.

Quando descobrirem a caixa, podem murmurar as vossas vontades e/ou desejos ao bagbi na esperança que ele ainda lá esteja. Fechem os olhos, sintam a natureza e falem com o coração pois só assim ele vos poderá escutar.

Depois de expostas as vontades no registo, regressem ao trilho e desçam até à lagoa para apreciarem a represa que Sonho criou para se esconder submerso a olhares indiscretos, num local onde o rio encontra o Vouga.

De forma a aproveitarem o sítio, contem com cerca de duas horas para esta aventura.

Levem roupa e calçado adequado.

Durante a descida/subida é possível que risquem as pinturas.

Sigam os waypoints e lembrem-se que a segurança está acima de qualquer estatística.

Podem existir outras formas de chegar ao GZ, nomeadamente pela outra margem, mas em caso de dúvida não arrisquem.

Desfrutem do local e protejam a Natureza!


free counters

Additional Hints (Decrypt)

Qrfpr r fbor... ab craunfpb.
Cbe qronvkb qr hzn ynwr.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.