Skip to Content

<

PASSADEIRA DE MADEIRA - PR1

A cache by Paulo Martins Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 5/26/2011
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size: small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


PERCURSO PEDESTRE - ARRIBAS DO TEJO

"Arribas do Tejo” é um percurso pedestre de pequena rota. Trilha veredas antigas que serpenteiam as encostas sobranceiras ao rio Tejo, são trilhos ancestrais, construídos ao longo dos tempos por gerações de pastores e camponeses, gente simples respeitadora dos valores da natureza. São caminhos abertos com habilidade pelas mãos calejadas de um povo que sempre viveu daquilo que a terra dava, as oliveiras plantadas em socalcos nas íngremes encostas do Tejo, eram mais que simples árvores, eram parentes que se estimavam. É um percurso circular, que se desenvolve nas duas margens desse grande rio que é o Tejo, em terras das freguesias de Gavião e de Belver, terras ricas de história e património.

 

O percurso tem o seu início junto à Igreja da Nossa Senhora da Visitação, padroeira das gentes devota da Vila Medieval de Belver. Após percorrer a estreita Travessa 5 de Outubro e de descer a Rua da Fontinha, o pedestrianista chega à Ribeira de Belver e lá ao fundo, numa das curvas da ribeira, encontra o Lagar da Fraga , lagar de pesadas mós de pedra antiga, gastas pelo girar de muitos anos,” tocadas” pelas águas límpidas da ribeira que saltam do açude em turbilhão e correm velozes na levada de lajes de xisto. Ao cimo da levada atravessa-se a ribeira , subindo a encosta, por caminho de lajeado gasto de tanto uso, ladeado por muros de pedra seca.

A vista, descansa sobre o casario da Vila que se abriga sob as muralhas do imponente Castelo Medieval de Belver, são séculos de história a passar sob os nosso olhar, histórias de cavaleiros e de princesas, de fidalgos e de plebeus, de amores e de poetas, de juras e de traições, do sagrado e do profano. Depois da estrada das Torres, seguimos á direita por caminho de terra batida, vislumbramos o rio lá em baixo e, é por entre olivais e vinhas velhas que chegamos à aldeia da Torre Fundeira. Terra de gentes do rio, antigos pescadores do sável e da lampreia, gentes para quem o rio nunca teve segredos, gentes que faziam do barco a sua casa. Falam com paixão e com saudade, de um tempo já passado, das correntes, dos fundões, dos melhores pesqueiros, das artes da pesca e dos segredos do rio.

 

Após o percurso no centro da aldeia, é o tempo antigo que se volta a cruzar no nosso caminho, a Anta do Penedo Gordo , monumento funerário, classificado como de interesse concelhio, é testemunha presente de que o povoamento humano nesta região já vem de um tempo sem idade. Prosseguimos para sul e, é do cimo do Cabeço do Pintalgaio local de vistas privilegiadas, que espreitamos terras de três regiões; Alentejo, Ribatejo e Beira Baixa, é aqui que começam e acabam três Concelhos; Gavião, Abrantes e Mação e é aqui que se entrelaçam três distritos; Portalegre, Santarém e Castelo Branco.

 

Descemos o morro em direcção à beira-rio, junto à foz da Ribeira d' Eiras , bandos de passarada do rio esvoaçam por entre os canaviais da albufeira em ruidoso chilreio, elevam-se em revoadas pelos céus e desaparecem no horizonte. Passada a ponte da Ribeira, entramos no Município vizinho de Mação, ladeamos a praia fluvial da Ortiga , em direcção ao velho apeadeiro da Barragem de Belver , atravessamos a linha férrea da Beira Baixa, na passagem de nível sem guarda, atenção aos comboios - pare, escute e olhe .

 

Pelo tabuleiro da Barragem de Belver , barragem de fio de água, uma das primeiras a ser construída em Portugal, chegamos á margem sul do Rio Tejo, terras da freguesia de Gavião, terras de Além -Tejo. Logo à saída da barragem tomamos caminho à esquerda em direcção às antigas Termas da Fadagosa e daí seguimos por um carreiro até à Praia Fluvial do Alamal . O pedestrianista segue por um carreiro que serpenteia a encosta sobranceira ao rio, junto às águas mansas da albufeira. Por entre medronheiros carregados de frutos vermelhos, enleados de madressilvas, as avencas, a pervinca, os musgos cobertos de gotas cristalinas, brotam dos muros de pedra seca. Junto á água, os melros e os rouxinóis espalham melodias pelo arvoredo frondoso de freixos, amieiros e de salgueiros, tufos de fetos reais, amontoam-se nas margens do rio que parece adormecido, sem pressas de chegar ao mar. E na curva do caminho, eis-nos chegados à Praia Fluvial do Alamal, praia de Bandeira Azul.

 

No extenso areal da praia, o pedestrianista é convidado a descansar e a estender o corpo ao sol, fechar os olhos e, perceber o significado da tranquilidade, do bem-estar, da paz de espírito. Ainda há lugares assim, bem hajam todos aqueles que souberam ao longo dos tempos cuidar desde jardim. Mas o percurso continua e é já no passadiço do Alamal , que contemplamos no morro em frente o Castelo Medieval da Vila de Belver e imaginamos a vida de outros tempos, este troço do passadiço de madeira, permite uma marcha cómoda e de relaxamento, que se percorre sem pressas, até se chegar à centenária ponte de Belver , ponte de ferro e de grossos pilares fundados nos penedos que brotam das profundezas do rio.

Pela ponte, deixamos terras do Além - Tejo, passamos para a outra margem e entramos novamente nas terras de Guindintesta, terras fundadas pelos cavaleiros da Ordem do Hospital, terras da freguesia de Belver . À saída da ponte, junto ao edifício dos teares das mantas de Belver, vencemos uma escadaria, continuando a subir a encosta através de carreiro, chegamos ao Caminho da Fonte Velha . Ao longo do Caminho da Fonte Velha, recentemente intervencionado, o pedestrianista pode admirar uma exposição de figuras esculpidas nos muros do caminho. É uma prova evidente de que a harmonia entre o antigo e o moderno não é uma miragem. No respeito pelo espaço existente reside o segredo desta intervenção. Continuando, chegamos ao ponto de partida deste percurso, ao Largo Luís de Camões, ao Largo da Igreja de Belver.

 

Chegados aqui, é tempo de retemperar forças, a gastronomia local é uma bênção para o corpo e uma alegria para a alma; o ensopado de enguias, o arroz de lampreia, o sável e o achigã frito, as couves com feijão, a lebre com couve, o bacalhau assado com o feijão-frade de Margem, são tesouros que só aqui podemos encontrar. Ainda há lugares assim e aqui tão perto, volte e traga um amigo.

 

Texto retirado do site da Câmara Municipal do Gavião : http://www.cm-gaviao.pt/

Esta série de caches têm como objectivo divulgar o percurso pedestre, incentivar os geocachers a caminharem e dar a conhecer mais um pouco de Portugal.

 

 

 

A cache: Desde a praia fluvial do Alamal até à ponte sobre o Rio Tejo o visitante é conduzido por uma passadeira de madeira. O caminho envolto em luxuriante vegetação tem o Tejo como companheiro. A paz, o silêncio e o contacto com a natureza ganham uma nova dimensão. A ponte centenária diz-nos que estamos quase a chegar ao fim do nosso passeio, mas antes de chegar à ponte...mais uma geocache! Porque não?

Additional Hints (Decrypt)

Svkn an cnffnqrven - ncranf noeve n gnzcn.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

247 Logged Visits

Found it 238     Didn't find it 3     Write note 2     Temporarily Disable Listing 1     Enable Listing 1     Publish Listing 1     Needs Maintenance 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 93 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.