Skip to Content

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.

Traditional Geocache

Histórias & Memórias

A cache by Valente Cruz Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 8/31/2012
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
3.5 out of 5

Size: Size: small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Translation
Esta cache encontra-se perto de uma cascata do rio Paivô, entre Regoufe e Drave, e a sua descoberta implica uma caminhada de cerca de 4 km pelas encostas da serra, por veredas de pastores e, na fase final, pelas margens e leito xistoso do rio.

Quem sou eu? Quase perdi a memória do que era; histórias do que vai e vem. Que me importa o que me rodeia? Habituei-me ao silêncio, uma vez mais. Na luta pelo mundo, entre o tempo e os deuses, fiz-me apoiante do primeiro. Não sei quantas eras durou a batalha. Pareceu-me uma eternidade, entre os laivos da loucura de quem tudo deseja; a vontade etérea ou nada. Acabámos por vergar os deuses, ganhámos a vida e o tempo deu-me a desejada perenidade, tal como prometera. Vi a minha vida estendida pela eternidade e pensei que não poderia desejar algo mais. Enganei-me.

Tive o corpo coberto pelo gelo por inúmeras vezes; noutras tantas o sol aqueceu-me a alma. Ao longo das eras vi chegar e partir muitos. Começaram por ser inconscientes e selvagens. Pequenos e grandes a lutarem pela sobrevivência, contra o tempo. O tempo, o meu aliado das eras. Recentemente chegaram os homens; bípedes e a fazerem lembrar os nossos inimigos dos primeiros tempos. Percebi então que talvez a luta não tenha terminado; talvez eles sejam a vingança dos deuses contra o tempo mas já não me importam as suas querelas.




Construíram pequenos amontoados de pedras e por ali viviam. Domesticaram os animais e persistiram. Certo dia, dei conta deles ali em baixo à procura da pedra áurea. Ouro, assim lhe chamavam. Vieram muitos, mas acabaram por partir. Depois alisaram as encostas e semeavam por lá as suas subsistências. Quando dei por mim estavam a rebentar com os meus irmãos. Abriam buracos e enfiavam-se por lá à procura de metais. Parece que seria para a guerra. Já não quero saber de guerras, mas à sua conta esburacaram-me a paisagem. Mas também esses foram embora. Agora vejo poucos por cá e cada vez me custa mais a solidão. Restam-me os pastores, que abrem caminho pelas veredas, e os caminhantes. No outro dia estive atento a dois que desceram pela encosta, seguindo pelas veredas dos pastores, passaram por mim, e continuaram pelo rio até à cascata ali mais em baixo. Deixaram por lá um plástico escondido num buraco da rocha e disseram que mais viriam. Assim espero; cada vez me agrada menos a solidão. Já não sei quem sou; uma sombra, talvez. Outras eras virão e eu cá estarei. Carrego a benesse de outrora como uma cicatriz do tempo. Mas, que sei eu? Sou apenas uma fraga e vejo lá em baixo o rio correr. Um dia vou agarrá-lo e talvez ele me leve daqui; um dia…




A CACHE

O percurso mais rápido para a cache inicia-se em Regoufe, seguindo depois pelo PR Aldeia Mágica. Deverão subir a encosta que fica do outro lado da aldeia e, ao chegaram ao topo, deverão abandonar o PR, que segue para Drave, e seguir pelo trilho da encosta que aparece à direita. Facilmente identificam lá em baixo as construções humanas, misturadas com o verde. A certa altura a encosta tornar-se-á mais escarpada e o trilho passa por veredas. Deverão atravessar ainda uma velha ponte de madeira. Se quiserem poderão usar este track como referência.




Ao chegarem à fraga que narra a história acima descrita poderão, com muito cuidado, contorná-la pelo lado esquerdo. A lagoa lá em baixo é muito convidativa para o banho e poderão passar por lá no regresso. Prosseguindo, deverão chegar ao rio e continuar pelo seu leito ou margens. A dado momento terão que o atravessar. No inverno, e/ou em alturas em que o caudal do rio seja maior, a travessia deverá ser difícil e poderá mesmo ser potencialmente perigosa. Sejam cuidadosos! Ao chegarem à cascata já estarão perto do contentor. Sigam pelo trilho à esquerda.

Em alternativa ao acesso descrito poderão partir de Drave, pelo mesmo PR acima referido. Ainda, e se procurarem mais aventura, poderão partir de Covelo do Paivô e seguir pelo leito do rio até Drave, passando por este local. Para lá do desafio, existem inúmeros locais de interesse. Como curiosidade, durante o verão, a ribeira de palhais, que vem de Drave e é afluente do Paivô, corre em vários locais de forma subterrânea, voltando a aparecer mais abaixo em forma de lagoas e pequenas cascatas. Se tiverem alguma dúvida não hesitem em contactar-nos.




Desfrutem do percurso e da descoberta, protegendo a Natureza!

free counters

Additional Hints (Decrypt)

An pnfpngn, frthr b gevyub cryn rfdhreqn r, prepn qr 20 zrgebf qrcbvf, cebphen ab ohenpb, qronvkb qn crdhran ynwr.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

68 Logged Visits

Found it 65     Write note 2     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 103 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated: on 6/10/2018 3:05:42 AM Pacific Daylight Time (10:05 AM GMT)
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page