Skip to content

Moinho de Maré da Torre Multi-cache

Hidden : 02/04/2012
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:





Atenção: ESTA CACHE NÂO DEVERÁ SER FEITA DURANTE A MARÉ ALTA.
Pode consultar a página das marés Neste link.


Agora que tanto se fala na utilização de energias renováveis, convém lembrar o uso que desde há séculos se faz em Portugal de uma energia renovável, que é a energia das marés. Esta energia tem sido utilizada no nosso país para moer cereais, em moinhos especialmente concebidos para esse efeito, que são os moinhos de maré.

Os moinhos de maré são habitualmente construídos em rios, perto da sua foz, onde a acção das marés é mais forte. É aproveitada a existência de uma enseada, isto é, de uma reentrância no terreno, natural ou artificial, onde a água da maré cheia possa ser armazenada. Esta enseada é separada do resto do rio por um açude. No enfiamento do açude fica o próprio edifício do moinho, por baixo do qual existem aberturas para a passagem da água: uma passagem para a água que sobe e outra ou outras para a água que desce, onde se encontram os rodízios que fazem girar as mós.


FUNCIONAMENTO:

  • Quando a maré sobe, a água entra pela comporta, (porta de madeira móvel sobre um eixo), colocada no acesso á enseada (chamada caldeira)
  • Quando a maré baixa, todas as comportas existentes no moinho são fechadas, impedindo que a água que entrou na caldeira volte para o rio.
  • Na maré baixa, verifica-se então uma diferença de nível entre a água que está na caldeira e a água que está no rio.
  • Nesta altura, são abertas as comportas da passagem da água para os rodízios.
  • O movimento dos rodízios é transmitido às mós, através de um sistema de engrenagens, e aquelas começam a moer o cereal, transformando-o em farinha.

Em quase todos os estuários dos rios portugueses se construíram moinhos, mas a região do Seixal, constituída por terrenos baixos e alagados pelos esteiros do Tejo, facilitava a sua construção. No séc.XVI, entre Almada e o Montijo, foram observados cerca de 60 engenhos!
Junto dos moinhos existiam portos onde chegavam os barcos utilizados no transporte das farinhas e no escoamento de produtos da região.
Já neste século alguns moinhos tiveram outras utilizações. Prepararam farinha de peixe, adubos e descascaram arroz.

Como se pode observar abaixo na Ponta dos Corvos, existem 4 moinhos de maré:
O do Galvão, o do Capitão, o da Passagem, e o da Torre, todos em frente ao Seixal.



Não encontramos informação acerca deste moinho, mas de todos é o moinho mais bem conservado.

Esperamos que aproveitem o momento assim como nós aproveitamos quando aqui fomos passear e posteriormente decidimos partilhar convosco.

Pelo caminho vão encontrar algum lixo, muito dele trazido pelas marés. Se quiserem fazer um pouco de CITO a Natureza agradece.

A vista para o Seixal é magnífica, os “amantes” de fotografia podem tirar umas belas fotos do local.



A Cache:
Esta cache é constituida por dois pontos.
No ponto inicial deve contar o número de grandes blocos de pedra que se encontram dentro do moinho logo a seguir á porta, o seu numero será  = A
O Cache final encontra-se em:
Latitude: N 38º 38.8(A+4)8 
Longitude: W 009º 06.3(8-A)5 

Acesso:
Para não complicar o acesso, aconselhamos a seguir os waypoints.

Additional Hints (Decrypt)

Qr onvkb qn znqrven (Aãb rfgá ab zheb)

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)