Skip to content

Lagoa Do Valado/Nazaré Traditional Cache

This cache has been archived.

Bitaro: Olá Ana&Nedis,
Esta geocache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada perante uma situação de falta de manutenção.
Relembro a secção das Linhas de Orientação que regulam a manutenção das geocaches:

O dono da geocache é responsável por visitas à localização física.

Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desactivada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

Se no local existe algum recipiente por favor recolha-o a fim de evitar que se torne lixo (geolitter).

Uma vez que se trata de um caso de falta de manutenção a sua geocache não poderá ser desarquivada. Caso submeta uma nova será tido em conta este arquivamento por falta de manutenção.

More
Hidden : 03/23/2012
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Mais uma Lagoa meio escondida e fora das rotas mais conhecidas. Mas para quem é de perto nao deve ter escapado a umas tardes de verao passadas na lagoa....

Translation

Lagoa Da Nazaré - Valado dos Frades

A extensa área aplanada que hoje é a várzea da Cela/Valado dos Frades e da Maiorga, ladeada a ocidente pela Serra da Pescaria e a oriente pelas colinas do Bárrio, foi em tempos ocupada por uma ria que progressivamente se transformou num estuário lagunar, designada por Lagoa da Pederneira.

 

As zonas que flanqueavam esta Lagoa terão sido povoadas desde o Paleolítico e ao longo do Neolítico. São abundantes os achados arqueológicos do Neolítico, bem como da ocupação romana, na periferia do limite da Lagoa da Pederneira, sobretudo nos bancos mais interiores, como Valado, Cós, Maiorga, Fervença, Cela e Famalicão. As sucessivas ocupações humanas destes períodos são praticamente coincidentes em termos de localização, e delimitam uma superfície imersa indicando que neste troço litoral a superfície terá permanecido pouco alterada até há cerca de 2000 anos atrás. Apesar do assoreamento natural, as principais transformações morfológicas parecem ser posteriores, com grande responsabilidade para a actividade antrópica.

 

A ocupação visigótica da região (séc. VII) está documentada por várias torres que marginavam a laguna, localizadas estrategicamente para a defesa e sinalização das áreas onde provavelmente funcionavam pequenos portos. Os documentos do século XIII referem ainda o acesso por barcos aos portos de Fervença e da Pederneira, que os monges de Alcobaça utilizavam para exportação de sal. No século XIV, a área entre a Mata da Torre, Valado dos Frades e S. Bartolomeu seria ainda coberta por água salgada, formando uma lagoa já bem mais reduzida, em comunicação com o mar por uma barra (associada a uma barreira) situada no estrangulamento da Ponte da Barca ou talvez mais a jusante, a norte do Cafurno.

 

Apesar dos problemas de assoreamento desta barra se encontrarem bem documentados desde o séc. XIV, o porto da Pederneira tinha, nesta altura, grande desenvolvimento e importância económica que se prolongou ao séc. XV. A partir desta data o seu declínio foi rápido, devido ao intenso assoreamento resultante da expansão da agricultura em toda a área dominada pelo Mosteiro de Alcobaça. Esta actividade fazia-se à custa da destruição de parte das florestas e matos, o que muito acelerou a erosão. Os detritos resultantes, transportados pela rede hidrográfica, depositaram-se nas baixas adjacentes, entulhando o leito e a foz dos rios.

 

Em finais do século XVI, o primitivo porto interior de águas calmas foi mudado para a “praia da enseada de Nossa Senhora de Nazareth” (“porto da vila da Pederneira”). Por esta altura, o porto funcionaria no abrigo do promontório do Sítio e da arriba da Pederneira e a barra situar-se-ia em frente à Pederneira, cerca de 800m a sul do Sítio, permitindo a passagem apenas a pequenos barcos que ainda subiam ao longo do rio Alcoa. Em meados do século XVIII e princípios do século XIX, o problema da inundação das áreas adjacentes agravou-se com o declínio da Abadia de Alcobaça. Com a instabilidade vigente, a limpeza dos rios e das valas de drenagem deixou de ser feita, bem como a manutenção da barra. O que veio provocar o progressivo assoreamento que conduziu à colmatação total desta baixa no séc. XX.

 

This page was generated by GeoPT Listing Generator

Additional Hints (Decrypt)

Ab zrvb qr gnagbf cvaurvebf... rh aãb rfgbh ahz... arz rfgbh cregvaub qb puãb *Rfgn ren n qvpn bevtvany znf n áeiber baqr rfgnin qrfncnerprh ab grzcbeny qr 2013 svpnenz nf envmrf....

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)