EarthCache

"Géiser"

A cache by Phyllypsyus Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 2/21/2013
In Arquipélago da Madeira, Portugal
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
2.5 out of 5

Size: Size: not chosen (not chosen)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Translation

'Géiser'

Um géiser é uma nascente termal que entra em erupção periodicamente, lançando uma coluna de água quente e vapor para o ar. O nome gêiser provém de Geysir, nome de uma nascente eruptiva em Haukadalur, na Islândia; este nome deriva por sua vez do verbo gjósa, 'jorrar'.

A formação de géiseres requer uma hidrogeologia favorável, o que existe apenas em poucos locais na Terra; logo são fenômenos razoavelmente raros. Existem cerca de mil em todo o mundo, e metade destes no Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos, entre os quais um dos mais conhecidos e regulares é o Old Faithful (ou 'Velho Fiel'); outros gêiseres se encontram na Nova Zelândia, Rússia, Chile e Islândia[1]. Os géiseres são encontrados em áreas de subducção.

Processo de formação

A água subterrânea que se choca nas fissuras, cavidades e lençóis freáticos, em contacto com rochas e principalmente a lava vulcânica encontrada abaixo à elevada temperatura, vai aquecendo a água gradualmente. A elevada pressão a que a água se encontra faz aumentar o ponto de ebulição da água, a qual obriga então a água a subir de forma violenta, em forma de jato, dando origem a esta manifestação de vulcanismo. Esses jatos podem atingir cerca de 80 metros de altura e apresentar temperaturas de 70 ºC onde não há rocha vulcânica, como o riolito, que é dissolvido em água quente e as formas de depósitos minerais chamados conglomerados siliciosos ou geiseritas, juntos dentro de sistemas de canalização. Ao longo do tempo, esses depósitos de rochas fortemente consolidadas reforçam as paredes do canal e permitem a atividade do fenômeno da natureza

Galeria da Fajã da Ama

As Galerias da Fajâ da Ama foram projectadas com o objectivo de captar águas de abastecimento para utilizar nos mais diversos fins, no entanto, o projecto teve de ser abandonado a meio da obra pelo facto de terem encontrado este fenómeno geológico durante a sua escavação, um pequeno Geiser. A escavação destas galerias tiveram início em 1988, tendo ficado concluída em 2000. Situada na cota média de 630m, na vertente norte do Paul da Serra, sob a casa do Caramujo, previa-se que viesse a atingir 3000 m de comprimento. Os primeiros 60 metros de túnel foram escavados em Complexo Vulcânico Recente, na escoada que foi, preencher o vale de São Vicente. Posteriormente, atravessou um depósito de vertente fossilizado por esta escoada, a partir do qual se entrou propriamente no maciço, constituído, por Complexo Antigo e por Conglomerados. O Complexo Antigo encontra-se, naquela zona, medianamente alterado, mas intensamente fracturado, com falhas, na maioria dos casos, sensivelmente perpendiculares à direcção do túnel, algumas das quais com caixas de falha abertas, e outras preenchidas por material esmagado e argilificado. Às falhas, estão normalmente associados filões sãos ou poucos alterados. Até aos 1100 m de profundidade, a produtividade da galeria era de cerca 30 l/s, associadas a falhas e a filões. Aos 1400 m, como resultado da intercepção com uma zona de fractura, com uma largura aproximada de 10 m e orientação N 80º, o caudal aumentou para 285 l/s. A existência desta falha, de caixa aberta e limpa com planos de falha estriados, indicando movimentação, foi confirmada, no local por Fonseca et al. (2000).

A grande pressão, resultante de elevada carga piezométrica, a que jorrava o abundante caudal, dificultou o avanço dos trabalhos, de modo que foi sugerida a abertura de mais duas galerias, para ambos os lados da galeria principal. As novas galerias voltaram a interceptar o acidente tectónico, fazendo aumentar o caudal total da galeria para 345 l/s. Em Janeiro de 2000, aquele caudal já tinha baixado para cerca de 185 l/s. Numa falha, aos 1720 m, na galeria principal, emergiram, águas quentes, uma das quais com CO2 livre. Aos 1740 m, surgiram gases vulcânicos, contendo elevada percentagem de dióxido de carbono, o que obrigou à paragem da obra.

Para efectuar o log desta cache, terá de responder acertadamente ás 3 perguntas e enviar para o email do Owner, com uma foto sua(Opcional), com o GPS na mão.

1º- Aproximadamente qual é o caudal por segundo das águas captadas na actualidade.

2º - No GZ, diga qual a altura e largura aproximadas desta galeria.

3º - No fundo da cascata das águas captadas, antes destas atingirem a levada, toque na água e avalie a sua temperatura, estimando a quantos graus está a mesma.

Os logs que não cumpram com estes requisitos serão apagados pelo owner.


This page was generated by GeoPT Listing Generator

Additional Hints (Decrypt)

Qrfqr n yrinqn, fhon b gevyub qb ynqb qvervgb qn pnfpngn, ngé nb TM.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

155 Logged Visits

Found it 152     Write note 2     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 108 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated: on 4/22/2017 10:43:49 AM Pacific Daylight Time (5:43 PM GMT)
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum