Skip to content

Capela de Santa Eufémia - Soutelo Traditional Cache

Hidden : 04/27/2013
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Capela de Santa Eufémia - Soutelo

A história da Santa Eufémia

Eufémia nasceu por volta do ano 288, na cidade de Calcedónia, na actual Turquia, era filha do senador Filofrónio e da sua esposa Teodora, desde muito jovem se impôs nos ambientes da sua terra pela beleza, modéstia e sensatez, tendo sido educada desde criança na fé cristã. Viveu no tempo do Imperador Romano Diocleciano (284-305), que moveu talvez a maior perseguição contra os cristãos na Igreja primitiva.

Assim a jovem Eufémia, vendo como os cristãos eram cruelmente perseguidos e torturados decidiu apresentar-se perante Prisco, o juiz da sua cidade, comunicando-lhe que também acreditava em Cristo e que era baptizada. Não foi por acaso que Eufémia escolheu apresentar-se a este magistrado, escolheu-o porque era sabido de todos que Prisco era muito cruel.

E nas mãos deste juiz sofre os mais cruéis tormentos, nunca negando a sua fé em Cristo e guardando a sua virgindade apesar das várias tentativas que sofreu para ser violada.

Não conseguindo possuir a jovem, apesar das torturas a que a submeteu, nem move-la a negar a sua fé, cheio de vergonha e de ódio por se sentir vencido por uma tão doce donzela, o juiz Prisco manda-a por fim lançar num fosso onde viviam leões. No entanto, quando Eufémia foi atirada para o fosso, os leões aproximaram-se dela mansamente estendendo e entrelaçando as suas caudas para formar uma espécie de trono para que a virgem ficasse nele comodamente sentada.

Prisco que espreitava lá de cima do alto do fosso, ao ver isto ficou estupefacto, até que o carrasco da prefeitura, ao ver o juiz doido de raiva, pegou na espada esticou o braço e, com a ponta da arma atravessou o coração de Eufémia que assim se tornou finalmente numa mártir no dia 16 de Setembro do ano de 303.

Ao corpo da mártir, os cristãos da cidade de Calcedónia recolheram-no e deram-lhe sepultura, num local onde mais tarde lhe construíram uma igreja.

O culto à virgem mártir santa Eufémia estendeu-se rapidamente, por toda a cristandade, sendo na igreja onde o seu corpo estava sepultado em Calcedónia, que se realizou o IV Concílio Ecuménico de 8 de Outubro a 1 de Novembro do ano de 451. Este Concilio que decorreu durante o papado de São Leão Magno condenou a doutrina do monofisismo e proclamou a grandeza de Cristo como verdadeiro Deus e verdadeiro homem, confirmando as duas naturezas; humana e divina numa única pessoa do Verbo.

A doutrina do monofisismo, que surgiu no seio da igreja de Antioquia foi elaborada pelo monge Eutiques, e afirmava a união quase completa das duas naturezas em Cristo, praticamente negando o carácter humano do Filho e, portanto, vendo-o como uma só natureza, a divina.

Duramente o Concílio, após longos debates não se chegou a nenhum consenso, até que o santo Patriarca de Constantinopla, Anatólio, propôs, que se recorresse à intercessão da virgem mártir, cujas relíquias ali estavam. Cada grupo escreveu sua confissão de fé e, aberto o túmulo de Santa Eufémia, depositaram-nas sobre os restos mortais da santa, que foi lacrado e guardado por ordem do imperador Marciano, e durante três dias todos se dedicaram à oração e ao jejum.

Findo esse período de tempo o túmulo foi reaberto na presença do Patriarca e do Imperador e de membros do seu Conselho, e encontraram o texto com a profissão de fé ortodoxa (das duas naturezas) dos Padres do Concílio na mão direita de santa Eufémia, e o outro texto (que sustentava a heresia monofisita) estava aos seus pés. Após este milagre foi afirmada a dupla natureza de Cristo, e os que permaneceram na heresia monofisita foram excomungados.

Por isso é que muitas vezes, a figura da mártir santa Eufémia é apresentada com um livro na mão, representando o livro da verdadeira fé. Lenda ou não, a verdade é que o livro aparece quase sempre na sua efígie.

No ano de 620, quando a cidade de Calcedónia foi invadida e conquistada pelos Persas, os cristãos com medo de perderem o seu corpo, mudaram-no para a cidade de Constantinopla, tendo sido depositado numa Igreja mandada construir pelo Imperador Constantino, em sua honra.

No ano 800, com a tomada do poder de Constantinopla pelo Imperador Nicéforo, que era contra símbolos religiosos, os cristãos ficaram com medo que ele removesse o corpo de santa Eufémia e voltaram a fazer nova mudança do seu corpo para um lugar incerto.

Conta uma lenda, que numa noite de violenta tempestade o sarcófago de santa Eufémia, que era feito de mármore desapareceu da cidade. Possivelmente, pescadores cristãos carregaram-no nos seus barcos, com a esperança de a transportar para um lugar seguro.

Em Julho, do ano 800, um grupo de pessoas da cidade de Rovinj, nas costas do mar Adriático na actual Croácia, viram dar à costa, ondulando gentilmente nas águas, um sarcófago. Os sinos foram repicados e uma multidão de pessoas juntou-se na praia, para o tentar retirar da água, mas os seus esforços foram todos inúteis, até que apareceu uma criança com dois fracos bezerros e que para espanto de todos conseguiu remover o pesado sarcófago da água levando-o para a igreja local da cidade.

Quando o sarcófago foi aberto, viram o corpo de uma moça muito bonita e que vestia um luxuoso vestido e junto dela, estava um pergaminho que dizia HOC EST CORPUS EUFEMIAE SANCTAE… (este é o corpo de Santa Eufémia, virgem mártir da Calcedónia, filha de um nobre senador, nascida para o céu em 16 de Setembro do ano 303 D.C….).

O seu corpo continua hoje intacto e preservado e está à veneração dos fiéis na cadetral da cidade de Rovinj, a qual atrai anualmente milhares de peregrinos e turistas que junto dela vêm pedir-lhe graças e agradecer-lhe as já conseguidas.

A virgem mártir santa Eufémia é considerada protectora da pele, sendo invocada pelos cristãos como auxílio para as doenças dermatológicas, principalmente a dos cravos, embora a ela recorram com os mais diversos pedidos nas horas de aflição sendo por ela atendidos, especialmente doenças cancerosas e de queda de cabelo.

A capela:

A capela em homengem a Santa Eufémia foi inicialmente erigida no século XIII, sendo restaurada posteriormente, possivelmente no século XIX. dentro da capela encontram-se quatro pinturas raras do século XVII que retratam a vida de Jesus Cristo.

A Cache:

A cache contém logbook. Será necessário material de escrita.



This page was generated by GeoPT Listing Generator

Additional Hints (Decrypt)

Qr baqr irz n yhm.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)