Skip to Content

This cache has been archived.

GeoCanelas: Vai ser remodelada... completamente.!

More
<

Bateira Erveira de Canelas

A cache by K81@mador Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 05/10/2013
Difficulty:
1 out of 5
Terrain:
2.5 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Related Web Page

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Bateira Erveira de Canelas encontra-se no Esteiro de Canelas - Estarreja, uma dos braços da Ria de Aveiro, que banha a região. No local ainda se podem observar ruínas de uma antiga ponte de caminhos de Ferro, construída em ferro.

Bateira Erveira de Canelas Os estudos de etnografia da Ria de Aveiro deram o nome de Bateira Erveira de Canelas a esta embarcação por ela se observar em maior número e a respetiva construção ser feita na freguesia de Canelas. A sua robustez permitia utilizá-la para o transporte de gado marinhão, de pastagens e cereais, nas valas e esteiros entre os rios Vouga e Antuã. Recorrendo ao breu negro e à casca de arroz, a técnica de calafetagem permitia uma maior resistência ao contacto com a água doce e salobra, assim como às grandes variações de caudal durante o ano. O cavername é Constituído por madeira de oliveira e carvalho, sendo o revestimento Posterior a pinho. Por ter medidas inferiores às do Moliceiro, com Apenas 14 cavernas, 80 centímetros de pontal e 2 metros de boca, a Bateira adaptava-se melhor às valas características do biótipo Bocage. É uma embarcação cujas linhas lembram exactamente um moliceiro ser uma fiel miniatura. Embarcação de trabalho, chegou a deslocar-se até à feira dos treze, na Vista Alegre, ao canal de S. Roque para compra de sal e não faltava aos arraiais das festas setembrinas. Podia ter ou não leme, embora para ele estivesse preparada, falcas e vela. Com estes apetrechos se deslocava anualmente à romaria do S. Paio, servindo de abrigo aos seus donos, e proporcionando-lhes uns dias de reinação e de folguedo. Bateira erveira no S. Paio de 1993 O que sempre tinha e que a distinguia das demais bateiras, eram quatro golfiões, bem salientes, dois à proa e dois à ré. Nos esteiros acanhados da região e, sobretudo, quando transportava gado, era deslocada, por terra, da margem, por duas pessoas, com o auxílio de duas varas, que “beiçavam” firmemente nos golfiões. Em pesquisas, nos anos 80, pela ria, e sempre sequiosa de informações, soube que ainda poderia conhecer o mestre-construtor destas embarcações. Lá fui até casa dele em Canelas, o ti Arnaldo Domingues Rodrigues Pires (1921 – 1997), que, amavelmente, me mostrou o local, onde construía, à época, pequenas caçadeiras e os antigos moldes da última bateira erveira de Salreu, por ele construída em 1964. Orgulhava-se da obra. Também tinha trabalhado com os Mestres Luciano e Manuel Maria Garrido, durante 31 anos, sobre os quais me confessou não serem dos mais hábeis na construção de barcos moliceiros. Em Outubro de 1994, a referida embarcação foi adquirida pela Associação dos Amigos do Museu ao próprio dono, Sr. José Luciano de Andrade, conhecido pelo Ti Zé da Fonte. Foi o próprio Ti Arnaldo quem ofereceu ao Museu os seus moldes, que lhe serviam de suporte à construção e que podem aí ser identificados com as respectivas partes da embarcação. Algumas Infos retiradas do blog marintimidades.blogspot.pt O Regresso http://www.youtube.com/watch?v=_pgbvK1AIQE O BioRia e o projeto Estação-Viva promoveram o bota-abaixo de uma Bateira Erveira de Canelas, uma embarcação típica do Baixo Vouga Lagunar e originária do concelho de Estarreja. A bênção da embarcação foi seguida do bota-abaixo, no Ribeiro de Canelas, no sábado passado, dia 10 de novembro. Financiada pela Câmara Municipal de Estarreja e pelo PACOPAR – Painel Consultivo Comunitário do Programa Atuação Responsável, envolvendo um valor global de 3380 €, a construção da bateira concretizou-se no âmbito do projeto Estação-Viva, instalado no antigo edifício do Apeadeiro de Canelas. A embarcação foi construída por Manuel Pires, último barqueiro da freguesia de Canelas e também detentor da sabedoria para a sua construção. Esta iniciativa pretende revitalizar uma embarcação já extinta, que em tempos era exclusiva do sul do concelho de Estarreja. A nova erveira vem-se juntar ao até agora único exemplar existente, em exposição no Museu Marítimo de Ílhavo. Essa bateira encontra-se actualmente no esteiro de Canelas, um dos braços da ria de aveiro que banham toda a região. No local ainda se encontra restos de uma ponte de caminhos de ferro, completamente contruida em ferro, que acabou por ser substituída pela CP devido a insegurança, pena terem destruído a anterior. Fica uma imagem do que era.

Cache Pequenal com Logbook, e espaço para trocas. Não contem material de escrita. Tenham cuidado a manusear a cache e com a presença de mugles á pesca , e coloquem tudo conforme encontraram.

Additional Hints (Decrypt)

Aãb pbzcyvdhrf, r ndhv fó fr cnffne hz snagnfzn.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

235 Logged Visits

Found it 222     Didn't find it 5     Write note 5     Archive 1     Publish Listing 1     Needs Maintenance 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 7 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.