Skip to content

This cache has been archived.

Gonçalo Freitas: Comprei a app para iOS por cerca de 8€
Do nada de um momento para o outro a app fica gratuita e com mensalidade, sem qualquer consideração por quem gastou € na app.

A partir daí deixei de ligar ao geocaching

More
<

Moinho de Rodízio

A cache by Gonçalo Freitas Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 09/23/2013
Difficulty:
3.5 out of 5
Terrain:
2.5 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Lamentamos que o trabalho de recuperação do moinho tenha sido interrompido.

As características específicas da azenha, moinho e acima de tudo as características invulgares do local, bem mereciam que alguém olhasse por esta autêntica relíquia da molinologia.

 


O edifício do moinho construído em pedra, à semelhança da maior parte dos moinhos tem dois compartimentos: o inferior onde trabalha o rodízio (compartimento esse nalguns lugares conhecido por “inferno”) e o superior onde funciona o sistema de moagem e onde o moleiro passa a maior parte do tempo, dispondo apenas de duas aberturas: a porta de entrada virada a Sul e uma janela voltada a Nascente.

A parte inferior dispõe apenas de uma entrada que se vê na parte inferior direita da fotografia e era por aí que se tinha acesso ao rodízio a fim de fazer a sua manutenção.

Essa abertura tem, normalmente, a forma de um pentágono regular com os lados laterais paralelos entre si. Só que aqui, dada a grande quantidade de calcário transportado pelas águas, este foi-se depositando nas paredes laterais da saída, parecendo que elas são inclinadas, convergindo para a parte inferior.

Fig. 1 – Sistema de accionamento mecânico desde o rodízio até às mós

Os deslocamentos verticais dados ao aliviadouro  [tempero] (5) a partir do sobrado do moinho, determinam o afastamento da mó andadeira  (11) à mó fixa (10), regulando-se assim o apuramento da farinha produzida, por forma a sair mais fina (mole) ou mais grossa (dura); o moleiro ia fazendo a avaliação do apuramento da farinha, esfregando-a lentamente entre os dedos, apercebendo-se assim da respectiva granolometria.

pela  [mastro] na sua extremidade superior, encaixa num veio metálico (9) que atravessa a bucha(geralmente construída em madeira de figueira impregnada de uma gordura e entalada no olho  da mó fixa) e termina superiormente numa peça de ferro chamada a segurelha  sobre a qual se apoia a móandadeira  (11). A peça de transição entre os dois eixos, chamada nalguns sítios lobete  [em Quiaios sem designação especial] (8), permite uma montagem e desmontagem fácil do conjunto.

Para se fazer parar o moinho, basta descer o pujadouro  [tábua] (6). Trata-se de uma alavanca, situada no sobrado do moinho da qual se encontra suspenso um arame que atravessa o pavimento e se vai fixar a uma tábua colocada em frente da boquilha [em Quiaios sem designação especial]. O movimento desta alavanca vai fazer com que a tábua se desloque para uma posição em que o jacto da água proveniente da boquilha seja desviado do rodízio, caindo em cima da tábua, obrigando o moinho a parar.

As mós usadas nos moinhos de Cernache, dividiam-se em dois tipos: as mós alveiras construídas de material litológico de menor dureza, normalmente o calcário (extraído de pedreiras de Condeixa-a-Velha) utilizadas para moer o trigo; outras de arenito silicioso (tipo grés do Buçaco) ou quartzito, servem para moer o milho. Estas últimas eram extraídas em Olho Marinho, Poiares. A mó de cima (galga ou andadeira) é formada por um único bloco onde são abertos sulcos radiais e um rasgo rectangular ao centro, onde encaixa a segurelha  que suporta o peso da mó e lhe transmite o movimento rotativo do rodízio. A mó inferior, fixa, é mais grossa e no centro leva a bucha  a que já fizemos referência. As pedras do moinho sofrem desgaste, pelo que, periodicamente há necessidade de serem picadas.

                                                                                                                      

                                                  Fig. 2-  Constituição e funcionamento da parte do moinho que fica situada no sobrado 

O grão do cereal é colocado na moega  [gamelão] (1) em madeira, com a forma duma pirâmide invertida, saindo a pouco e pouco pelo orifício inferior e passa para a quelha  [telha] (2) por onde vai escorregando e caindo para o olho  da pedra móvel. A regulação da quantidade de grão que cai para a mó é efectuada através do ponto de fixação do cordel que suporta a parte dianteira da quelha [telha], variando-se assim a sua inclinação. O escorregamento do grão pela quelha  [telha] é facilitado pela trepidação que lhe é transmitida pelo “ chamadouro ” ou “ tramela ” [cachorro] (3) que é uma peça em madeira em forma de cruz; o braço horizontal apoia-se do lado esquerdo na estrutura fixa do moinho e do lado direito na quelha [telha]; o braço inclinado poisa na mó e quando esta se encontra em movimento o chamadouro  [cachorro] trepida fazendo com que o grão caia. É importantíssimo que o moinho moa sempre a quantidade certa de grão, para o tipo de farinha que se pretende obter. Só a experiência do moleiro, que reconhece a boa ou má regulação do sistema, pelo som que ouve do trabalhar do moinho, lhe permite ter a moagem em boas condições de funcionamento. Mesmo que se encontre a dormir, a alteração do som ou a ausência de ruído faz com que acorde e vá ver o que se passa.

O grão ao cair pelo olho  da mó é obrigado, com a ajuda do movimento rotativo da segurelha , a encaminhar-se para o espaço situado entre as duas mós.

A força centrífuga e os sulcos radiais abertos na face inferior da mó móvel com uma profundidade que vai diminuindo do centro para a periferia, concorrem para a trituração do cereal [diz-me o moleiro de Quiaios que aqui as mós não tinham estes sulcos]. A farinha assim produzida vai sendo projectada para a frente do moinho, batendo contra os panais  (5) e caindo no tremonhado  (4) que é o espaço vedado no soalho por umas tábuas ou directamente para a taleiga , isto é, uma saca, que pode ser a mesma que trouxe o grão para moer. [No moinho de Quiaios, à semelhança do que acontece nesta região, em vez desta solução, havia o que chamam o paneiro  que é um cilindro em chapa que envolve toda a mó impedindo que a farinha se espalhe]. Os sacos de farinha eram marcados com o nome do moleiro, utilizando-se, para isso, uma chapa de zinco com as letras recortadas em vazio; colocada a chapa sobre o saco, passava-se com tinta preta, ficando os dizeres impressos no saco.

O moleiro reservava para si a maquia  como pagamento pelo trabalho efectuado e entregava o restante ao cliente. As medidas mais usadas eram o alqueire  – caixa de madeira que, rasa de milho, leva cerca de 11 a 12 quilos de grão, o meio-alqueire , a tetra  e o celamim  (décima sexta parte de um alqueire) [em Quiaios em vez da tetra e do celamim, usava-se o litro e o meio litro. Como instrumentos auxiliares usava-se a peneira e o crivo, o primeiro para separar os resíduos da farinha e o segundo dos cereais; a pá de madeira para manusear a farinha, o picão  de ferro para picar as mós e a vassoura essencialmente para varrer a farinha à volta das mós, feita geralmente de milho painço [folhas de palmeira]. O moinho era mantido livre de ratos pela caça que lhes dava o gato do moleiro, e daí haver geralmente uma abertura que permitia a entrada e saída do mesmo.”

São muito interessantes algumas particularidades do moinho de Quiaios, nomeadamente o facto da “boquilha”, assemelhando-se a uma vulva, por onde saía a água em direcção às penas do rodízio, ser talhada numa pedra.  O caudal de água era regulado por uma cunha em madeira que era inserida no orifício situado na face superior da pedra e que se pode ver nesta foto.

  A um canto, no prego, ainda se pode ver o casaco usado pelo filho do último moleiro deste moinho.        

 

 

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A CACHE

  A cache é um small container que permite a troca de items. Não se encontra nas coordenadas públicadas, para encontrar  as coordenadas corretas terá que exercitar a vista, olhe com atenção para as seguintes imagens, está lá tudo.

 

A:

 

B:

O que acontece nesta segunda imagem (GIF)

1. Um cão a correr.     - W 008º 51.141

2. Um tubarão a nadar - W 008º 51.801

3. Uma águia a voar    - W 008º 51.353

 

N  40º 12. (32*A)
W (Resposta da B)

 

Translation

Additional Hints (Decrypt)

Rkvfgr hz crdhrab aúzreb qr crffbnf dhr ahapn pbafrthr ire n greprven qvzrafãb qbf rfgrerbtenznf - snyn-fr rz 10 cbe pragb. Ab ragnagb, rftbgr gbqnf nf gépavpnf qvfcbaíirvf nagrf qr pbapyhve dhr ibpê cregrapr n rfgr tehcb.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)