Skip to content

Viagens na minha terra - Azambuja Traditional Cache

This cache has been archived.

Team Ribeiro: Obrigado, fica a memória.

More
Hidden : 11/18/2013
Difficulty:
1 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Related Web Page

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

AQUI COLOCA O NOME DA FOTO


Quando, em 1846, Almeida Garrett escreveu «Viagens na Minha Terra» falava-se do comboio como hoje se fala do TGV. Então como agora, as opiniões dividiam-se. Garrett, embora um Bravo do Mindelo e um progressista, desconfiava do novo meio de transporte, ao qual preferia as estradas, tidas como instrumento mais eficaz daquilo a que hoje chamaríamos desenvolvimento local, ponto de vista, de resto, partilhado por Alexandre Herculano.

A descrição da viagem é muito interessante, evocando o tempo em que se subia o Tejo de vapor até ao cais da Azambuja. Toda a paisagem ribeirinha que hoje se avista da janela do comboio entre a Gare do Oriente e Vila Franca era fruída de uma outra maneira, a bordo do barco.

É nesta fase da viagem que o autor foi chamado a dirimir o conflito entre campinos e pescadores, cada qual reivindicando ser a classe mais profissional mais corajosa. A argumentação de Garrett é pragmática e demolidora: afinal quem tem mais força, um touro ou o mar?

Ainda hoje as ruínas do Palácio, junto à Vala Real da Azambuja, evocam o tempo em que a primeira parte da viagem Lisboa-Santarém era feita de barco. Se quiser ver este interessante património poderá chamar um táxi na estação da Azambuja. Se é amante do ciclismo e transportou a sua bicicleta consigo (o que é possível nalguns comboios, nomeadamente Regionais), pedale 20 minutos pelas estradas secundárias da lezíria (acesso pela rotunda junto às bombas de gasolina, subindo o viaduto que passa sobre a via férrea e tomando a direcção «Palácio»)

Ainda na Azambuja, onde termina o serviço urbano da CP, pode apreciar os azulejos da estação antiga, agora envolvida por um terminal do século XXI, adaptado à movimentação de milhares de pessoas por dia. A viagem prossegue para norte, nunca se afastando muito do Tejo, como aliás se depreende no Setil, ao deixar à direita o viaduto que cruza a lezíria e atravessa para a margem esquerda, na direcção de Muge e do Ramal de Vendas Novas.

O contacto com o Tejo é retomado já às portas de Santarém, começando, também, a avistar-se as muralhas, conquistadas por D. Afonso Henriques aos mouros, no topo da falésia. As casinhas da Ribeira de Santarém e um ou outro casal que se avista da carruagem sugerem um pouco do ambiente descrito por Garrett à chegada a Santarém, termo da sua viagem, mas não das aventuras amorosas da Joaninha e do Carlos. Evocam, também, as aventuras medievais dos que se batiam para encontrar a espada do condestável Nuno Álvares Pereira. Estamos a falar, é claro, doutro romance de Almeida Garrett, «O Alfageme de Santarém», publicado em 1842.

E, para melhor saborear a atmosfera medieval, nada melhor que subir à cidade e apreciar a profusão de igrejas góticas que esta soube conservar, da de Marvila, à de São João de Alporão. Mas, o melhor está guardado para o fim: a vista inesquecível do Jardim das Portas do Sol, sobre o rio, a lezíria, o caminho-de-ferro e o casario antigo. Sobre isto, Miguel Torga deixou prosa inesquecível: «O Ribatejo deve ser visto das Portas do Sol de Santarém, num dia de cheia, ou das bancadas duma praça de toiros, numa tarde de Verão. Num dia de cheia, porque o Tejo hipertrofiado marca-lhe exactamente a extensão e os contornos que a geografia nunca encontrou; numa tarde de toiros, porque é no redondel que se precisa a sua íntima significação».

Additional Hints (Decrypt)

haqre

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)