Skip to content

Grupo Desportivo do Fabril Traditional Geocache

Hidden : 01/18/2014
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Grupo Desportivo Fabril

HISTÓRIA DE GLÓRIA DO GRUPO DESPORTIVO FABRIL


História de glória 
O Grupo Desportivo Fabril é uma coletividade com uma enorme história. Uma história rica que o tempo foi apagando à medida que o clube saído do bairro operário foi mudando a sua designação. O seu embrião foi em 1911, na freguesia do Lavradio, concelho do Barreiro, onde despontaram várias associações de carácter recreativo, cultural e desportivo.
 
Começou por denominar-se Unidos Futebol Clube, mas a agremiação foi, oficialmente, fundada em 1937, por Alfredo da Silva (que dá o nome ao estádio), com o desígnio de Grupo Desportivo da CUF. Em 1979 passou ser conhecida por Quimigal e no início do século XXI é que nasceu o Fabril. Um clube que, enquanto CUF, chegou a participar na Taça dos Clubes de Cidades com Feiras (a antiga Taça UEFA), em 1965/66.
 
Da ascensão à queda passaram-se 22 anos. Atualmente na III Divisão, o Fabril garantiu, este domingo, a uma jornada do fim, a permanência neste escalão, após uma época atribulada que conheceu nada menos que três treinadores. 'Tivemos uma inconstância inicial que não esperaríamos fruto da imaturidade do grupo que sentia dificuldades em ganhar fora de casa. Foi assim com o Alfredo Farinha e prolongou-se com o Ricardo Cravo. A equipa estava desunida e era preciso recorrer à prata da casa. A solução passou pelo nosso diretor-geral e sentiu-se logo uma lufada de ar fresco. Ante o Pescadores, voltou a alegria de jogar e a vitória (2-0) que faltava para garantir a manutenção', explicou o presidente António Fernandes, que gere o clube com naturais dificuldades. 'Tem sido complexo mas temos de gerir isto com imaginação. Não há subsídios em atraso, mas todos os meses temos de contar os tostões, reduzir os consumos e honrar os compromissos', considerou.
 
Futebol não profissional
GD FABRIL
BI do clube
Fundação: 27 de janeiro de 1937
Estádio: Alfredo da Silva
Lotação: 22 mil lugares
Sócios: 2500 (pagantes)
Equipamento: Camisola verde com mangas brancas, calções brancos e meias verdes
Títulos: 1 campeonato da II Divisão (1953/54) e 3 campeonatos da I Divisão da AF Setúbal (1999/00, 02/03, 06/07)
 
Golos do 'Jardel do Viso' fazem jus à ternura dos 40
Aos 40 anos, Catarino ainda não vislumbra o fim da carreira no horizonte. O antigo jogador do V. Setúbal é o mais velho do plantel do GD Fabril mas continua com a veia goleadora intacta (fez 15 golos esta época). 'Enquanto sentir que tenho capacidade, vão-me gramar mais uns anitos', gracejou o avançado, que diz ter a 'mesma paixão' de quando dava os primeiros pontapés na bola. 'Fiz uma boa época a nível pessoal, apesar de a equipa não ter atingido os objetivos a que se propôs, que era subir de divisão. Marquei 15 golos, que era o que eu tinha prometido ao presidente quando me contratou, mas espero ultrapassar esta fasquia já no próximo domingo.' Para Catarino, a equipa 'caiu psicologicamente' quando ficou abaixo dos seis primeiros. 'Sentimos alguma injustiça. Num só jogo descemos para o grupo da manutenção e isso desmotivou-nos. Mas conseguimos ganhar ao Pescadores e mantermo-nos na III Divisão', afirmou Catarino que, no seu bairro, em Setúbal, é conhecido por 'Jardel do Viso', a sua 'grande referência'.
 
Futebol no sangue
Chegou há um ano à presidência de um clube que aprendeu a gostar desde criança. Sócio do Fabril há muitos anos, apresentou-se a sufrágio como lista única, tendo ainda mais dois anos de mandato pela frente. 'A minha vontade de ajudar este clube deve-se em parte ao meu filho, que jogou aqui. Mas a minha paixão pelo futebol e pelo emblema da terra, fizeram com que eu abraçasse o projeto', afirmou o líder do Fabril, que praticou desporto não federado no clube do Barreiro. Neste ano de estreia como presidente da Direção, um dos méritos da sua gestão foi o de conduzir, pela primeira vez, a equipa de futsal do Fabril, à I Divisão, este ano.
 
Dois em um
Longe estaria João Ruas de pensar que, na reta final do campeonato, seria convidado a assumir o comando técnico da equipa, acumulando, assim, o cargo de diretor-desportivo do Fabril. Mas esta não é uma função estranha para Ruas, que já orientou o Fabril, o Luso, entre outros, e foi coordenador da área de recrutamento do Sporting, com Aurélio Pereira. Foi, aliás, em Alvalade, que se fez futebolista, jogando, como extremo-esquerdo, ao lado de Yazalde, Dinis e Carvalho.
 
Permanência garantida à queima
Carlos André e Nuno Espanta capitaneiam uma equipa que acabou a época com a corda na garganta. 'Houve altos e baixos e falhámos nos jogos decisivos', disse André. 'Tivemos dificuldades em jogar fora', acrescentou Espanta, que sente alguma falta de apoio. 'O Barreirense aglutina mais gente e os adeptos que temos são dos tempos áureos da CUF e da Quimigal.'
A Cache:

A cache é micro e convém levarem material de escrita.

Convém ser muito discreto nas buscas pois o local é bastante movimentado em dia de jogos.


This page was generated by GeoPT Listing Generator

Additional Hints (Decrypt)

Onfr. Gragrz n nobeqntrz cbe pvzn

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)