Skip to content

Igreja da Ramada Traditional Cache

Hidden : 03/29/2014
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Igreja Paroquial de Nossa Senhora Rainha dos Apóstolos da Ramada

 


A freguesia da Ramada foi criada em 1989, com origem nas freguesias de Odivelas e Loures. Pertencia ao concelho de Loures, mas desde 1999, com a criação do município de Odivelas, foi nele integrada.

Em 1990, nasceu ali um grupo de oração mariano. Logo nas primeiras semanas, o grupo cresceu de tal modo que fez sentir a necessidade de um espaço alargado para orar. Surgiu então a ideia da formação de uma comissão que trabalhasse para a construção da Igreja da Ramada, embora de início se procurasse um espaço que de imediato desse resposta às necessidades da comunidade.

A comissão, entretanto formada, contactou o presidente da Junta de Freguesia no sentido de se obter um terreno para a construção da Igreja. Recorda o autarca: Perguntei-lhes em que lhes poderia ser útil. Responderam-me que precisavam de um terreno para instalarem um pré-fabricado para funcionar como local de culto. Estavam a utilizar as casas uns dos outros mas esta solução já não satisfazia, dado o número crescente dos praticantes. Respondi-lhes, de imediato, que não estava de acordo com eles. A brincar, disse-lhes: 'Não pretendo mais 'barracas' na freguesia. Se querem uma solução justa, façam uma igreja como deve ser, com a dignidade que esta freguesia merece'. Os olhos deles brilharam e perguntaram-me: 'E será possível? Arranja-se terreno?'. Respondi-lhes: 'Só não é possível se não pensarmos nisso. Para mim só há esta solução. Só temos este caminho'. A proposta era arrojada, se pensarmos que não havia nem terreno nem dinheiro. O ponto de partida era apenas a disponibilidade, a vontade e a fé. E foi da conjugação dos esforços da autarquia e dos católicos que se mobilizaram para tal empreendimento que, pouco a pouco, lentamente, se foram criando as condições para a sua concretização.

Rapidamente falou com o presidente da Câmara, curiosamente os dois comunistas, e foi cedido um terreno, em 1992, cuja escritura foi assinada no ano seguinte. Esta aprovação veio desbloquear outras situações pendentes.

Desde logo se adjudicou o projecto, ainda nesse ano aprovado pelo Conselho das Novas Igrejas do Patriarcado e, no ano seguinte, no domingo de Pentecostes, teve lugar o lançamento da primeira pedra, a 23 de Maio de 1993, com a presença do cardeal patriarca de Lisboa, então, D. António de Ribeiro, antecedida na véspera por uma procissão: a primeira da paróquia de Odivelas (à qual pertencia a Ramada) em mais de 20 anos.

A Comunidade em oração escolhera, entretanto, a invocação: seria a Nossa Senhora, com o título que a recordava em oração com os Apóstolos, quando se deu a descida do Espírito Santo. A festa litúrgica é celebrada na véspera do dia de Pentecostes.

 

O projecto e a obra

A obra é grande: aproveitando o desnível do terreno, o edifício tem 5 pisos: no 0 a Igreja, parte da Residência Paroquial, que se prolonga pelo piso 1 e o Centro Paroquial, que se desenvolve para o -1, tal como um auditório. No resto deste piso e no -2, o Centro Comunitário. O piso -3, futuramente as Capelas Mortuárias e espaços de apoio, foi o primeiro a ser concluído, onde funcionou a Igreja provisória e os serviços da paróquia, desde 1995 até à dedicação da nova igreja.

São cerca de 4.500 metros quadrados de construção, com um custo estimado (em 1993) de dois milhões e meio de euros (na moeda de então, meio milhão de contos). Surgiu assim a campanha de meio milhão de terços para a construção da Igreja da Ramada, divulgada na paróquia e também por todo o mundo, através de meio milhar de cartas. Um contributo que todos podem dar: a oração, para que esta mova a vontade e o coração dos homens, por forma a permitir a construção da igreja.

As obras começaram ainda em 1993, com a realização da escavação e logo depois o início da estrutura. Em 1995, a 1.ª fase estava terminada e começou a funcionar a igreja. Em 1997 foi executada a 2.ª fase da estrutura, e em Agosto foi criada a (quase-)Paróquia da Ramada e nomeado o seu pároco.

Concluída aquela fase da estrutura, dos pisos inferiores ao templo, foi possível a candidatura ao apoio dado pela Secretaria de Estado da Administração Local e Ordenamento do Território, que comparticipa até 500 mil euros a construção das novas igrejas. O protocolo veio a ser assinado em Maio de 1999, o que veio permitir a execução da 3.ª fase da estrutura: a laje do piso da igreja e toda a estrutura desta, bastante complexa.

Seguidamente, fechar o edifício: as caixilharias, o telhado, o revestimento exterior, a torre e o cálice - um pormenor arquitectónico da fachada. Estudar soluções técnicas, seleccionar empreiteiros, promover soluções de projecto, acompanhar os trabalhos...

Podia-se agora dar início ao acabamento dos interiores. A aprovação da candidatura da construção da sede do Centro Comunitário Paroquial (IPSS), através do Instituto de Solidariedade e Segurança Social (ISSS), ao programa PIDDAC, em 2001, veio permitir o início da obra, após concurso público, ainda nesse ano, vindo a ser inaugurada em meados de 2003.

O Estado, não tendo capacidade própria de resposta a muitas das necessidades sociais, apoia a construção e o funcionamento das IPSS (Instituições Particulares de Solidariedade Social), através de diversos apoios. No entanto, deste apoio, aprovado em 2001, da parte concluída em 2003, encontram-se actualmente ainda em dívida mais de 140 mil euros, depois de uma pequena tranche paga em 2004... Esta irresponsabilidade do Estado levou ao adiamento de vários trabalhos, para além de outros encargos.

Entretanto em 2004 começou o acabamento do interior da Igreja.

(fonte)

Additional Hints (Decrypt)

Ire fcbvyre.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)