Skip to content

<

A República do Troviscal

A cache by Sergiomdias Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 03/16/2015
Difficulty:
4 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Translation

A República do Troviscal

Corre o mês de Novembro de 1922 e Manuel, Bispo de Coimbra, decreta o interdito à música do Troviscal, filarmónica que assim se vê impedida de participar em festas e atos religiosos. E a proibição não se limita à banda, estende-se a cada um dos seus elementos, ainda que incorporados noutras filarmónicas. E qual o motivo de tão severa pena contra músicos amadores? Apenas um, a banda ter integrado o cortejo de um funeral realizado sem cruzes ou padre. Um funeral civil! À fúria persecutória do Bispo respondem os excomungados e demais ofendidos decidindo a interdição do clero na freguesia, até que à música seja permitido exercer a sua profissão em toda a parte. A partir desse dia e até ao fim da interdição, em 1939, mantém-se um braço de ferro que afasta o clero da aldeia. Este é um notável episódio de solidariedade e resistência popular contra a intolerância e prepotência da Igreja. E é um marco, na longa e dura luta pela construção do Estado laico. 

In GRANJO, Silas – “Troviscal Republicano (1922-1939) – Banda Excomungada Clero Interdito), Lisboa, Sitio do Livro, 2010


O desenrolar de acontecimentos cujo culminar é a interdição de uma banda de música, trata-se de uma questão de grande importância e peso sociológico, não só para a vila do Troviscal, como igualmente para uma melhor compreensão da história do republicanismo em Portugal e do século XX.

Com a alvorada da 1ª República, o Troviscal, modesta, aldeia à época, do concelho de Oliveira do Bairro, no distrito de Aveiro, torna-se num importante bastião dos novos e vanguardistas ideais de Igualdade, Liberdade e Fraternidade, adotados da Revolução Francesa, assumindo suas gentes uma posição próxima ao republicanismo mais fundamentalista, na linha de Afonso Costa, o que valeu inúmeras e acesas disputas, essencialmente com a igreja católica. A excomunhão de uma banda e dos seus membros não foi, portanto, inocente, foi um ato de guerra, ou digamos, de retaliação meramente politica entre republicanos, dos quais a banda era uma bandeira, e monárquicos, aos quais o clero sempre esteve associado.

Já antes de 1910 que se vivia num clima de crença que a monarquia cederia, organizando-se comícios e tornando a aldeia num centro cultural e ideológico de toda a região. É portanto neste clima que, após a implantação da república, o Troviscal começa a reivindicar para si o centro decisório no concelho e assumindo-se quase como “uma república, dentro da república”, tais eram os numerosos apoiantes desse regime, sedentos de pensar pela sua própria cabeça.

No Troviscal a Junta de Freguesia assumia uma posição de poder nunca vista anteriormente, nem tão pouco em qualquer outro lugar. A situação atinge o seu auge com a posição de força, tomada contra o governo central, chefiado por Pimenta de Castro, ao qual os republicanos troviscalenses recusaram obediência e não permitiram que a sua passagem pelo poder se fizesse sentir por estas bandas.

Assim surge a figura de Manuel de Oliveira Mota, republicano responsável por “derrubar” aquele que seria o presidente da Junta de Freguesia 'pimentista”, ou seja, nomeado pelo Governo de Pimenta de Castro, no Troviscal, quando este assumiu o poder. Tal acontecimento teve direito a honras de placa, ainda hoje presente no local onde tal se sucedeu.

Tal ato não podia ser mais premonitório, uma vez que poucos dias após, em Lisboa, caía o governo de Pimenta de Castro, substituído por uma Junta Constitucional.

 

Assim nascia a República do Troviscal.

A Cache

A cache não se encontra nas coordenadas publicadas.

Aí poderão encontrar o edifício sede a Assembleia Republicana de Instrução, Recreio e Beneficência, instituição de cariz sócio cultural, fundada em 1924. A “Casa do Conhecimento” para os republicanos, ou o Templo de satanás”, como era apelidada pela igreja.

Esta é uma cache que não apresenta qualquer desafio físico e pode ser feita por toda a família. À imagem de outras caches minhas, o seu objetivo é dar a conhecer um pouco mais da história local e o seu principal desafio perante os geocachers é proporcionar essa descoberta cultural, assente num pouco de pesquisa ou qualquer outra estratégia que consigam engendrar. Isso é convosco!

O local final é apenas um de tantos recantos que o dia-a-dia nos esconde e que sem a nossa atenção se têm vindo a degradar. Não é conhecida qualquer relação desse local com a temática da cache.

 A resolução do enigma oigina coordenadas que devem ser introduzidas no checker. Não são coordenadas finais! Só no checker obterão as coordenadas com a localização do container. Boa sorte!!!



40º 2X.XXX

008º 2X.XXX


Verifique sua solução


This page was generated by Geocaching Portugal Listing Generator

Additional Hints (No hints available.)