Skip to content

<

AZGT EC33PM OS TRAQUÍTOS DA PONTA DA SERRETA

A cache by PALHOCOSMACHADO Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 08/10/2015
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size:   other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


OS TRAQUÍTOS DA

PONTA DA SERRETA

[Terceira]

EARTHCACHE

PORTUGUÊS

O MIRADOURO DA PONTA DA SERRETA

Descendo da estrada regional, 1700 m pelo caminho que leva ao farol da Serreta, na última curva, encontra o pequeno Miradouro da Ponta da Serreta, junto a um placar informativo, que refere a importância deste local. Dentro de um Sítio de Importância Comunitária, a Ponta da Serreta, formada devido a uma escoada traquítica que avançou sobre o mar, possui flora endémica macaronésica das costas e falésias, nomeadamente matos costeiros e outra vegetação vivaz que poderá observar em seu redor.

Distinguem-se na distância os grandes depósitos de escórias vermelhas misturados com os alcantilados da longa falésia que vai da rocha junto de si, ao longo de toda a baía, até ao Bico da Ponte.

O território da freguesia da Serreta constitui a encosta oés-sudoeste da Serra de Santa Bárbara, que sendo um estrato-vulcão é essencialmente uma estrutura tronco-cónica, imprime elevado declive àquela zona da ilha (cerca de 15% na zona costeira;> 25% nas encostas superiores da montanha, acima dos 700 m de altitude). As principais elevações são o Pico da Serreta, um enorme domo traquítico cuja escoada lávica atinge a costa da ilha, e o Biscoito da Fajã, uma região de escoadas traquíticas e grandes domas, hoje cobertas por densa floresta, que delimita a freguesia a nordeste. Em consequência desta geomorfologia, o substrato basáltico encontra-se recoberto por uma espessa camada de pedra-pomes esbranquiçada, localmente com densidade inferior à da água, que atinge cerca de uma centena de metros de espessura na zona mais alta. Esta camada de pedra-pomes resultou da deposição piroclástica durante a efusão das massas traquíticas que rodeiam a freguesia, num dos últimos episódios eruptivos da fase de vulcanismo secundário do Maciço de Santa Bárbara.

Rochas dos Açores

Nas ilhas dos Açores predominam as rochas vulcânicas, estando as rochas sedimentares especialmente presentes na ilha de Santa Maria, onde frequentemente apresentam conteúdo fossilífero diversificado e importante.

A natureza explosiva de alguns vulcões dos Açores traduz-se nos abundantes depósitos pomíticos (pedra-pomes) presentes em muitas ilhas, bem como de ignimbritos. O carácter hidromagmático de algumas erupções vulcânicas (quando o magma entra em contacto com água) traduz-se em diversos depósitos de tufos e em lavas submarinas. Do ponto de vista composicional, nas ilhas de Santa Maria, São Jorge e Pico predominam as rochas basálticas, enquanto nas restantes ilhas há uma maior variedade, desde basaltos a riólitos e traquitos.

TRAQUÍTOS

Traquito é uma rocha com granulometria fina, sendo uma rocha magmática extrusiva, constituída principalmente de feldspato alcalino, com pequena quantidade de minerais máficos, tais como anfibólio e biotita. Pertence ao mesmo clã de álcali sienito.

Contêm albite, biotite, anfíbolas, apresenta uma textura afanítica e minerais félsicos. Forma-se através do arrefecimento e da solidificação rápida do magma andesito (magma intermédio) quando atinge a superfície. Este tipo de rocha aparece normalmente em domos vulcânicos.

Mineralogia principal - rocha vulcânica constituída essencialmente por feldspato alcalino (sanidina, ortoclásio) e quantidades menores de plagioclásio (oligoclásio). Pode haver a presença de albita em álcali traquitos, biotita, horneblenda, quartzo, anfibólios sódicos e piroxénios em álcali-traquitos.

Minerais acessórios - apatita, zircão, óxidos de ferro, magnetita, titanita, e allanita.

Estrutura - compacta, fluidal.

ESCOADAS TRAQUÍTICAS

Atividade efusiva: Atividade vulcânica caracterizada pela emissão de escoadas lávicas acompanhada pela libertação de gases de forma tranquila.

Composição Química

Classificação das rochas segundo o teor de sílica nas rochas magmáticas:

- rochas ácidas, com mais de 65% de SiO2,

- rochas neutras ou intermédias, com teor de SiO2 entre 65 e 52%,

- rochas básicas, com teor de SiO2 entre 52 e 43%.

Como exemplos destes três grandes tipos são, via de regra, indicados:

- nas rochas ácidas - o granito (entre as plutónicas) e o riólito (entre as vulcânicas),

- nas rochas neutras ou intermédias - o sienito (entre as plutónicas) e o traquito (entre as vulcânicas),

- nas rochas básicas - o gabro (entre as plutónicas) e o basalto (entre as vulcânicas).

Geossítio dos Açores – A Ponta da Serreta

“No geossítio pode apreciar a paisagem costeira da ilha e realizar o percurso pedestre PRC3TER- Serreta, observando espessos depósitos de pedra-pomes, obsidiana (vidro-vulcânico ácido), a Lagoinha e a vegetação endémica presente.

Este é um sítio prioritário do Geoparque Açores, com relevância regional e interesse científico, educacional e geotúristico”.

A PONTA DA SERRETA

“No extremo oeste da ilha Terceira, afloram diversos domos e espessas escoadas lávicas (coulées), associadas a fraturas radiais Vulcão de Santa Bárbara e ao Rifte da Terceira. Algumas dessas coulées apresentam uma espessura da ordem de 15-20 metros e a mais recente, em termos geológicos, forma a Península da Ponta da Serreta.

Ao lardo da Ponta da Serreta correram diversas erupções submarinas, ao longo de fraturas de direção geral NO-SE, como é o caso da erupção, de 1867. Mais recentemente, a erupção submarina de 1998/2000, com focos a 8,5 km da costa e a cerca de 500 metros de profundidade, teve características peculiares, designadamente a formação de “balões de lava”, segundo uma atividade vulcânica designada, desde então, de “atividade Serretiana”.

(João Carlos Nunes)

VULCÃO DA SERRETA

Vulcão da Serreta é a designação dada a uma zona de fundos marinhos sitos a oeste da costa da ilha Terceira, Açores, frente à povoação da Serreta, onde têm ocorrido erupções submarinas frequentes ao longo de linhas de fratura com a direção geral este-oeste. Estas erupções têm ocasionalmente sido acompanhadas por atividade sísmica, como ocorreu em Maio e Junho de 1867, ou apenas por microssismos. A erupção que se iniciou a 1 de Junho de 1867 projetou grandes colunas de vapor que ejetou em altitude, saindo da superfície do mar, e deixou um baixio, a Baixa da Serreta, que ainda subsiste. A erupção de 1998/1999 ocorreu a profundidade bem maior (500 a 600 m), não provocando sismos sentidos. Nesta última erupção, as rochas atingiam a superfície apenas como "balões" de gás que explodiam e se afundavam de imediato. Poderão ter ocorrido entretanto outras erupções que não foram detetadas dada a profundidade em que ocorreram.

PARA REALIZAR E REGISTAR ESTA EARTHCACHE:

PERGUNTAS:

Para “encontrar/registar” esta cache deverá: provar que esteve no local e responder às seguintes questões, enviando um email (num prazo de sete dias do seu registo, somente para o email constante do nosso perfil e com o seu texto em português ou em inglês), com as respostas para o nosso perfil:

1. Estudando, a partir do GZ, o tema geológico proposto nesta earthcache, responde às seguintes questões:

a) Em que ano se deu a erupção do Vulcão da Serreta, que deu origem à Baixa da Serreta?

b) Explica, por palavras tuas, o que é uma rocha traquítica.

c) Como se forma uma rocha traquítica?

d) Classifica a atividade do Vulcão submarino da Serreta, relativamente à sua última fase eruptiva (1998/2000).

2. Observando o paredão, a partir do GZ, responde às seguintes questões:

a) A partir do ponto de observação indicado e muito próximo deste miradouro, na direção este €, observa-se uma escarpa rochosa! Classifica as rochas observáveis nesta escarpa.

b) Na direção NE é visível um promontório! Estima a sua altura.

c) Na extrema visível deste promontório e por cima das rochas negras (existentes ao nível do mar), quantas camadas são visíveis?

c1) Duas

c2) Entre 2 e 5.

c3) Entre 6 e 10.

c4) Mais de 10.

d) Nesta falésia, a NE do ponto de observação, é visível uma grande área vermelha!

Qual o nome deste material vermelho?

A que se deve a sua cor vermelha?

         3.  

TAREFA  OBRIGATÓRIA:Deverá tirar uma foto sua, onde você apareça (ou com um papel/placa onde conste o seu nickname e a data da visita) e que comprove a sua presença no GZ desta EC - NÃO METASPOILERS. Esta foto deverá ser colocada no seu registo ou enviada por email ou sistema de mensagens de Geocaching, para o owner!


TRACHYTES OF SERRETA TIP

[Terceira Island]

ENGLISH

EARTHCACHE

TIP SERRETA

Down the regional road, 1700 m along the path that leads to the lighthouse of Serreta, in the last corner, find the small Viewpoint of Ponta da Serreta, along with an informational score, which refers to the importance of this site. Within a Site of Community Importance, the Ponta da Serreta, formed due to a trachytic drained who advanced over the sea, has endemic flora Macaronesian coasts and cliffs, including coastal scrub and other perennial vegetation that you can see around you.

Are distinguished in the distance the big red slag deposits mixed with the cliffs of the long cliff that will rock next to you, throughout the bay, to the nozzle Bridge.

The territory of the Serreta the parish is the slope west-southwest of the Sierra de Santa Barbara, that being a strata-volcano is essentially a tapered structure, prints high slope to that part of the island (about 15% in the coastal zone;> 25 % on the upper slopes of the mountain, above the 700 m asl). The main elevations are Pico da Serreta, a huge tames trachytic whose lava drained reaches the coast of the island, and the Biscuit Faja, a region of traquíticas disposed and large domes, now covered by dense forest which borders the parish northeast. As a result of this geomorphology, the basaltic substrate is covered with a thick layer of whitish pumice, locally with lower density than water, which affects about one hundred meters thick in the highest part. This pumice layer resulted from the pyroclastic deposits during the outpouring of traquíticas masses surrounding the parish, one of the last eruptive episodes of volcanism secondary phase of the Massif of Santa Barbara.

AZORES ROCKS

The islands of the Azores dominated by volcanic rocks, sedimentary rocks and is especially present on the island of Santa Maria, which often have diverse and important fossil content.

The explosive nature of some volcanoes of the Azores is reflected in the abundant pomíticos deposits (pumice stone) present on many islands, as well as ignimbrites. The hidromagmático nature of some volcanic eruptions (when magma comes into contact with water) is translated in various deposit tufts and underwater lava. The compositional point of view, on the islands of Santa Maria, São Jorge and Pico dominated by basaltic rocks while the other islands there is a greater variety, from basalts to rhyolites and trachytes.

TRACHYTES

Trachyteis a fine grain rock, being an extrusive magmatic rock consisting primarily of alkali feldspar, with a small amount of mafic minerals, such as biotite and amphibole. It belongs to the same clan alkali syenite. They contain albite, biotite, amphibole, presents a aphanitic and minerals felsic texture. Is formed by rapid cooling and solidification of andesite magma (intermediate magma) when it reaches the surface. This type of rock normally appears in volcanic dome.

Main mineralogy- volcanic rock composed mainly of alkali feldspar (sanidine, orthoclase) and minor amounts of plagioclase (oligoclase). There may be the presence of albite in alkali trachytes, biotite, hornblende, quartz, sodic amphibole and pyroxene in alkali-trachytes.

Accessory minerals- apatite, zircon, iron oxide, magnetite, titanite, and allanite.

Structure- Compact, fluidal.

Chemical composition

Classification of rocks according to the silica content in magmatic rocks:

- Acidic rocks, over 65% of SiO 2,

-Neutral or intermediate rocks, SiO 2 content between 65 and 52%,

- Basic rocks, SiO 2 content between 52 and 43%.

Examples of these three major types are, as a rule, indicated:

- On acid rocks - Granite (between the plutonic) and rhyolite (between volcanic)

- In the neutral or intermediate rocks - the syenite (between the plutonic) and trachyte (between volcanic)

- The basic rocks - gabbro (between the plutonic) and basalt (between volcanic).

Geosite Azores

“Ponta da Serreta” – Serreta Tip

"In geosite can enjoy the coastal landscape of the island and perform the pedestrian PRC3TER- Serreta route, watching thick deposits of pumice, obsidian (volcanic glass-acid), the Pond and endemic vegetation present.

This is a priority site of the Azores Geopark, regional relevance and scientific, educational and geotouristic ".

SERRETA TIP

"In the extreme west of the Island, outcrop several domes, thick lava flows (coulees), associated with radial fractures Volcano of Santa Barbara and the Third rift. Some of these coulees have a thickness of about 15-20 meters and the most recent in geological terms, forms the peninsula of Ponta da Serreta.

The lardo of Serreta Tip ran several underwater eruptions over general direction NO-SE fractures, as is the case of the eruption of 1867. More recently, the submarine eruption of 1998-2000, with spotlights 8.5 km the coast and about 500 meters deep, had peculiar characteristics, namely the formation of "lava balloons" according to a designated volcanic activity since then, "Serretiana activity."

(João Carlos Nunes)

VOLCANO OF SERRETA

Serreta volcano is the name given to an area of seabed ments west coast of the island of Terceira, Azores, opposite the village of Serreta, where there has been frequent underwater eruptions along fault lines in the general direction east-west. These eruptions have occasionally been accompanied by seismic activity, as occurred in May and June 1867, or just microssismos. The eruption which began on June 1, 1867 designed large columns of steam ejected at altitude, leaving the sea surface, and left a shoal, the Baixa da Serreta, which still exists. The 1998/1999 outbreak occurred at much greater depth (500-600 m), not causing earthquakes senses. This last eruption, rocks reached the surface just like "balloons" of gas that exploded and sank immediately. They may have however been other eruptions that were not detected given the depth they occurred.

TO PERFORM AND LOG THIS EarthCache:

QUESTIONS:

To "find / register" this cache must: prove that visited the site and answer the following questions by sending an email (within seven days of registration, only for the constant email our profile and your text in Portuguese or in English), with the answers to our profile:

1. Studying from the GZ, the geological theme proposed this EarthCache,

answer the following questions:

a) In what year was given the eruption of Volcano Serreta,

which led to the Baixa da Serreta?

b) Explain, in your words, what is a trachytic rock.

c) How is one trachytic rock?

d) classifies the activity of submarine volcano Serreta as regards its

last eruptive phase (1998-2000).

2. Observing the wall, from GZ, answer the following questions:

a) From the vantage point indicated and very close to this viewpoint

toward this €, we observe a rocky cliff! Classifies rocks observed

in this cliff.

b) Toward NE is visible a promontory! Estimated their height.

c) On the far visible from this promontory and over the black rocks

(existing at sea level), how many layers are visible?

c1) Two

c2) Between 2 and 05.

c3) Between 6 and 10.

c4) More than 10.

d) In this cliff, NE vantage point, a large red area is visible!

What is the name of this red stuff?

                        Why is its red color?

           3.  TASK (not optional): You must take a picture of yourself, where do you show up, (or with a paper / plaque with your geocaching nickname and the date of the visit) and that proves your presence in the GZ of this EC - no spoilers please. This photo must be placed in your log or sent by email or Geocaching messaging system, to the owner!


Additional Hints (No hints available.)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.