Skip to content

This cache has been archived.

Portugal1234: Esta fecha...
Peço desculpa.

More
<

Água da Bela Vista (Setúbal)

A cache by Portugal1234 Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 05/31/2016
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Àgua da Bela Vista

Esta cache situa-se junto ao possível depósito de água da "Àgua da Bela Vista"

Época termal

Indicações

Aparelho digestivo e rins (Contreiras 1951) 
Doenças da nutrição, estados de debilidade orgânica, perturbações dispépticas gastrointestinais (Almeida 1947)
 

Tratamentos/ caracterização de utentes

Ingestão de água e lavagens.

Almeida (1947) relata seis casos de aplicações populares desta água, com resultados positivos: 1.º Um homem de 64 anos que curou um eczema nas pernas com pachos de água morna; 2.º Uma mulher de 57 anos, com hipertensão e insónias, o que lhe passou depois da ingestão desta água; 3.º Uma criança de 7 anos débil e sem apetite, que se curou por ingestão; 4.º Um homem de 49 anos, diabético, passado um ano de ingestão continuada desta água os índice de glicosúrias baixo até ao normal; 5.º Um homem de 22 anos com más digestões, que deixou de ter sintomas depois da ingestão de água; 6.º Rapaz de 12 anos, sofrendo há nove meses de uma hemoptise, ao fim de 3 meses melhorou.

 

Instalações/ património construído e ambiental

A água emerge do fundo de um poço de 10 m, com certa força ascensional, em terreno saibroso avermelhado, assente em argilas, margas e calcários do Pliocénio (Almeida 1947).
A antiga Quinta da Bela Vista foi, nos finais da década de 1970 e durante a década seguinte, objecto de urbanização por grandes blocos de prédios para habitação social, onde se alojaram as camadas mais desfavorecidas, representadas pelas minorias étnicas cigana e cabo-verdiana, tornando-se um dos bairros problemáticos da cidade de Setúbal.

A zona de captação das águas e seu engarrafamento está actualmente ocupada por uma superfície comercial. Restam a norte do armazém comercial, o antigo poço com os bancos de cimento de cores variadas ao gosto da década de 1950 e a protecção circular sobre o poço, tudo em mau estado de conservação. No lado sul encontra-se, num ponto mais elevado, o que foi o antigo mirante da quinta, que serviu de símbolo aos rótulos das garrafas, este em bom estado de conservação e fechado ao público por uma alta rede. Do outro lado da rua que desce para o centro da cidade há um grande depósito camarário de água, com possível captação de água no local.

 

Natureza

Hipossalinas, oligossalinas ou fracamente mineralizadas – nitratadas (Almeida 1947)     

 

Alvará de concessão

1944 – Alvará de exploração, publicado no DG, n.º 202, 3ª série, de 30/8/1944, a favor de Maria Teresa e Maria Fernanda Passos Couto e João Passos Ferreira Couto.

 

Historial

No relatório de Acciaiuoli de 1947, esta nascente é mencionada no capítulo “Águas de Mesa”, e a sua comercialização, em garrafões de cinco litros, tinha sido de 3250 litros em 1944, 36.000 litros em 1945 e 163.670 litros em 1946.
Almeida (1947) dá como data de abertura do poço o ano de 1920. Os moradores no local utilizavam esta água nos seus usos domésticos, começando a notar que a permanência na quinta era “de sobremaneira reconstituinte, facto que se verificou quando em 1938 para ali foi fazer a sua convalescença certa pessoa debilitada por um mal tenaz”.
Em 1950 foi analisada por Herculano de Carvalho. Os resultados desta análise constavam do rótulo da garrafa, assim como o nome do distribuidor desta água, Artur Paiva Lda., com escritório em Lisboa na Rua D. Domingos Jardo, n.º 17, de onde se deduz que a venda desta água ultrapassava o âmbito da região de Setúbal.
O engarrafamento deve ter terminado em finais da década de 60, ou princípio da década seguinte, segundo informação da funcionária do turismo de Setúbal: “Era das melhores águas minerais do país. Deixou de se engarrafar aí há trinta e tal anos ou mesmo quarenta.”

A situação desta nascente faz lembrar a de uma outra, na cidade de Braga, onde uma cadeia de supermercados construiu o seu espaço comercial sobre uma nascente de aproveitamento tradicional, a Fonte de Fraião. A fonte foi reconstruída e a água da nascente canalizada para o novo local, obra a que se viu obrigada por imposição da junta de freguesia local, mas que resultou numa operação de “charme” para a cadeia comercial. Desconhecemos se a água da Bela Vista foi ou não afectada pela urbanização que se fez no local mas, a confirmar-se o seu estado de pureza, bem podia esta cadeia de supermercados seguir o exemplo da sua congénere de Braga.

 

E um especial obrigado à Sweety Girl pelas informações que me ajudaram a elaborar a listing.

A cache: È de tamanho pequeno. Levem material de escrita. Sejam discretos na procura.

Additional Hints (Decrypt)

Byun cnen b "cbpb" qr seragr r fr ercnenerf ahzn crqen zbir-n r iê b dhr rfgá yá...
Dhnaqb n pbybpnerf qrvkn-n pbzb rfgnin pbz n crqen r gncn-n orz cnen dhr avathéz n irwn.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)