Skip to Content

<

Geologia do PNSSM - Granito Tectonizado

A cache by PG Team Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 06/23/2016
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Geologia da Serra de São Mamede


Pensa-se que a Serra de S. Mamede terá tido origem num movimento compressivo lateral das camadas geológicas, o qual terá provocado o aparecimento dos extensos alinhamentos quartzíticos que constituem as cristas rochosas que se estendem ao longo da bordadura da serra, no sentido NW-SE.

Estes alinhamentos, devido à sua resistência, apresentam numerosas falhas, principalmente no sentido N-S. A mais evidente localiza-se em Castelo de Vide, visível sobretudo pelo considerável afastamento entre as cristas provocado por novo falhamento num sentido mais ou menos perpendicular.

No exterior da bordadura quartzítica encontram-se os granitos, enquanto os materiais litológicos de menor granulometria, como os xistos e os calcários, constituem a zona nuclear do Parque Natural.

A maior parte da superfície do Parque é composta por xistos, que se estendem praticamente desde Castelo de Vide, passando por Escusa, Porto da Espada e S. Julião, até à fronteira espanhola nas proximidades de Rabaça. Neste vale, como indício do seu substrato calcário, situam-se os fornos de cal da Escusa.



Granito


O granito resulta da solidificação do magma a grandes profundidades. As rochas que o envolvem, impedindo a libertação do calor, não permitem um rápido arrefecimento do magma, retardando a sua solidificação. Desta forma, os minerais que o constituem têm o tempo necessário para se desenvolver, apresentando-se assim, esta rocha, com uma textura granular em que os minerais constituintes são bem visíveis e identificáveis: o quartzo, os feldspatos (ortoclase, sanidina e microclina) e as micas (biotite e moscovite).

Seja por ação da erosão, do clima ou dos movimentos tectónicos, as massas graníticas acabam por atingir a superfície. Durante este processo, porém, a rocha sofreu já uma série de pressões que a fragilizaram, apresentando inúmeras fraturas (diaclases). Estas falhas, por sua vez, permitem a infiltração de água, solo ou resíduos orgânicos no seio da rocha, acelerando a sua meteorização.

Quartzo Ortoclase biotite

Classificação das rochas Ígneas


As rochas ígneas são classificadas, principalmente, por 3 critérios:
  • Cristalinidade
  • Homogeneidade
  • Granulometria

Cristalinidade


Corresponde ao grau de cristalização do magma e que está diretamente relacionado com a velocidade de arrefecimento:
  • Holocristalina - composta inteiramente por cristais e resultante de um arrefecimento relativamente lento.
  • Hipocristalina - constituída por uma mistura de cristais e vidro uma vez que o arrefecimento rápido do magma não permitiu a formação total dos cristais.
  • Vítrea - composta quase totalmente por vidro devido ao arrefecimento muito rápido do magma.

Homogeneidade


Tamanho dos diversos minerais que constituem as rochas ígneas:
  • Equigranular - composta por minerais de tamanho relativo aproximadamente igual. Significa que o processo de arrefecimento do magma foi regular e em um único estágio.
  • Porfirítica - constituída por duas granulometrias distintas dos minerais. Significa que o processo de arrefecimento do magma ocorreu, pelo menos, em dois estágios distintos.

Granulometria


Corresponde à medida quantitativa do tamanho dos minerais que compoem a rocha ígnea:
  • Grossa - granulometria de 1 a 10 mm. Indica um arrefecimento lento dando tempo à formação bem definida dos cristais.
  • Média - granulometria de 0,2 a 1 mm.
  • Fina - granulometria inferior a 0,2 mm. Indica um arrefecimento bastante rápido sem tempo para a formação de grandes cristais.

Granito Tectonizado de Portalegre


O maciço granitico de Portalegre é composto por granitos pré-variscos correspondentes a uma intrusão granítica fortemente tectonizada com cerca de 200 km2, de forma elíptica, orientada NW-SE que aflora na transição Zona Centro-Ibérica com a Zona de Ossa-Morena.

A rocha granítica, com cerca de 500 milhões de anos sofreu, 200 milhões de anos depois, fortes compressões e deformações, bem notórias à vista desarmada. A intensidade da deformação é geralmente bastante acentuada, conduzindo por vezes a texturas fortemente cataclásticas/miloniticas. Genericamente estes granitos apresentam composições que se enquadram nos sienogranitos e granitos com feldspato alcalino, podendo atingir o campo dos granodioritos.

A EarthCache


Esta earthcache está situada junto a um miradouro com uma vista fantástica para a cidade de Portalegre.

Para efetuar o log nesta earthcache é necessário visitar o local e enviar-me as respostas, através da minha página de perfil, às seguintes questões:

1 - Classifique a rocha encontrada no GZ de acordo com os seguintes parametros:
  • a) Cristalinidade
  • b) Homogeneidade
  • c) Granulometria
Adicionalmente, gostaria de ver fotos da vossa visita ao local desde que as mesmas não apresentem as respostas a esta earthcache. No entanto, segundo os guidelines, as fotos são opcionais.

Referência

ICNF
Património Geológico de Portugal
Granito – formação, constituição, transformação
Classificação de rochas ígneas

Flag Counter

Additional Hints (No hints available.)



Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.