Skip to Content

<

Guerra Peninsular

A cache by Malupi Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 09/06/2017
Difficulty:
4 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Translation

Guerra Peninsular

A Guerra Peninsular


A Guerra Peninsular, também conhecidocida em Portugal como como Invasões Francesas e Em Espanha como Guerra da Independência Espanhola, no início do século XIX, entre 1807 e 1814, na península Ibérica, e insere-se nas chamadas Guerras Napoleónicas. A princípio, envolveu Espanha e França, de um lado, Portugal e Reino Unido da Grã Bretanha e Irlanda, do outro. Porém, uma guerra teve repercussões além da Europa, influente na independência das colônias da América Latina.

Lusitânia Setentrional – território entre o rio Minho e o rio Douro, um principado a ser governado pelo soberano do extinto reino da Etrúria (então Maria Luísa, filha de Carlos IV de Espanha);

Primeira tentativa

 

Quando Soult deixou a Corunha dirigiu-se a Ferrol que se submeteu sem dificuldade a 26 de Janeiro de 1809. À vontade da população em resistir aos franceses, opunha-se a falta de determinação dos comandantes militares. O mesmo sucedeu com Vigo e Tui. No dia 2 de Fevereiro a guarda avançada de Soult chegou à margem norte do rio Minho mas só no dia 15 de Fevereiro, depois de estarem reunidas todas as forças, foi feita a tentativa de entrar em Portugal.

A primeira tentativa de Soult para entrar em Portugal foi levada a cabo entre Camposancos (na margem norte, a cerca de 3 km da foz do rio Minho) e Caminha (na margem sul). A travessia foi tentada em duas ou três dezenas de barcos de pescadores e, desta forma, apenas podiam ser transportados cerca de 300 homens de cada vez. As forças irregulares portuguesas que vigiavam na margem sul apoiadas pelo povo, sob o comando do General Bernardim freire, abriram fogo e só três embarcações chegaram ao seu destino com trinta e poucos homens que foram imediatamente aprisionados.

 Moledo quase sempre foi poupado ao flagelo das guerras , sendo que na guerra peninsular há a indicar a invasão das forças Francesas na segunda Invasão , em 1809 que segundo as pessoas mais idosas da aldeia contam

 “ que houve uma enegica resistencia por parte de um fortim portugues , situado proximo do cabedelo ,era comandado por um sargento . A defesa foi heroica , chegando o sargento a rasgar a farda , com o fim de fazer buchas para a peça .

Algumas forças que conseguiram atravessar o rio , nao entraram em Moledo por se ter formado um  nevoiro, que se atribui á a intervençao miraculosa de Nossa Senhora de Ao pe da Cruz, tão justamente venerada pelos Moledenses.

Nesse local para comemorar a vitoria foi erigiu-se a capela de Nossa Senhora do Bom Sucesso.”  

 Soult decidiu não fazer outra tentativa de atravessar o Minho e deu ordem às suas unidades para marcharem em direcção a Ourense e daí seguirem em direcção a Chaves

A ínsua

Após a revolução francesa e com a eminência de guerra o Forte sofre obras de reparação e o convento uma pequena remodelação, entre 1793 e 1795, os franciscanos abandonam provisoriamente o convento. Durante as invasões francesas o Forte foi ocupado pela armada espanhola. Anos mais tarde, em 1834 as ordens religiosas foram extintas e o convento é integrado no património nacional, enquanto que o Forte continuou sob a alçada dos militares até ao ano de 1940, quando o Ministério da Marinha entrega o Forte ao Ministério das Finanças.

Um poço de água potável abastecia a guarnição, composta por um Governador (comandante) e doze praças, revezados semanalmente. Esse poço é notável por se situar no mar, sendo um dos três únicos existentes no mundo.


CRUZEIRO DO SINO DOS MOUROS ( Moledo do Minho)
Bem no alto da encosta, outrora avistado de todos os pontos da povoação e onde se pode desfrutar de uma paisagem paradisíaca, incrustado no conjunto de pinguins, o Cruzeiro do Sino dos Mouros (nome que se desenvolve na existência de uma laje granítica de grandes dimensões e cujo som, ao bater com uma pedra, lembra o tocar dos sinos). Também conhecido por Cruzeiro do Facho (por ter servido de atalaia, isto é, vigia, no tempo dos lusitanos e local onde fica acendia um luzeiro durante a guerra peninsular com os franceses), foi mandado construir por Manuel Busquets de Aguilar e pelo Padre José Baptista Alves Lírio. A sua edificação (1940) pretendeu comemorar o oitavo centenário da fundação da nacionalidade portuguesa e do terceiro da sua restauração. 

Napoleão Bonaparte

Um dia quis guerrear;

Mandou o Marchal Shoult

A Caminha atacar.

 

Caminha ele atacou

Investindo alguns vezes;

Mas cada vez que investia

Sofria sérios revezes.

 

E meio desbaratados

alguns vão para o camarido;

Ali foi preso um grupo

aos pedaços repartido.

 

Aos pedaços repartidos

Entre o pinhal e como dunas

E o Soult da Galiza

Olhava como suas lacunas.

 

Por fim já senhor de si

Disse para os seus botões:

Vou cruzar por outro lado

Que aqui perco pelotões.

 

E no diário escreveu

Ele assim como seus entraves:

Esta gente é muito dura

Vou tentar por Chaves.

This page was generated by Geocaching Portugal Listing Generator
Translation

N AB° C0.DEF W 00G° Hi.J0K

O container Contém o habitual logbook, tem  material de escrita.
Façam os possiveis por ser discretos, e nao estragar nada,  assim como recolocar a cache tal como  a encontraram de forma a manter a sua longevidade.

Peço encarecidamente  o maximo de discrição na sua procura.

 

 não publiquem fotos do container pfv

 Obrigado pela vossa visita. Divirtam-se... ;) 



 

This page was generated by Geocaching Portugal Listing Generator

Pode verificar a solução deste puzzle no GeoChecker.com.

Flag Counter

Additional Hints (No hints available.)



 

Find...

61 Logged Visits

Found it 56     Write note 4     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 14 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.