Skip to content

<

Meda de Rocalva

A cache by Joca.Sara Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 10/05/2017
Difficulty:
3.5 out of 5
Terrain:
4 out of 5

Size: Size:   other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


 

Meda de Rocalva

 
 

Se acredita ter concluído com sucesso os objetivos desta Earth Cache e já enviou as respostas conforme solicitado, sinta-se à vontade para a registar como encontrada.
 
 
 
 
If you think that you have successfully accomplished all the goals of this EarthCache and have already sent the answers to the owner, feel free to log the cache has found.

Como reclamar esta cache:

Para reclamar esta cache como encontrada deverá enviar um e-mail com as respostas corretas das seguintes perguntas:

1 - Na proximidade do ponto zero é possível observar algum tipo de Inselberg?
 
- Se sim, identifica-o e indica qual o tipo; explica por palavras tuas a possível teoria de origem?
 
- Se não, qual a denominação para o rochedo de maior relevo no local?
 
2 - No ponto zero, cerca de 2 metros abaixo da inscrição existente na Meda de Rocalva, existem uns cristais salientes, qual a cor deles??
 
3 - Analisando toda a Meda de Rocalva, qual é a orientação do lado com maior inclinação?

4 - Analisando toda a Meda de Rocalva, qual é a orientação do lado com maior altura? Examinando esse mesmo lado qual a altura:
a) 80m a 120m;
b) 120m a 160m;
c) 160m a 200m.
 
5 - No ponto zero há uma rocha, fragmento da Meda, tira uma foto neste local onde apareças tu e o prado da rocalva e anexa ao registo online, se não pretendes que a tua cara apareça na foto, tira uma foto com o prado a teus pés (tem que se ver os pés/calçado)

Se acredita ter concluído com sucesso os objetivos desta Earth Cache e já enviou as respostas conforme solicitado, sinta-se à vontade para a registar como encontrada.
 How to claim this cache:

To claim a find for this cache you should send the owner an e-mail with the answers to the following questions:

1 - Near the ground zero, is it possible to observe some kind of Inselberg? 
-If your answer is yes, identify it and indicate what is its type; explain, in your words, the possible theory of its origin. ? 
-If your answer is no, what is the denomination for the most landform rock on the site?
 
2 - In the ground zero, about 2 meters below the existing inscription in Meda de Rocalva, there are some prominent crystals. What is their color?  

3 - Looking at the entire Medal of Rocalva, what is the orientation of the side with the highest inclination?


4 -Looking at the entire Meda de Rocalva, what is the orientation of the side with the highest height? Examining the side above, how tall is it:
a) 80m to 120m;
b) 120m to 160m;
c) 160m to 200m.
 
5 - At the zero point there is a rock, fragment of the Meda, take a photo in this place where you appear and the meadow of rocalva and attached to the online register, if you do not want your face to appear in the photo, take a photo with the meadow at your feet (you have to see your feet / footwear)

If you think that you have successfully accomplished all the goals of this EarthCache and have already sent the answers to the owner, feel free to log the cache has found.
 
 

Rocalva

 
 

Rocalva, localizado no “coração” do Gerês, a uma altitude de 1300m, é um dos locais preferidos e mais emblemáticos da Serra do Gerês. O local em redor é bucólico e referenciado pelo grande rochedo da Meda de Rocalva, onde o nome advém da forma característica com uma meda de palha, em forma de cone; Rocalva, de roca alva, sendo um rochedo de cor clara, em contraste com a sua “irmã” Roca Negra. Este é um dos geossítios mais representativos da paisagem granítica que ocorre no Parque Nacional da Peneda-Gerês, trata-se do melhor exemplo de uma geoforma granítica do tipo meda, destacando-se pela sua dimensão e configuração cónica.

Rocalva
 
 
 

Inselberg - Bornhardt

 
 

Na Serra do Gerês observa-se um contraste acentuado entre as áreas mais altas e que foram sujeitas à glaciação, geralmente de rocha nua, e as áreas não afectadas pela glaciação, onde se encontra uma típica morfologia de alteração granítica. Esta última conserva-se os restos dos saprólitos terciários e apresenta relevos residuais ou Inselberg (“monte ilha”), podem ser do tipo Bornhardt (cúpulas rochosas, domo rochoso ou meda), desprovida de cobertura e com flancos inclinados, que no Gerês têm a designação de medas; do tipo Castle Kopje ou Castle Koppie, relevos acastelados, ligados a sistemas de fracturas ortogonais ou verticais, designados no Gerês de borrageiros. Mais frequentes que as medas e os borrageiros, são os Tor, formas mais pequenas, não ultrapassam a dezena de metros de altura e que são constituídos por empilhamento de blocos in situ.

Meda de Rocalva 
 
 

Bornhardt

Bornhardt é um afloramento rochoso, em forma de cúpula, íngreme, calvo, com pelo menos 30 metros de altura e várias centenas de metros de largura. Dependendo da sua forma, são conhecidos geralmente por: pão de açúcar, costas de baleia, tartarugas ou simplesmente cúpulas.

A denominação de bornhardt foi feita pelo geólogo alemão, Wilhelm Borhardt (1864-1946), sendo o primeiro a descrever tal facto natural. Wilhelm Borhardt, inicialmente usou o termo para denotar um tipo de inselberg, nos dias de hoje é referente a colinas e montanhas apinhadas, independentemente do isolamento na paisagem.

Os bornhardt são mais facilmente identificáveis em regiões áridas ou semi-áridas, mas ocorrem numa basta área de climas. Encontrando-se em diversas configurações topográficas, aparecendo em paisagens “multicílicas”. Durante o período geológico de um bronhardt, este pode degradar-se para outras formas de relevo geológico, tais como os nubbiens e os castle koppies. Os bornhardt foram previamente associados a formas de relevo característico de paisagens tropicais, mas demonstraram estar relacionados com a litologia e a estrutura da rocha, mais do que com o clima.

Os bornhardt na maioria das vezes feitos de granito ou outro tipo de rochas duras, podendo em alguns casos ser formados por calcário ou arenito, ou uma mistura de rocha dura e macia. Quando estes existem em climas tropicais, poderá existir vegetação na superfície.

 

Teoria da Origem

 

  • Ambiente

Wilhelm Borhardt colocou a possibilidade de que os bornhadt fossem literalmente montanhas insulares e que teriam sido moldadas por ondas, mas rapidamente abandonou essa ideia, pois não havia evidência que processos marinhos sozinhos fossem capazes de produzir formas arredondadas; existindo bornhardt bem conhecidos, em locais que nunca foram banhados pelo mar, tal como os bornhardt de climas frios, a ocorrência de bornhart em ambientes costeiros é fortuita e não evidente.

Considerou-se que determinadas cúpulas graníticas, por serem rochas monumentais, teriam origem glaciar, acontece que não havia evidência de glaciação nessa região. Os glaciares não produzem formas arredondadas, apenas atuam como “buldózeres”, tal como as ondas quebram a costa, e são capazes de remover rególitos, onde expõem as formas das camadas rochosas pré-existentes. Os glaciares apenas revelam e modificam ligeiramente as massas rochosas arredondadas, cobertas pelas camadas rogolíticas.

Os inselberg e do tipo bornhartd foram considerados como formas típicas do deserto, pois estão bem evidentes em terrenos áridos. A capacidade erosiva foi considerada, através do jateamento de vento e areia, no entanto a maior parte das formas erosivas arredondadas são devidas a água corrente, tanto nas planícies do deserto ou como em locais residuais influenciados pela corrente do rio, no passado ou presente.

 

  • Retiro de Escarpa

A transição abrupta da colina para a planície é uma das características mais distintas das paisagens desérticas. O ângulo de sopé, como é conhecido, está relacionado com as intempéries de humidade, na maior parte dos casos explorando a estrutura, mas basicamente concentra-se na zona do sopé da escarpa. Este é um mecanismo básico que impulsiona no recuo da escarpa. O granito seco permanece fresco e estável, já o granito em contacto com a humidade com o passar do tempo fica apodrecido. Assim numa paisagem dissecada, o granito exposto na parte alta da escarpa é seco e estável, actuando como uma camada de rocha de protecção, em contraste com o exposto abaixo que é meteorizado ou erodido. Primeiramente com um aumento da inclinação da escarpa, criando debilidades e por consequência colapso dos elementos mais elevados do declive, por segundo, a “manutenção” da escarpa de inclinação e morfologia constantes durante o desgaste progressivo da escarpa. O mecanismo de retiro de escarpa, foi assim usado para a explicação de aparecimento de bornhardt (Figuras do livro)

Retiro de Escarpa

 

  • Tectónia e estrutura: falha e litologia

O granito forma plutões de rocha ígnea a vários quilómetros abaixo da superfície, o magma arrefece lentamente e formando cristais. O granito está sob uma elevada pressão, sendo elevado até à superfície durante o processo de formação de uma montanha. Durante este processo, a rocha sobrejacente é erodida à medida que o granito é elevado, a pressão sobre o granito vai reduzindo, este expande, criando fracturas ou camadas paralelas à superfície. O granito corrói em camadas concêntricas (tal como cascas de cebola) formando massas arredondadas, denominadas como cúpulas de esfoliação.

Bornhardt

Basicamente, existe quatro argumentos principais para a formação de bornhardtque envolve falhas, controlo litológico, cruzamento por dobra e contrastes na densidade de fractura. Alguns investigadores interpretam os bornhardt como monólitos de resistência ou de dureza, pois a sua forma estrutural deve-se à exploração das fraquezas da crosta por agentes externos. 

Bornhardt

 

  • Resistência diferencial à superfície e o conceito de duas fases

Esta teoria combina os aspectos estruturais com factores ambientais ubíquos, nomeadamente o desgaste diferencial e erosão de compartimentos da densidade de fractura na superfície rasa. As primeiras variações na densidade de fractura podem ser atribuídas corte recorrente e propagação da fractura, resultando em massas comprimidas e resistentes, envolvidas por rochas fracturadas.

 

Bornhardt

Muitos rochedos são formados pelo conceito de duas fases ou pelo conceito de origem. A formação de rochedos resulta da fractura das subcamadas, convertendo blocos cúbicos ou quadrangulares em corestones arredondados. O material de desgaste é então “evacuado” deixando os corestones expostos como rochedos. Os corestones são in situ e não transportados por rios ou glaciares. É uma pequena forma de mostrar os corestones como mini bornhardts e interpretar a formação deste como um conceito de duas fases; embora os bornhardt perecem diferir dos corestones, mas mantendo as mesmas “raízes”.

 

Uma superfície de granito e gneiss sujeita a um prolongado desgaste num nível básico, seria decomposta em profundidades desiguais, devido à composição e textura das várias rochas. Quando da ocorrência de elevação e de erosão, o desgaste da crosta, sendo esta removida, dando origem a uma superfície irregular, onde as rochas mais resistentes se projectariam. As rochas que oferecem maior resistência ao desgaste químico sob a superfície, após a exposição, assumiriam a configuração da superfície, proporcionando menor influência para os agentes erosivos.

 

ATENÇÃO

 
 

 

  • A cache não está em Zona de Protecção Total. O acesso à cache, coordenadas finais, não atravessa qualquer zona de protecção total (ZPT).

 

  • Esta é uma marcha de montanha e requer cuidados convenientes. Estude o caminho previamente e leve água, comida e calçado apropriado.

 

  • This is a mountain walk and one should take a suitable preparation. Please study your path before and bring water, food and proper shoes.

 
 

Additional Hints (Decrypt)

Ire qrfpevçãb

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.