Skip to Content

This cache has been archived.

asribeiro: Fim do caminho

More
<

CAMINHOS DO MARÃO # 2

A cache by asribeiro Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 11/07/2017
Difficulty:
4 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Translation

CAMINHOS DO MARÃO # 2

CAMINHOS DO MARÃO # 2

A Serra do Marão é uma formação montanhosa de origem xistosa e granítica, de formas abruptas, que atinge no seu ponto mais alto - a Senhora da Serra - os 1 415 metros. Distribuída pelo território dos distritos do Porto e Vila Real, faz a separação entre o Douro Litoral e Trás-os-Montes e constituíu, durante muitos anos, uma barreira difícil de transpor e que muito condicionou a mobilidade dos que moravam "para lá do Marão" (Trás-os-Montes). Hoje, é rasgada de poente para nascente pelo I.P.4 (Itinerário Principal nr. 4) que a aproxima do litoral português e de Espanha.

Integrando a cadeia montanhosa que se prolonga pelo Alvão, a Serra do Marão tem uma área aproximada de 20.000 hectares, 75% dos quais contitui terreno baldio que se espalha pelos concelhos de Amarante, Baião, Vila Real, Mesão Frio, Santa Marta de Penaguião e Régua.
"Bem alto é o Marão e não dá palha nem grão", diz o aforismo popular. Não dá, de facto, sobretudo a partir da quota dos 300 metros, mas a serra apresentou já enorme riqueza florestal, em boa parte dizimada por um violento incêndio ocorrido em Setembro de 1985. Ao todo, arderam então 3.000 hectares de floresta e mato (uma área equivalente a 300 campos de futebol!).

O que ardeu na serra do Marão foram, sobretudo, grandes manchas de pinheiro bravo, resultantes da florestação efectuada a partir dos anos 30, muitas vezes de "armas em punho", para quebrar a resistência das populações serranas que receavam pela perda das pastagens. Nessa altura a florestação era feita por sementeira, gastando-se 50 quilos de penisco por hectare, de que resultavam manchas espessas e bastas, mas muito expostas em caso de incêndio pela matéria combustível que forneciam. A opção, quase única, pelo pinheiro, sendo considerada boa em termos económicos por causa da madeira e porque se trata de uma espécie pouco exigente quanto à natureza dos solos, e muito resistente aos ventos, revelar-se-ia desajustada noutros aspectos. Depois do incêndio de Setembro de 1985, e quando se pensou na reflorestação da serra, logo se concluíu pela necessidade de adopção de uma filosofia diferente, numa tentativa de levar a floresta a criar as suas próprias defesas.
O renascer do Marão começou em 1988/89, com a implementação do Plano de Acção Florestal, no qual foram gastos de 355.000 contos, tendo como área de intervenção 2.694 hectares, para onde foram elaborados 6 projectos distintos, o de menor dimensão com 143 hectares e o maior com 798 hectares. Os projectos para os cerca de 3.000 hectares a florestar tiveram sempre em conta a existência de linhas de água e toda a acção assentou nas respectivas bacias hidrográficas, donde se partiu, decorrendo os trabalhos entre as quotas dos 400 e dos 800 metros. Para baixo existem as aldeias serranas e, para cima, as chamadas zonas de protecção onde se faz a gestão dos matos e existem precipitações ocultas que propiciam excelentes pastagens de Verão. É também nas quotas mais altas que se procede à criação de "mosaicos" com fogos controlados de Inverno.

Com a conclusão do último dos projectos, em 1993, a serra do Marão recebeu 4,5 milhões de novas árvores segundo concepções inovadoras e depois de ponderados factores como a natureza dos solos, a altitude ou a penetração dos ventos. A maioria delas são folhosas como o carvalho e o castanheiro, embora as resinosas, casos dos pinheiros bravo ou larício (conforme a altitude) tenham também uma presença significativa.

A opção pela predominância das folhosas visa dar à serra a possibilidade de criar as suas próprias defesas, prevenindo a propagação dos incêndios. É que, no Verão, as folhosas impedem a existência de fotossíntese ao nível do solo (as folhas impedem a passagem dos raios solares), obstando ao crescimento dos matos. De Inverno, com o cair das folhas, a fotossíntese proporciona o aparecimento de ervas. Não existindo matos, é muito difícil o alastramento dos fogos.

As plantações visaram, também, numa perspectiva genérica, repôr o equilíbrio ecológico da serra, razão porque se recorreu a espécies diversificadas, ora criando manchas de uma só, ora misturando várias. E porque o equilíbrio passa ainda pelo regresso das espécies animais, procurou-se também recriar habitats e restabelecer as tradicionais cadeias alimentares. E se não há já muitas esperanças de que as corças voltem a povoar consideravelmente a serra (embora ainda lá existam alguns exemplares), é possível criar condições para que volte a caça e, sobretudo, as aves se "sintam em casa". Nesse sentido foi feito também o plantio abundante de produtores de baga, como o medronheiro, o zimbro, o azevinho ou a cerejeira brava.

Mas, até que as árvores plantadas atinjam a idade adulta vão passar-se muitos anos. Para se ter uma ideia, basta dizer que o corte final, no que se refere a pinhal, está previsto para o ano de 2039 e o de soutos para 2139!

A reflorestação a que se procedeu no Marão, e que urge preservar, foi feita numa perspectiva multidisciplinar, que incluía o estudo e investigação, mas que visava também preparar a serra para o "embate" da abertura da auto-estrada Porto/Amarante, pensando-a, estrategicamente, como o (futuro) grande pulmão da Área Metropolitana do Porto, onde vive mais de um milhão e meio de pessoas. E foi assim que se abriram estradas a cotas diversas, se criaram miradouros e zonas de merendas, com água e "cozinhas" de montanha. O estabelecimento de pontos de água na serra tem sido uma preocupação dos municípios por onde o seu território se estende, por forma a que, em caso de novo incêndio, se possam abastecer helicópteros e autotanques. Assim, aproveitando linhas de água, criaram-se pequenas barragens cujas albufeiras permitem também zonas de lazer e banhos, funcionando ainda, em alguns casos, como "viveiros" de trutas, peixe que encontra nas águas da serra óptimos habitats.

As partes mais altas do Marão nunca permitiram a fixação de população, mas nas suas faldas cresceram muitas aldeias, cujos habitantes procuravam "nas alturas" e numa agricultura de minifúndio a sua subsistência. A serra proporcionava pasto a imensos rebanhos e dos baldios traziam as populações madeiras e lenhas. Com o 25 de Abril e a entrega da gestão dos terrenos baldios às comunidades, estas aproveitaram as verbas dos cortes de madeira para melhorar a sua qualidade de vida, criar equipamentos e infraestruturas nas povoações.

Da serra, porém, as povoações não tiravam apenas dividendos com a pastorícia ou as madeiras. Na florestação, que se iniciou em 1916, empregaram-se muitos braços "serranos" e as minas de volfrâmio, que a segunda guerra mundial alimentou, absorveram também, durante vários anos, muita mão de obra.

A propósito de baldios, diga-se que a serra do Marão é das que maior área comunitária oferece no país. O baldio de Ansiães (freguesia do concelho de Amarante), por exemplo, tem uma área de 2 500 hectares!

Esta faz parte de uma serie de caches a colocar na serra do Marão. Espero que gostem de as visitar, assim como eu gostei de as colocar

Levem máquinas para tirar umas fotos, pois os locais escolhidos, são excelentes

A CACHE:


A cache não é uma embalagem tradicional. Cotem logbook e stashnote.
NÃO ESTÁ EM MUROS. NÃO É PRECISO ESTRAGAR NADA.
Deixem como encontraram.

Sempre que possível façam C.I.T.O. ('cache in trash out' que é como quem diz 'faz a cache recolhe lixo') e divirtam-se.

Espero que gostem





This page was generated by Geocaching Portugal Listing Generator

Additional Hints (Decrypt)

Rfgn rfgá qr pnenf cnen gv

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

28 Logged Visits

Found it 25     Didn't find it 1     Archive 1     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 9 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.