Skip to content

<

Aljustrel - DP/EC one, one, six

A cache by Lord of the Rocks Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 02/21/2018
Difficulty:
1 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


f1

headAljustrel (Portuguese pronunciation: [ɐɫʒuʃˈtɾɛɫ]) is a town and a municipality in the Portuguese district of Beja. The population in 2011 was 9,257, in an area of 458.47 km².

During the Roman era, Aljustrel was known as Metallum Vispascense. In 1235, Aljustrel was conquered from the Moors by King D. Sancho II. The first foral (charter) was only conceded by King Sancho in 1252. A new foral was issued on 20 September 1510, by King D. Manuel I. On 28 January 2013, the civil parishes of Aljustrel and Rio dos Minhos were aggregated into one local authority called Aljustrel (Decree 11-A/2013, Diário da República, Série 1, 19).

Algares Iron cap

Here outcrops the Algares iron cap (massive ore totally oxidized and exposed to the surface) of the deposit of Algares. The mineralized body has an approximate length of 900m and a maximum width of 35m. This formation was intensely explored in Roman times through shafts and galleries that reached to reach 118m of depth. The ancient was composed of:

1- Iron in the oxidation zone (hence the terminology of "iron cap")

2- Silver at the base of the iron cap, and

3- Copper in the secondary enrichment zone.

The fact that the deposit was tilted and not very thick led to the fact that it was open casted, thus being preserving it from destruction. Today it forms a geological monument of excellence and today is one of the landmarks of the geological route of Aljustrel.

To validate this EC you need to go to the indicated coordinates and answer the following questions based on your observations:

1- Do you think the red outcrop in front of you is exposed ore? If so, estimate its width and height and explain why you believe it to be ore?

2- Looking at the overall aspect of the outcrop, is it mainly smooth-walled or mostly rough-walled?

3- In terms of the overall erosion of the outcrop, do you see frequent "gashes" and "discontinuities" in the outcrop? If you do, How deep are they?

4- From your viewpoint do you see significant chromatic changes in the outcrop? (i.e. Drasctic colour changes or are the colours mostly reddish?)

Don't forget to send me the answers via e-mail through my profile page or through the Geocaching message service. If your answers are good, good for you. If they are  wrong, I will get back to you.

Note: No spoiler photos in the logs. Those will simply be deleted.

f2 

Aljustrel é uma vila portuguesa pertencente ao Distrito de Beja, região do Alentejo e sub-região do Baixo Alentejo, com cerca de 4 600 habitantes, conhecida pela sua mina.

É sede de um município com 458,47 km² de área e 9 257 habitantes (2011), subdividido em 4 freguesias. O município é limitado a norte pelo município de Ferreira do Alentejo, a leste por Beja, a sul por Castro Verde, a sudoeste por Ourique e a oeste por Santiago do Cacém.

História

No território que hoje é o concelho de Aljustrel, está documentada a passagem de grupos de caçadores-recoletores do Paleolítico. Contudo, os primeiros registos arqueológicos de início de povoamento remontam a finais do 3º milénio a.C. e situam-se no morro de Nossa Senhora do Castelo, uma comunidade que já se dedicava à extração e metalurgia do cobre. E foi este minério e a riqueza dos seus solos agrícolas que fizeram com que, a partir daí, a ocupação do território se tenha processado de forma ininterrupta, tendo-se recolhido vestígios de todos os períodos pré-históricos.

shCom a chegada dos romanos em finais do século I a.C., a exploração mineira sofreu um grande impulso com uma exploração bastante intensiva. Deste período, recolheram-se inúmeros vestígios dessa atividade para além de outros da vida quotidiana das populações. Foram também encontrados dois textos jurídicos gravados em bronze e que representam os mais antigos textos legislativos conhecidos no nosso país que, embora incompletos, foram exaustivamente estudados por investigadores nacionais e estrangeiros, bem como os restos de uma oficina metalúrgica onde se processava o tratamento do minério e também ruínas de habitações da povoação que se denominava Vipasca.

Após o declínio e queda do Império Romano, outros povos por aqui terão passado, embora sem deixar a sua marca, uma vez que aqui não se fixaram. No século IX, com o domínio muçulmano da Península Ibérica, começaram aqui a fixar-se comunidades mouras, vindas principalmente do norte de África, e o lugar passou a denominar-se Albasturil. Construiram um castelo de taipa, no século XI, que se manteve funcional até à reconquista cristã, em 1234. A praça foi conquistada pelos cavaleiros da Ordem Militar de Santiago da Espada, a quem o rei D. Sancho II fez a doação dos territórios conquistados, com exceção dos rendimentos das minas e das termas de S. João do Deserto.

A partir de 1252, o concelho de Aljustrel assume forma jurídica com a atribuição de Carta de Foral, outorgada pela Ordem de Santiago e confirmada pelo rei D. Afonso III, sendo referida nos textos como Aliustre. Em setembro de 1510 recebe nova Carta de Foral atribuída por D. Manuel I.

Em 1836, o concelho de Aljustrel vê aumentada a sua área, com a inclusão da freguesia de Ervidel, e em 1855 sofre nova alteração com a anexação de parte do extinto concelho de Messejana. Mais tarde, em 1871, acaba também por ser extinto o concelho de Aljustrel, embora por um curto período de três anos. Em 1910, Aljustrel adere de imediato à República, tendo sido um membro ilustre de Aljustrel o Dr. Manuel de Brito Camacho, médico, jornalista, político, deputado e ministro. Foi um dos principais líderes do movimento republicano.

Geologia

A geologia de Aljustrel é caracterizada por um soco paleozóico da Zona Sul Portuguesa representado pela Formação de Mértola, com cerca de 340 a 330 milhões de anos, e por um complexo Vulcano-Sedimentar da Faixa Piritosa Ibérica, com cerca de 352 a 330 milhões de anos. 

As rochas do soco evidenciam uma orientação noroeste-sudeste e apresentam um forte controlo estrutural manifestado por cavalgamentos vergentes para sudoeste e por falhas tectónicas de orientação norte-sul e nordeste-sudoeste. Estes sistemas são representados, respetivamente, pelos desligamentos subverticais de movimentação direita de Azinhal, Feitais, Represa e Castelo e pela falha da Messejana, de componente normal esquerda. A noroeste da falha da Messejana, o soco Paleozóico encontra-se coberto por sedimentos da Bacia Terciária do Sado, representados por areias, argilas, conglomerados e carbonatos.

vaChapéu de ferro de Algares

Neste local aflora o chapéu de ferro (minério maciço totalmente oxidado e exposto à superfície) das massas de Algares. O corpo mineralizado tem uma extensão aproximada de 900m com 35m de largura máxima. Esta formação foi intensamente explorada na época Romana através de poços e galerias que chegaram a atingir 118m de profundidade. O minério antigo tinha à sua disposição nestas massas:

  1. Ferro na zona de oxidação (por isso a terminologia de “chapéu de ferro”)
  2. Prata na base do chapéu de ferro, e
  3. Cobre na zona de enriquecimento secundário.

O facto do jazigo ser inclinado e pouco possante, levou a que nunca se optasse pela sua exploração em corta, ficando assim preservado da destruição. Hoje forma um monumento geológico de excelência sendo hoje um dos marcos do percurso geológico de Aljustrel.

Para validar esta EC precisas de ir para as coordenadas indicadas e ali responder às seguintes perguntas baseadas nas tuas observações:

1- Pensas que o afloramento encarnado à tua frente é minério' Se sim, estima a sua altura, comprimento e porque pensas que será minério?

2- Observando o apsecto geral do afloramento, determina se o mesmo á de paredes rugosas ou lisas?

3- Em termos da erosão deste afloramento, vês frequentes cortes no mesmo? se sim, qual a profundidade destes cortes?

4- Do ponto das coordenadas e olhando para o afloramento, consegues distinguir variaçãoes cromáticas drásticas? (ou seja, as cores andam pelos encarnados ou há outras cores?)

 Não te esqueças de me enviar as respostas por mail ou por mensagem. Se as respostas estiverem correctas, bom para ti. Se estiverem erradas, entro em contacto posteriormente.

Nota: Nada de fotos spoilers nos logs. Esses  serão apagados.

References/Referências:

1, 2, 3, and own text.

 

References/Referências:

1, 2, 3, and own text.

f


aThe most exciting way to learn about the Earth and its processes is to get into the outdoors and experience it first-hand. Visiting an Earthcache is a great outdoor activity the whole family can enjoy. An Earthcache is a special place that people can visit to learn about a unique geoscience feature or aspect of our Earth. Earthcaches include a set of educational notes and the details about where to find the location (latitude and longitude). Visitors to Earthcaches can see how our planet has been shaped by geological processes, how we manage the resources and how scientists gather evidence to learn about the Earth. To find out more click HERE.

Additional Hints (No hints available.)