Skip to content

<

Quinta do Comandante

A cache by SEVMANAL Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 11/07/2020
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size:   regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Quinta do Comandante

A Quinta do Comandante em Santiago de Riba-Ul, é conhecida por uma história trágica e romântica, sobre a qual muitas histórias foram romanceadas pela criatividade e paixão popular e que se foi transformando até em histórias de fantasmas!

A Casa do Comandante, como agora conhecida, era originalmente a chamada Quinta do Outeiro, aliás Outeiro é o nome do lugar da freguesia onde se localiza, e foi de fato proprietário um comandante da Marinha Portuguesa, de nome João Paes Batista de Carvalho.

Mas quem era afinal o comandante João Paes de Carvalho? Ao que tudo indica, um homem inteligente, diplomático e de convicções e amores fortes. Natural de Ponte de Sor, ficou órfão de pai em tenra idade, o que levou a sua mãe a mudar-se com os filhos para Coimbra. Lá cresceu e se fez homem mas, com cerca de 18 anos, desagradado com a decisão de sua mãe de voltar a casar-se, saiu de casa, abandonou os estudos de Engenharia e enveredou pela aviação naval – ramo aéreo da Marinha portuguesa que existiu até 1917 -, onde fez o curso de cadetes.

Em 1920, numa viagem ao Porto, avistou Inês Eugénia Knall da Fonseca, jurando logo ali que havia de a levar ao altar! Antes disso teve de ultrapassar um duro obstáculo: o sogro conservador, pouco disposto a entregar a mão da única filha a um «aviador maluco», segundo as suas próprias palavras. Mas Eugénia causara tal impressão em João Paes de Carvalho que este decidiu abdicar da aviação, trocando-a pelos navios da Marinha. Dessa forma, conquistou permissão para desposar Eugénia.

Sobre o comandante e sobre a mansão, contam-se inúmeras histórias, entre elas a de Dª Eugénia, bondosa e lindíssima esposa do Comandante, que terá sofrido um fatal acidente ao cair da escadaria principal da casa. Segundo se conta, o Comandante nunca terá recuperado do desgosto e com tamanha saudade do seu amor, houve um dia que terá convidado para um jantar familiares e amigos, tendo durante o jantar, subido ao 1º andar da casa e no seu quarto pegado num revólver suicidando-se com um tiro na cabeça.

No entanto antigos serviçais e amigos que privaram com a família na Casa do Comandante, afirmam de que de fato, seu amor pela esposa, Inês Eugénia, era infinito. Era a maior de todas as suas devoções. Mas Inês Eugénia perdeu a vida precocemente , de doença, aos 53 anos, o que levou o comandante a pedir, logo de seguida, passagem à reserva.

Como tantas vezes acontece com casais que se amam toda uma vida, o que sobreviveu não durou muito mais. No Porto, a 15 de Dezembro de 1970, o comandante, que dá hoje nome à quinta, suicidou-se com um tiro na cabeça.

A construção da casa principal da Quinta do Outeiro data de 1792, segundo inscrição na pedra da entrada.

Nos seus tempos áureos, guardava relíquias pouco habituais para a época: «Aquilo era quase uma casa museu. Tinha uma variedade de peixes marinhos que o comandante trazia que era um sonho. E animais embalsamados era por todo o lado. Tinha armas de toda a qualidade: pistolas, espingardas, eu sei lá!... Eu gostava era dos quadros: tinha coleções muito bonitas pelas paredes», descreveu ao jornal A Voz do Caima - de 15 de Abril de 2002 – Fernando «Batata», nascido e criado na terra e amigo da família.

Miguel Paes, o filho mais novo do comandante, explicou que a autoria da Casa se deve ao avô, Pedro Maria da Fonseca, que tinha como hobbies a pintura. «O meu avô pintava muito bem. Teve aulas com grandes pintores da época e pintou a casa toda, desde o teto às paredes, passando por um arco que dividia a sala, com flores e animais aquáticos.»

A história descrita em cima, referente à Quinta do Comandante, tem extratos do livro:  

"Lugares Abandonados de Portugal" - da jornalista Vanessa Fidalgo 

Atualmente a Quinta do Comandante, foi adquirida pela Câmara de Oliveira de Azeméis, da qual uma parte foi cedida à Escola Superior Aveiro Norte e recentemente foi inaugurado os chamados Trilhos do Comandante, com 3 percursos, com marcha e corrida, BTT e de Trail, e que passam junto à antiga mansão do Comandante, que apesar de estar em ruínas, é possível imaginar o fervilhar de vida e histórias que foram lá vividas.

Atenção, a casa está em ruínas, pelo que todo o cuidado e prudência terão de ser levados em conta.

A CACHE

A cache é tradicional tem o objetivo de dar a conhecer a Casa do Comandante e um pouco da sua história, dentro de um percurso dos trilhos de caminhada e BTT que iniciam e terminam na Escola Superior Aveiro Norte.

É um percurso de floresta luxuriante em que a Casa do Comandante lhe dá um ar romântico da época.

Mais uma vez, desfrute do ar bucólico e romântico do percurso, mas evite em entrar na casa pois esta encontra-se em ruínas.

A cache possui material de escrita, mas Geocacher prevenido.... ;-)

 

 

 

Additional Hints (Decrypt)

Nb ngenirffne b pbeerqbe (aãb qn znafãb), noençnqb cryn irtrgnçãb fryintrz, byub n syberfgn cryn nepnqn r qrgraub-zr whagb á fbyrven, fboer b qrtenh, nqzvenaqb bf ybatbf qrtenhf dhr fr zr qrcnenz cryn seragr.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.