Skip to content

<

Corneanas da Vereda da Abitureira [Beijames]

A cache by J.Greg, Falopes, ZéSampa Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 05/08/2021
Difficulty:
2.5 out of 5
Terrain:
3.5 out of 5

Size: Size:   other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


"O vale do Beijames tem o nome do rio que o percorre – o Beijames, afluente do rio Zêzere, nasce na zona dos Poios Brancos, a 1431m e desagua no Zêzere a 525m tendo uma extensão de 15,8 km. É um vale magnífico, dos mais interessantes da Serra da Estrela, caracterizado na sua parte superior por uma zona planáltica acompanhada por vertentes suaves que se alongam entre os marcos geodésicos dos Poios Brancos e Curral do Vento.  Aqui, a maior altitude, ainda se pratica uma agricultura de montanha, assente no cultivo do centeio e na pastorícia  de transumância.

É dominada por matos, reduzidos campos cerealíferos e pequenos bosques. Na zona mais escarpada, na vertente exposta a Norte, existe uma das maiores reservas de azinheiras, (Quercus rotundifólia)  da Serra da Estrela. É neste ambiente, que, no leito do rio Beijames, se observam as rochas corneanas que o metamorfismo de contacto originou há 300 milhões de anos.

Na zona intermédia, o vale ganha uma morfologia muito apertada e escarpada, sinuosa e com grandes desníveis,  explanando até se cruzar com o vale intermédio do Zêzere. É aí que existem os campos agrícolas, moldados  pelas águas do rio ao longo de milénios fazendo dele o maior vale de aluvião da Serra da Estrela. É a área preferida das cabras que diariamente trepam as vertentes na busca  do alimento que caracteriza a carne de cabrito, muito apreciada pela gastronomia da região. Segue-se a zona de aluvião que os inertes, transportados pelas torrentes invernais, constituíram nos melhores solos ao longo  de milhares de anos. A actividade agrícola é, ainda, a base da sustentabilidade alimentar da população que, do seu labor e qualidades  ambientais, retira a vantagem de uma dieta saudável.​ As populações que habitam o vale são pessoas sãs, agradáveis, de trato fácil e hospitaleiras."

Fonte: Campismo Rural do Vale do Beijames

 

Cascalheiras do Vale do Beijames

"Este geossítio é caracterizado pela presença de cascalheiras que se desenvolveram pela ação da crioclastia. Este processo ocorre pela infiltração de água ao longo das fraturas das rochas e consequente congelamento em períodos mais frios. A passagem do estado líquido a sólido leva ao aumento do volume da água, provocando desta forma a fracturação da rocha. Tal como no caso do Souto do Concelho, estas cascalheiras desenvolvem-se em corneanas, rochas formadas pela ação do metamorfismo de contacto gerado pela intrusão dos batólitos graníticos sob os metassedimentos pré-existentes, fenómeno observável em alguns locais da serra da Estrela. A par do Alto da Pedrice e do Souto do Concelho, este geossítio constitui um dos melhores exemplos de cascalheiras periglaciárias de todo o território."

Fonte: Geopark Estrela

Learning/Aprendizagem:

As soon as the rocks were laid bare by the retreat of the glaciers they were subjected to the ever-present erosive action of rain, running water, falling snow, moving ice, frost, and chemical decay. The story of water erosion may begin on the highest peak. The freezing of a thin film of water under a boulder may wedge it out and tumble it over the edge of a cliff. Thus, bits and pieces of rocks are torn from the solid mountains and begin their long journey to the sea. Their first resting place may be in one of the long fan-shaped accumulations of angular blocks and pieces of rock which we can see on the sides of every steep mountain.

Assim que as rochas foram postas a descoberto pelo recuo das línguas glaciares, começaram logo a ser submetidas à constante ação erosiva da chuva, água, neve, gelo, frio e decomposição química. A história da erosão hídrica pode começar no pico mais alto. O congelamento de uma fina camada de água sob uma rocha pode quebrá-la e derrubá-la da face de um precipício. Assim, pedaços de rocha são arrancados das montanhas sólidas e começam a sua longa jornada para o mar. O seu primeiro local de descanso pode ser uma das longas acumulações em forma de leque de blocos angulares e pedaços de rocha que podemos ver nas encostas de todas as montanhas íngremes.

"Talus" is a term given to an accumulation of broken rock fragments at the base of crags, mountain cliffs, or valley shoulders. Landforms associated with these materials are sometimes called scree slopes or talus piles. These deposits typically have a concave upwards form, while the maximum inclination of such deposits corresponds to the angle of repose of the mean debris size.

"Talus" é o termo atribuído à acumulação de fragmentos de rochas quebradas na base de penhascos, falésias ou vales. As formas de relevo associadas a esses materiais, por vezes, são chamadas de depósitos de scree ou "talus piles". Esses depósitos têm tipicamente uma forma ascendente côncava, enquanto a inclinação máxima desses depósitos corresponde ao ângulo de repouso do tamanho médio dos detritos.

The formation of talus is often attributed to the expansion of frozen water in joints and irregularities of the cliff's rocky face. During the day, water may flow into these small cracks where at night it later freezes when the temperatures drop. Water may expand as much as nine percent when frozen, thus acting like a wedge on the surrounding rock. As the rocks sluff off they fall to form talus slopes below the cliff face.

formação de tálus é frequentemente atribuída à expansão da água congelada nas reentrâncias e irregularidades da face rochosa do penhasco. Durante o dia, a água pode fluir para essas pequenas fendas, onde posteriormente durante a noite congela quando as temperaturas caem. A água pode expandir até 9% quando congelada, agindo como uma cunha na rocha circundante. À medida que as rochas se desprendem, caem pela face do penhasco, formando depósitos de talus.
 

As a general rule of thumb, talus is usually made up of larger pieces of rock, typically where the mountain face is composed of harder granitic rock. Talus rock can be anywhere from coffee table-sized to the size of a house. A hiker would climb a talus field because the rocks are generally heavier, making them more settled in place and thus more stable to clamber over.

Em regra, "talus" consiste normalmente em pedaços maiores de rocha, tipicamente onde a encosta da montanha é composta de rocha granítica mais dura. "Talus" podem variar entre o tamanho entre uma mesa de café até ao tamanho de uma casa. Um caminhante escalaria/treparia um campo de "talus" porque as rochas são na generalidade mais pesadas, e mais fixas ao solo, tornando-as mais estáveis para serem escaladas/trepadas.

Scree, on the other hand, is usually comprised of much smaller fragments that occur where the rock face is more brittle and crumbles more easily. Think of scree as basketball-sized down to the size of a marble.

Por outro lado, "scree" é normalmente composto por fragmentos muito mais pequenos que ocorrem onde a encosta rochosa é mais frágil e se parte com maior facilidade. O tamanho de "scree" pode variar entre o tamanho de uma bola de basquetebol até ao tamanho de um berlinde.

Hikers often say, “If you can ski down it, it’s scree!” laugh

Os caminhantes costumam dizer: "Se consegues esquiar por aí abaixo, é "scree"! laugh


How to reach GZ coordinates:/ Como chegar às coordenadas do GZ:

Esta earthcache localiza-se nos contrafortes da Abitureira (do latim vulgar vulturaria, lugar frequentado por abutres). Quando em 2019, estive pela primeira vez neste "Vale Encantado da Estrela", sabia que haveria de voltar para explorar as veredas. Em maio 2021, com o ZéSampa e o Falopes, passámos um grande dia pela zona.

Cá de cima (1100m alt.), tem-se uma incrível vista para o vale selvagem do Beijames a montante;

e para o vale em aluvião do Beijames a jusante.

  • Uma das opções é subir a Vereda da Abitureira desde o vale do Beijames (700m alt.), via passagem do Bacalhau (910m alt.);
  • Outra opção, é descer a Vereda da Abitureira desde a Fraga Grande (1450m alt.);
  • Outra opção, para quem vier na Vereda do Aguilhão (com algumas vias ferratas básicas, úteis em dias de piso mais escorregadio), é chegar à placa do cruzamento de trilhos e fazer um pequeno desvio (foi o nosso caso na primeira passagem pelo local).

  • O GZ identifica-se junto a uma azinheira e uma mesa feita em rocha. É aí que deves fazer a fotografia solicitada, e responder às questões sobre as rochas em redor desse ponto específico, imediatamente abaixo na encosta.

►For those who may not be so familiar with this type of terrain, you may consult some recommendations on the subject. With rain or ice, extra caution on the field: / Para quem possa não estar tão familiarizado com este tipo de terreno, deverão consultar algumas recomendações sobre o assunto. Com chuva ou gelo, precaução extra no terreno:

How to Hike on Scree - A Sloped Field of Loose Rocks

Hiking on Dangerous Trails

How To Hike Over Scree

 

Tasks/Questions:

1. Take a photo in GZ with Beijames valley on the back without revealing any other answer with your GPSr, or a photo of you or with something that identifies you as geocacher (nickname written on paper), and upload it to your online log (To verify the log, it's necessary at least one photo for each online log.) / Tira uma fotografia no GZ com o vale do Beijames como fundo sem revelar nenhuma resposta) com o teu GPSr, ou uma foto tua, ou de algo que te identifique como geocacher (papel com o nickname, por exemplo) e carrega-a no teu registo online (Para o registo ser validado, é necessário pelo menos uma foto por cada registo online.)

 

2. What is the shape and approximate size of the rock at top of the table? / Qual a forma e o tamanho aproximado da rocha que constitui o tampo da mesa?

 

3. How is the predominant size of the rocks in lower hill imediatly close to GZ area? / Qual é o tamanho predominante das rochas imediatamente abaixo da zona do GZ?

a) 1 cm-3 cm

b) 3 cm-25 cm

c) 25 cm-50 cm

d) >50cm

 

4. “If you can ski down it, it’s scree!”. GZ area is mostly scree, talus or both? / “If you can ski down it, it’s scree!” A zona do GZ é predominantemente composta por "scree", "talus" ou ambos?

 

5. In your words, what do you think it is "frost wedging", and how is related to the rocks you found in this place? / Por palavras tuas, o que achas ser o processo de crioclastia, e como o relacionas com o tipo de rochas do local onde te encontras.

 

Please, send me answers by email or message center, and feel free to log and upload some other photos than the required.

Thank you! wink

Envia-me as respostas por email ou message center, e fica à vontade para registares e carregares mais algumas fotos além da requerida.

Obrigado! wink

J.Greg, Falopes, ZéSampa

Additional Hints (Decrypt)

Cubgb gnfx & Dhrfgvbaf.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.