Skip to content

7# Neolithic Heart Mystery Cache

Hidden : 07/08/2023
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Oliveira de Frades: um roteiro com montanha, rio e alegrias à mesa


Percursos pedestres que garantem imersão na natureza e uma cozinha de caráter vincado fazem deste roteiro uma festa para os sentidos. Em Oliveira de Frades, tudo canta, tudo conta histórias: as pedras, a floresta, a água corrente.


De Oliveira de Frades esperamos um quadro carregado de verdes e azuis, com as serras em volta, os rios, as florestas com árvores centenárias e líquenes a atestar a qualidade do ar. Assim é. E se a natureza nos dá colo, a cozinha também: faz-se uso dos fornos a lenha e dos saberes ancestrais para pôr na mesa pratos de conforto como frango do campo, cabrito, vitela ou rojões. Mas primeiro deliciamo-nos com o DÓLMEN DE ANTELAS, Monumento Nacional que é alimento para os olhos e para a imaginação. Por algum motivo se lê, numa placa informativa, que “está para a arte pré-histórica como o teto da Capela Sistina está para a arte renascentista italiana”.

O precioso dólmen, que pode ser visto quase na sua origem, encontra-se coberto e fechado, recebendo visitas ao interior por marcação, limitadas a duas pessoas (mais um guia). Entramos curvados, em sinal de respeito, avançamos pelo corredor até aos oito esteios (pedras) que compõem a câmara funerária, com um conjunto de motivos pintados por mão humana, e percebemos, enfim, a sua singularidade. “Estamos no monumento megalítico mais importante de Portugal, da Península Ibérica e da Europa, por causa das pinturas com 6000 anos, a vermelho e preto, que o tornam único”, explica Filipe Soares, técnico do município responsável pelo património arqueológico.

De volta à luz, seguimos até ao centro histórico para conhecer o MUSEU DAS TÉCNICAS RURAIS – MUSEU MUNICIPAL DE

OLIVEIRA DE FRADES. “O objetivo é preservar o passado e divulgá-lo junto das novas gerações e de quem nos visita”, prossegue Filipe Soares, coordenador do espaço, guiando-nos por entre as coleções de objetos arqueológicos e etnográficos. Uma das peças mais curiosas é um veado romano em bronze, ex-voto ou animal sagrado encontrado por alguém que arava a terra. A agricultura também surge representada por utensílios do dia a dia ligados ao cultivo dos campos, bem como à confeção de pão, vinho e azeite.

Entre as especialidades estão o famoso bacalhau à lagareiro com batata assada na cinza e a vitela à moda de Lafões, saída do forno a lenha, o cabrito assim como o pica no chão (arroz de cabidela), o cozido à portuguesa ou o feijão à lavrador. Para rematar com leite-creme, aletria ou pudim de ovos. 

Quedas de água, cabeços e árvores centenárias

Depois de tanta fartura, estamos prontos para caminhar: Oliveira de Frades tem vários percurosos pedestres, com diferentes cenários e níveis de dificuldade. Começamos pelo PR1 – ROTA DOS RIOS E LEVADAS, trajeto circular de 11 quilómetros, a iniciar em Santa Cruz, que envolve a ribeira da Lavandeira, o rio Gaia e a ribeira dos Tombos, com poços, quedas de água e muitos declives. Natália Rosa Silva, técnica de turismo do município, que conhece esses caminhos de cor, aponta vestígios de moinhos, levadas e socalcos usados, em tempos, para agricultura de subsistência, carreiros por onde dificilmente se imagina animais a passar. “Em qualquer bocadinho de terra havia uma leira para cultivo, tudo perto dos rios era aproveitado”, conta, dando nova luz aos lugares através de histórias, curiosidades e lendas.

Muito há a dizer, por exemplo, sobre o PR3 – ROTA DOS CABEÇOS, grandes pedras com nomes curiosos, como cabeço da Feiticeira, dos Namorados ou da Peste. Este percurso circular, com pouco mais de 17 quilómetros, leva-nos até à serra do Caramulo. Parte de Varzielas rumo ao Alto das Pinoucas, miradouro natural a 1062 metros de altitude, que é o ponto mais elevado do concelho. Depois, segue para outra aldeia nas alturas, Bezerreira. E acompanha, em parte, o rio Águeda, presenteando-nos com mais moinhos e cabeços, como os da Solheira (aqui, passa-se entre os rochedos).

Não vamos embora sem tomar o gosto, ainda, ao PR4 – ROTA DOS CAMINHOS COM ALMA, trajeto de cerca de dez quilómetros que começa e acaba na aldeia de Covelo. Pelo meio, encontra-se o Dólmen de Arca, Monumento Nacional, e, perto dele, o Carvalhedo da Gândara. Vale a pena apreciar esta que é apresentada como “a maior mancha nacional contínua de carvalho-alvarinho”, uma reserva botânica com perto de nove hectares, árvores centenárias e importância micológica – boas notícias para os entusiastas dos cogumelos selvagens.

 

O Carvalhedo da Gândara é ideal para piqueniques, mas quem quiser aprofundar a relação com a comida regional pode sempre ir a Covelo de Arca, uma das Aldeias de Portugal. 

Três baloiços e uma mota do amor

Oliveira de Frades tem a sua própria coleção de baloiços panorâmicos: a ROTA DOS BALOIÇOS DE RIBEIRADIO inclui o Baloiço do Rio, com vista para a albufeira da barragem de Ribeiradio, no Vouga; o Baloiço da Serra (do Ladário); e o Baloiço Terra e Mar, junto ao posto de vigia do Ladário. Nas imediações deste último fica a MOTA DO AMOR. O veículo, fixado no cimo de um rochedo, com um coração vermelho, é mais um pretexto para tirar fotografias e desfrutar da paisagem. 



PERCURSO PEDESTRE - Geo-caminhada «Caminhos…com História»

Percurso circular (partida e chegada no Parque Urbano de Oliveira de Frades), com cerca de 10 km, dificuldade média, não sinalizado, que passa por «Caminhos com História», vias de comunicação que deixaram marcas nas gentes e na paisagem que atravessam:

- Linha do Caminho de Ferro do Vale do Vouga, reabilitada com Ecopista do Vouga;

- Caminho de Santiago (caminho de peregrinação medieval, que assenta no percurso da milenar da estrada romana; cujo o traçado integra atualmente o Caminho de Santiago Caramulo Vale do Vouga);

- antigos caminhos rurais, entre muros de granito, rodeados por manchas florestais.

Ao longo da caminhada ainda serão visitadas capelas, fontes, alminhas, entre outros pontos de interesse «…com História».

 

O CAIXOTE:

  • A cache é pequena e inclui logbook.
  • Levem material de escrita.
  • Sejam cuidadosos, preservem a natureza e façam C.I.T.O. (cache in trash out) sempre que possível.
  • Esperamos que gostem do passeio e que deixem nos registos as vossas aventuras, em comentários e fotografias.


 

Podes validar a solução do puzzle com certitude

Additional Hints (Decrypt)

An onfr qb cbfgr

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)