Skip to content

<

Lusíadas [Lisboa]

A cache by almeidara (adopted by Prodrive) Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 11/03/2006
Difficulty:
3 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


 

Sabendo que deve haver por aí muitos geocachers que gostam de um bom mistério, aproveito este fórum para apelar a que me ajudem a decifrar uma mensagem. Há uns tempos encontrei, no meio de livros do meu avô, uma folha dactilografada contendo uma série de números. 

O meu avô era uma pessoa estranha. Não é que eu não gostasse dele, porque gostava muito. Mas era talvez…uma pessoa difícil. Ora estava muito bem disposto ou subitamente ficava macambúzio, a olhar para um ponto qualquer no infinito. Por vezes, quando o íamos visitar, ele abria a porta e não nos ligava, andando de um lado para o outro no seu roupão cor de vinho a resmungar. Mas apesar disso, sempre me tratou bem. A casa dele tinha montes de livros, pinturas, papéis velhos em pilhas que só se mantinham de pé porque estavam amarradas com cordel.

lusiadasTal como todos os avós, submetia-se aos meus lamentos e súplicas. Mas eu não lhe pedia brinquedos ou pastilhas nem nada disso. Pedia-lhe histórias. O meu avô era muito bom a contar histórias. E curiosamente, muitas vezes ele ia buscar uma velha cópia dos Lusíadas e lia-me algumas passagens. Por vezes com algumas óbvias modificações feitas por ele. Os poemas eram um mote que ele usava para desfiar uma história. E assim, enquanto a maior parte das crianças da minha idade estaria provavelmente a ouvir as antigas ladainhas, ou a ver histórias infantis ilustradas, eu ouvia a História de Portugal, as intrigas entre os deuses, as batalhas dos nossos reis, a chegada à Índia. O meu avô sempre me disse que nos Lusíadas estava tudo o que eu precisasse, mesmo depois dele morrer.

Ele morreu quando eu era ainda muito novo. Na altura não me quiseram explicar como. Passados uns anos, o meu pai revelou-me que tinha sido uma história feia, um assalto que tinha corrido mal. Os assaltantes deviam pensar que a casa estava vazia, mas o meu avô encontrava-se no escritório a ler à luz de uma vela. Surpreenderam-no, e ele aos assaltantes, com certeza. Por acidente, ou talvez empurrado, caiu e bateu com a cabeça na esquina da sua grande secretária. E já não se levantou. Nunca percebemos a intenção dos assaltantes. A casa ficou toda revirada do avesso, mas não tiraram nada.

E aqui há umas semanas, após anos sem pensar no meu avô, visitei a arrecadação onde os meus pais guardaram todos os seus papéis. Abri alguns caixotes e verifiquei com surpresa que muitas daquelas folhas amareladas despertavam recordações. Apesar de, naquela altura, eu não as conseguir ler. Mas certas ilustrações, certas capas de livro, tudo isso ajudava a memória a voltar. E foi então que de um desses livros caiu a folha com a série de números. Achei estranho estar dactilografada e não com a caligrafia do meu avô. Percebi que era um código. Mas porque iria o meu avô criar e esconder um código? A não ser que…O tesouro? A dúvida consome-me. Provavelmente será o tesouro! E eu que nunca tinha percebido a insistência do meu avô nessa velha história.

Tenho a certeza que esta mensagem indica o local onde ele escondeu um certo tesouro, sobre o qual falava comigo. Nunca soube o que era realmente...


10,33,4,2,1//5,8,8,5,4/9,7,1,1,5/7,5,6,5,3/3,89,3,1,4/7,40,2,2,3/1,90,1,6,10//
3,117,6,1,1//6,51,5,2,2/2,34,7,6,6/9,13,1,1,4/3,20,8,3,6//8,55,2,2,1//
7,12,4,7,4/3,112,7,4,2/8,45,3,4,2/2,82,8,5,6/1,29,4,3,2/7,17,1,3,2/5,5,7,3,3/
10,80,2,5,9//3,128,5,2,2//6,4,1,1,3/8,33,4,3,7/9,87,3,4,2/7,43,8,6,4//
1,69,4,5,1//4,100,2,6,2/8,24,3,5,6/2,77,4,4,1/5,40,6,2,4/6,84,6,5,11/
1,57,3,4,1/8,96,5,1,4//3,96,2,4,1//10,60,8,1,2/5,88,1,2,6//6,60,7,1,1//
3,89,3,1,4/6,51,5,2,2/8,8,2,2,2/1,29,4,3,2//3,40,1,4,3//6,4,1,1,3/5,40,6,2,4/
4,67,6,6,3//2,113,1,4,4//7,17,1,3,2/8,33,4,3,7/6,20,7,2,1/1,29,4,3,2/
10,144,2,1,1/3,128,5,2,2/6,84,6,5,11/2,77,4,4,1/3,20,8,3,6/4,103,4,2,6//
6,48,3,5,4//3,8,3,5,1/3,117,6,1,1/9,54,1,1,1/5,40,6,2,4/8,49,8,7,1/1,57,3,4,1/
1,90,1,6,10//1,1,1,3,1//7,40,2,2,3/9,7,1,1,5/1,29,4,3,2/7,43,8,6,4//


 

Cronologia da Capela de Santo Amaro:

1549 - Construção da actual ermida pelos frades da Ordem de Cristo sobre uma outra mais pequena; 
1551 - Segundo Cristóvão Roiz de Oliveira, tinha por esta altura uma grande Romagem, tendo confraria e valendo 400 cruzados de esmolas; 
c.1670 / 1680 - decoração azulejar do nártex, fechando-se 2 vãos da arcada com altares; 
séc. 17 (finais) / séc. 18 (4º quartel) - feitura e colocação dos altares de talha; 
1836 - extinção da confraria;
1910 - foi despojada de muitos valores e deixada ao abandono, sendo o vestíbulo aproveitado para depósito de carvão; 
1928 - Reinício do culto.

A inexistência de documentos tornou lendária a construção desta capela. Há duas versões: 

1: 14 Frades Ordem de Cristo fizeram uma peregrinação a São João de Latrão e no seu regresso a Portugal, em 1532, resolveram entregar-se ao misticismo instituindo uma confraria em honra de Santo Amaro. A caravela que conduzia os frades chegou ao Tejo a 15 de Janeiro e ancorou próximo a um rochedo que havia no local, erguendo, de seguida, um senóbio. Depois pediram licença a D. João III para construirem uma ermida no terreno dado por João Gomes Meireles e sua mulher Brites Dias.
2: Uns mareantes galegos salvando-se milagrosamente de naufrágio, prometem a Santo Amaro a construção de uma capela logo que ancorassem em sítio seguro. Ancoraram nas margens do Tejo e construiram uma capela num lugar altaneiro ao seu ancoradouro. A porta de acesso à capela tem a seguinte inscrição: "Começou-se a edificar esta Hermida de S. Amaro douze dias / de Fro do ano D. 1594 e Avia sete anos que hera / aqui edificada a que aguora  serve de samcristia": Desconhece-se se a 1ª ermida de Santo Amaro, foi aqui erguida em 1542. De 15 de Janeiro a 2 de Fevereiro fazia-se a grande romaria a Santo Amaro, conhecida  como "Romaria dos pinhões" ou "Romaria das promessas". Deixou de se realizar em cerca de 1930.

 


Additional Hints (No hints available.)