Skip to Content

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.

Traditional Geocache

A View To The North [Minde]

A cache by Bargão_Henriques & MAntunes Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 4/1/2007
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
2.5 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


As linhas mestras desta cache começaram a ser delineadas há muito, na madrugada de 14 em Agosto de 2004, quando eu, o MAntunes, o MCA e o clcortez nos dirigíamos para uma bela expedição à Fenda da Calcedónia, no Gerês.

Quando os primeiros raios de sol começavam timidamente a despontar, aproximámo-nos do Parque Natural da Serra de Aire e Candeeiros. Nesse local, pouco depois do cruzamento da A1 com a A23, ocorre um importante acidente geológico que não pude deixar de descrever aos meus colegas, despertando desde logo a sua curiosidade, principalmente a do MAntunes.

Naquela zona, depois de termos atravessado toda a planície da Bacia Terciária do Tejo, começamos a subir a Serra de Aire e os seus afloramentos carbonatados de idade jurássica que, em conjunto com os da Serra dos Candeeiros e zonas envolventes, constituem o Maciço Calcário Estremenho (MCE).

Mas como é que estas formações geológicas, tão mais antigas que os sedimentos da Bacia do Tejo, se encontram a uma cota tão mais elevada? Ora aqui é que reside o interesse!

Acontece que, nesta zona, o MCE se sobrepõe aos sedimentos da Bacia do Tejo através de um importante conjunto de falhas de movimentação cavalgante. Uma desta falhas é bem visível na barreira da auto-estrada, pouco depois do início da subida, apesar de ter sido revestida a pedra e consolidada, para evitar desprendimentos. Esta curiosidade geológica agradou desde logo em especial ao meu colega mais interessado que, desde esse momento, me começou a incentivar para fazer uma cache nesse local, eventualmente chamada A View para qualquer lado…

Poucos quilómetros acima chegámos a outra curiosidade geológica, o Polje de Minde, alagado pelo “Mar de Mira-Minde”, uma vasta "lagoa" que se cria no polje de Minde quando chove abundantemente.

Os poljes ocorrem em zonas de geologia calcária carsificada, em que a erosão continuada fez estragos consideráveis no substrato rochoso, criando densas redes de galerias subterrâneas, entre grutas e algares, por onde se dá a circulação da água. Um polje comporta-se mais ou menos como um enorme “alguidar” cheio de água, em que o escoamento se faz por pequenos buracos no fundo (algares).

Neste caso concreto, as águas acumuladas no polje de Minde são drenadas para a periferia do Maciço Calcário Estremenho pelas nascentes dos rios Lena, Alviela e Almonda, entre outras. Quando o entrada de água no sistema é superior ao caudal permitido pelas nascentes, a água eleva-se dentro da rede e inunda esta área deprimida que é o polje, através de 2 ou 3 algares existentes na sua base, formando este mar temporário. Uns tempos depois, com a diminuição da precipitação e a continuação da drenagem, este "mar" acaba por se esvaziar.

Com cerca de 2,5 quilómetros de cumprimento e mais de 800 metros de largura, o mar de Mira-Minde pode proporcionar muitas horas de gozo aos praticantes de desportos aquáticos. Com uma profundidade máxima que chega a ser superior aos 15 metros na zona central, reúne óptimas condições para o mergulho com botija. No verão o “falso lago” desaparece, ficando reduzido a uns pequenos charcos de água barrenta. O mesmo local onde de Inverno se faz canoagem, transforma-se então numa pista de aterragem de parapente ou em percursos de BTT.

 

 

Referencias / References:

http://minde.eu/natura/home.html


A cache:

E pronto, eis que volvidos quase 3 anos finalmente cedi às insistências do "chato" e aceitei colocar esta cache com ele, preparando eu o tema e o texto e tratando ele da cache.

E aqui está ela, num local com excelentes vistas sobre a Serra de Aire, a Bacia do Tejo e, em especial para Norte, sobre o Polje de Minde. Se a visitarem após grandes chuvadas, certamente encontrarão o “Mar de Mira-Minde” em todo o seu esplendor!

Conteúdo inicial:
. stashnote
. caneta
. logbook
. documentação sobre o Polje de Minde (como tema adicional)
. boneco da imaginarium (leão da montanha)
. carrito (tipo hotwheels)
. magneto para porta frigorífico com gravura da Torre de Belém
. lanterna de accionar à mão (não precisa de pilhas)

Aproximação à cache:

Indicam-se duas possíveis aproximações ao local da cache; uma mais soft e outra mais dura:

Aproximação soft/turística:
Estacione no local indicado para estacionamento na estrada que atravessa a Serra pelo alto e dirija-se à cache. São apenas algumas centenas de metros por terreno não muito difícil.

Aproximação dura/aventureira:
Estacione no local indicado para estacionamento na estrada no fundo da Serra, a Sul, entre as povoações "Moitas Venda" e "Serra de Sto. António" e caminhe em direcção à pedreira ali perto. Passe do lado esquerdo do portão, caminhe pela estrada de terra batida até à pedreira e avance pela orla esquerda da mesma. A partir daqui, tente seguir os waypoints aproximados e numerados até "10" e depois a cache. Eles levá-lo-ão até ao cimo da Serra e depois por um percurso ao longo da crista da mesma, sempre com visibilidade para Norte. No regresso, use os mesmos waypoints em sentido inverso. Não use os waypoints 11 a 20 - teria que atravessar uma floresta ardida e ficaria um pouco enfarruscado na roupa, nas mãos e na disposição, tal como ficou quem a colocou.
Para o percurso sugerido, ida e volta, calcule um total de 6 kms e cerca de 3h. Não existem trilhos, apesar de aparecerem na carta M888 - 319, mas eles estão cobertos com mato. Por isso, é mesmo saltar de pedrinha em pedrinha tentando não pisar a ervinha. Considere, ainda, mais um ponto na dificuldade do terreno. No final, terá uma dor de pernas mas também a satisfação de ter percorrido um percurso difícil mas muito interessante em termos de paisagem e uma nova coleccção de excelentes fotografias.

Percurso no google earth (use apenas os WPs aproximados de 1 a 10 e de 10 a 1)


Later


Quer saber mais sobre o Geocaching em Portugal?
Adere ao grupo de discussão e visita os sites Geocaching@PT,
GeoPorStats
e os mapas com a localização das caches portuguesas

Would you like to know more about Geocaching in Portugal?
Join the discussion group and visit Geocaching@PT,
GeoPorStats and the maps with the location of the portuguese caches

Additional Hints (Decrypt)

Qb ybpny baqr rfgá n pnpur aãb fr iê b Fhy

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

161 Logged Visits

Found it 144     Didn't find it 5     Write note 10     Publish Listing 1     Owner Maintenance 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 132 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated: on 4/1/2018 10:02:56 AM Pacific Daylight Time (5:02 PM GMT)
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page