Skip to Content

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.

Traditional Geocache

Ermida de São Domingos

A cache by Saltacachinhas Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 4/14/2007
Difficulty:
1 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


LOCALIZAÇÃO: Monte Fontelo, Queimada, Armamar.

 
 

LENDA ANTIGA DE S. DOMINGOS DE QUEIMADA
Quando por aqui passaram as hostes romanas de Trajano que acamparam no Castro de S. Domingos, um chefe militar ou lugar-tenente raptou, à passagem por Queimada, uma linda rapariga por quem se apaixonou. Procurou convencê-la a segui-lo para o acampamento. Renitente, acabou por ir à força.
A moça tinha sete irmãos que tentaram, em vão, defender a honra da rapariga. Presos, foram degolados. Um deles, segundo a lenda, terá sido o primitivo S. Domingos em honra do qual foi erguida a ermida, no alto do monte do mesmo nome que na altura pertencia ao termo de Queimada, e de onde se avistam os restantes seis irmãos, todos santos e cada um com a sua ermida, aquém e além Douro, como é o caso de S. Leonardo de Galafura.

Domingos de Gusmão (São) – Fundador dos Frades Pregadores ou Dominicanos, castelhano de nascimento (Caleruega, c. 1170 - Bolonha, Itália, 6.8.1221). Recebeu esmerada educação familiar. Foram beatificados: sua mãe, Joana de Aza, e um irmão, Manés. Sacerdote, cónego e subprior do Cabido de Osma, é escolhido para a comitiva do bispo Diogo, enviado pelo rei à Dinamarca. Observa, impressionado, os efeitos da heresia - no Sul da França. De regresso pela segunda vez e via Roma, detém-se com o seu bispo em Montpellier. Nestas paragens até Toulouse, durante larga dezena de anos, e inserindo-se na actividade missionária promovida pelo Papa e pelos bispos, dedica-se à «santa pregação», «com tanto ardor que queria anunciar a Palavra de Deus dia e noite, nas igrejas e pelas casas, nos campos e pelos caminhos, por toda a parte, não querendo falar senão de Deus. Fundou a Ordem das Monjas Dominicanas (1207), em Prouille, e dos Dominicanos (1215), em Toulouse, como pregadores diocesanos. O bispo Fulques, indo ao IV Concílio de Latrão (1215), tomou Domingos por companheiro, com o propósito de aí pedir a aprovação pontifícia. Inocêncio III recebeu com agrado a fundacão, apenas mandou escolher uma Regra. Domingos regressa a Toulouse e escolhe a Regra de Sto. Agostinho. O sucessor de Inocêncio III. Honório III. concede a aprovação dos Frades Pregadores pela bula ReIigiosam vitam (22.12.1216). Foi prodigiosa a sua actividade nos últimos cinco anos de vida. Indo a Roma, visitando os frades em Espanha, Provença, Paris, Bolonha, convocando e presidindo aos dois primeiros Capítulos Gerais em Bolonha (1220 e 1221). Uma tradição, lembrada por muitos Papas, dá-o como instituidor do Rosário. Morreu ao regressar da pregação na Missão do Norte de Itália. Doze anos depois foi canonizado e seu culto espalhou-se largamente. «Varão evangélico» e «homem apostólico» são os títulos que melhor o definem.

 

NARRA ASSIM A HISTORIA DE PORTUGAL SOBRE A VIDA DE SANTA JOANA PRINCESA.

COMO PODEM LER JA SE FALAVA DE QUEIMADA NOS ANOS 1400.

O Rei D. Afonso V e sua mulher D. Isabel andavam desolados porque os anos iam passando sem conseguirem ter um filho para lhes suceder no trono de Portugal.
Tendo tomado conhecimento que no cimo do Monte Fontelo, em Queimada, Armamar, havia uma capela dedicada a S. Domingos de Gusmão, centro de grande devoção popular, resolveram ir lá em peregrinação pedir a graça que desejavam. Foram ouvidos, pois em 16 de Fevereiro de 1452 nascia uma linda menina a quem puseram o nome de Joana. Aos oito dias foi solenemente baptizada com grande regozijo, e no paço real lhe foi religiosamente jurada fidelidade por todos os vassalos da pequenina herdeira ao trono de Portugal.
Daí a três anos, nascia um filho varão, o futuro D. João II, e Joana perdia assim o direito ao trono, a favor do seu irmão por ser filho varão.
Pouco tempo depois morre em Évora a rainha, e o rei D. Afonso procurou entre as damas da corte uma a quem pudesse entregar confiadamente os seus filhos para serem educados nas mais profundas virtudes humanas e cristãs.
Caiu a escolha em D. Beatriz, filha de D. Pedro de Meneses, senhora exemplar que formou estas duas crianças no temor de Deus e na atenção aos necessitados. Joana sentia-se chamada a uma grande intimidade com Deus, e, por amor dele, por baixo dos seus trajes reais usava cilício para se mortificar e durante a noite passava horas a meditar na Paixão e Morte do Senhor; de tal modo era a sua devoção à Paixão de Cristo, que, quando o rei, seu pai, lhe pergunta qual o brasão que desejava introduzir no seu escudo, ela respondeu: «A Santa Coroa de Espinhos de Nosso Senhor Jesus Cristo»; e assim se fez, respeitando-se a sua vontade.
Na Quinta-Feira Santa o seu escudeiro e confidente introduzia secretamente no palácio doze mulheres a quem Joana lavava e beijava os pés, imitando o que o Senhor fez aos seus Apóstolos, e entregava-lhes avultados donativos.
Seu irmão D. João, depois de várias tentativas falhadas de lhe arranjar casamento, porque entretanto os pretendentes morriam, reconheceu a santidade da sua irmã e não voltou a importuná-la. Assim ela pôde dedicar-se inteiramente ao seu único Senhor a quem tinha entregue, há muito, todo o seu coração, dando às outras religiosas um exemplo de vida humilde e santa. Aquela que tinha sido concebida por intercessão de S. Domingos de Gusmão, aos seus filhos havia de pertencer até ao fim da sua vida, tornando-se uma das suas glórias de santidade.
Faleceu santamente aos 38 anos de idade no seu Mosteiro de Aveiro, em 1490, depois de uma vida humilde e penitente, como fica dito, pela conversão dos pecadores e resgate dos cristãos cativos dos mouros em África. O papa Inocêncio XII confirmou o seu culto imemorial em 31 de Dezembro de 1692.

A vista do local é magnifica.

Recomendo que deixem o carro no parque de estacionamento e subam até a Ermida a pé, percorrendo o lindo parque arborizado. O Local é propício para as crianças e para uma tarde de sol bem passada.

     

 

Conteúdo inicial da cache:

  • Dois postais

  • Um boneco "horroroso gritante"

  • Carro speedy

  • Rodízio

  • Bloco de notas para os logs

  • Esferográfica

 

Additional Hints (Decrypt)

É qrznfvnqb sápvy cnen qne znvf nwhqnf.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

269 Logged Visits

Found it 255     Didn't find it 11     Write note 2     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 83 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated: on 6/19/2018 1:50:17 PM Pacific Daylight Time (8:50 PM GMT)
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page