Skip to Content

This cache has been archived.

MakoShark2: A cache encontrava-se no exterior da gruta e não está efectivamente lá como pudemos verificar por nós próprios.

Como estamos há vários anos fora de actividade o mais correcto é arquivar a cache para dar oportunidade a outros no activos que queiram lá colocar outra neste sítio com relevante interesse.

A todos que lá foram durante estes 5 anos, o nosso agradecimento.

MakoShark2 Team.

More
<

Gruta do Porto Covo [Alcabideche]

A cache by MakoShark2 Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 04/22/2007
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Gruta do Porto Covo, Alcabideche, Cascais, Lisboa.

In english please (automatic translation)...

Situada na freguesia de Alcabideche - a maior do concelho de Cascais - o sítio de Porto Covo (localizado a norte da Quinta do Pisão e a caminho da Malveira da Serra) é desconhecido da maioria dos cascalenses.

Embora o lugar seja percorrido pela ribeira que assume a designação "das Vinhas" na sua chegada à capital do concelho, não é conhecido naquele lugar qualquer existência de algum porto fluvial. Analisando o topónimo, podemos obter a palavra "Porto" ou "Passagem" do termo latim Portus e da mesma forma, "Covo" ou "Côncavo" que deriva de Covus. Ou seja, "passagem côncava" ou também "vale", sendo este último perfeitamente adequado às características geográficas do lugar.

Não fosse a beleza deste vale por si só merecedora de uma visita este, encerra ainda algumas jóias de valor inestimável que as sucessivas gestões autárquicas não souberam ou não quiseram preservar e revelar.



 

Gruta de Porto Covo

É de época similar às outras grutas da região (Alapraia, São Pedro do Estoril e Poço Velho). Há cerca de quatro mil anos o homem primitivo terá escolhido para sua necrópole esta cavidade natural rochosa situada no lugar de Porto Covo.

Em 1879, o proeminente geólogo Carlos Ribeiro terá pela primeira vez escavado e explorado (segundo os métodos científico da época) a gruta, dita de Porto Covo. Todo o espólio então encontrado foi levado para o Museu dos Serviços, hoje Instituto Geológico e Mineiro.

Dos vestígios e artefactos recuperados destacam-se:

  • Uma taça de pé em cerâmica de características peculiares. Esta peça com 28.5cm de diâmetro e 16.2cm de altura, poderá ter sido colocada junto a um defunto (onde foi encontrada) por crença a que o néctar por ela contido, não faltasse na viagem da eternidade.
  • Ossos de diversos animais (crânios, maxilares, vértebras, dentes, metatarsos, úmeros, cúbitos, fémures e tíbias).
  • Restos de moluscos marinhos de onde se extraíam a púrpura - purpura haemastoma e purpura lapillus - utilizada em tinturaria.

Este último achado poderá confirmar a tese de alguns estudiosos que, afirmam que antes dos Fenícios, já noutros lugares se preparava a púrpura, provavelmente por influência prévia de outros, como os Cretenses que desejando ouro e cobre a teriam negociado por estas paragens.

No final dos anos sessenta a gruta ainda preservava a sua estrutura e tinha-se então providenciado a construção de uns degraus de acesso e também de uma porta afim de impedir que os velhotes da "Mitra" (dada a proximidade do Albergue da Mendicidade de Lisboa, vulgo Albergue do Pisão) por lá se abrigassem e se viessem por ali a perder. Diz, a quem foi concedido o privilégio de uma visita que, o seu interior seria composto por, uma sala ampla repleta de estalactites e estalagmites, para além de estreitos corredores que não permitiam a passagem de ninguém e provavelmente não levavam a lugar algum.

À mercê do abandono a que sempre esteve votada, este achado histórico e geológico nunca chegou a receber o seu devido valor, não obtendo sequer a classificação de monumento com interesse público. Hoje em dia, fruto da falta de zelo e dos arrasadores rebentamentos de uma pedreira que ali ficava anexa, pouco mais do que entrada e alguns metros do seu interior podem ser apreciados.

Ermida de Nossa Senhora do Porto Covo

Localizada no extremo norte da Quinta do Pisão, a Ermida de Nossa Senhora da Conceição do Porto Covo terá sido edificada a mando de Luís Mendes e sua esposa Izidora P. em 1760, no estilo mais puro de obra reconstrutiva do património religioso cascalense pós terramoto de 1755. É ainda visível numa laje sobre a entrada, a inscrição evocativa que terá perpetuado a memória do seus patronos através das enumeras cerimónias religiosas que por lá se realizaram. A designação de "Ermida" provem do terreno ermo no vale onde esta está inserida, facto que terá condicionado a construção a alguns preparos como um muro de contenção de terras que protege e rodeia a estrutura.

No centro da pequena Ermida foram sepultados os corpos dos seus fundadores, selados por uma lápide com curiosos motivos decorativos - nomeadamente, diversos signos iconográficos pré-clássicos, alguns influenciados pela ideologia egípcia, como a flor de lótus e roseta. Destaca-se no seu interior, a abóbada de berço da cobertura (ainda visível) onde nela se podem apreciar alguns restos de frescos que contrastam com as cores azul e branco do que resta da azulejaria do altar.
Ainda de referi que dada a sua natureza sepulcral é curiosa a escolha da padroeira, uma vez que por Bula Papal fora fixado em 1854, o dogma da Imaculada Conceição que associa aos espaços religiosos a ideia de nascimento e pureza.

 Votado ao abandono, vandalismo e deterioração (como todos os outros monumentos circundantes), pouco resta da bela Ermida de Nossa Senhora da Conceição de Porto Covo. O edifício ainda resiste heroicamente à vegetação e intempérie, no entanto o desrespeito (vandalismo, profanação e pilhagem) de gente mal intencionada deixa marcas bem visíveis e mais profundas, adivinhando-se o desfecho a que a capela será condenada.

 

Forno de Cal e Azenha do Porto Covo

Finalmente a Norte da Gruta, destacam-se as ruínas do edifício de uma proeminente Azenha que, terá outrora aproveitado a forte corrente da ribeira do concelho para a sua moagem. Actualmente ainda permanecem os imponentes pilares que ostentavam a cobertura e parte dos edifícios anexos.

Quase anexo à Gruta, ainda se vislumbram em razoável estado de conservação a edificação de um forno de Cal que servira à pedreira a Norte deste último. Pedreira esta que foi responsável pelo desabamento do tecto da Gruta de Porto Covo.



 

A cache encontra-se nas imediações da Gruta do Porto Covo aqui apresentada. Ao chegar à entrada da Gruta, o ponto zero é bastante óbvio. Convém no entanto referir que dado o sinal deficiente (por contingência geográfica do lugar) as coordenadas foram obtidas por mean average de quatro satélites em uso de dez em vista. Trata-se de um container pequeno que poderá albergar facilmente uma GeoCoin e a maioria dos Travel Bugs.

O conteúdo inicial:

  • Stashnote.
  • Logbook.
  • Lápis e afia.
  • Jeep Rally (OUT de GC1050A)
  • Pedra lapidada brilhante (OUT de GC10ZFP)
  • Pedra polida brilhante (OUT de GCRB6G)


Boas Caches!

free counters
 

Actualizações

  • 14/09/2007 - Associação de região (distrito), inserção de tradução automática e do log de actualizações.
  • 10/04/2009 - Acréscimo do contador de visitantes.
  • 30/08/2009 - Acréscimo do waypoint do Forno de Cal e actualização das fotos da Gruta e da Ermida.

 

Additional Hints (Decrypt)

Rfgá qrageb, znf aãb yá qrageb!

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

553 Logged Visits

Found it 504     Didn't find it 32     Write note 12     Archive 1     Temporarily Disable Listing 1     Enable Listing 1     Publish Listing 1     Owner Maintenance 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 124 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.