Skip to Content

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.

Mystery Cache

Oporto Botanical Garden

A cache by kidloco Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 5/19/2007
Difficulty:
3.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


A Cache não está nas coordenadas indicadas

The Cache isn't at the given coordinates

 

[PT] O Jardim Botânico do Porto foi em tempos a casa dos avós de Sophia de Mello Breyner Andresen e do seu primo Ruben A.

Na minha meninice lembro-me de me deliciar a ler os contos da Sophia e passear por estes belos jardins na companhia dos meus familiares.

Foram estes jardins que inspiraram alguns dos contos de Sophia bem como aparecem citados na autobiografia do seu não menos famoso primo Ruben A.

Era uma vez uma quinta toda cercada de muros

Tinha arvoredos maravilhosos e antigos, lagos, fontes, jardins, pomares, bosques, campos e um grande parque seguido de um pinhal que avançava quase até ao mar.

A quinta ficava nos arredores de uma cidade, o seu pesado portão era de ferro forjado pintado de verde. Quem entrava via logo uma grande casa rodeada de tílias altíssimas cujas folhas, dum lado verdes e do outro lado quase brancas, palpitavam na brisa...

Sophia A Floresta (1968)

Era uma vez um jardim maravilhoso, cheio de grandes tílias, bétulas, carvalhos, magnólias e plátanos.

Havia nele roseirais, jardins de buxo e pomares. E ruas muito compridas, com muros de camélias talhadas e cobertas com a sombra das árvores.

E havia nele uma estufa cheia de avencas onde cresciam plantas extraordinárias que tinham atadas ao pé uma placa de metal onde o seu nome estava escrito em latim...

...num lugar sombrio, solitário e verde, havia um pequeno jardim rodeado de árvores altíssimas que o cobriam com os seus ramos. No meio desse jardim havia um lago redondo sempre cheio de folhas. No centro do lago havia uma ilha muito pequena feita de pedregulhos e onde cresciam fetos. E no centro da ilha estava uma estátua que era um rapaz de bronze.

E durante o dia O Rapaz de Bronze não se podia mexer e tinha que estar muito quieto, sempre na mesma posição, porque era uma estátua. Mas durante as noites ele falava, mexia, caminhava, dançava, e era ele que mandava nos jardins, no parque, no pinhal, nos pomares e no campo. E todas as árvores e todos os animais e todas as plantas lhe obedeciam porque ele era o senhor do jardim e o rei da noite.

Sophia O Rapaz de Bronze (1965)

Depois do lunch saltava para a bicicleta e ala pela Quinta fora. Não conheci, do Mondego para cima, jardins mais impressionantes do que os da Quinta do Campo Alegre, tão bonitos e imponentes que são hoje património da cidade com o nome genuíno de Jardim Botânico... Desfilava junto às curvas dos rododendros, rododendros vermelhos, amarelos e roxos, rododendros de mil cores... ...Fazia esquadrias tangentes às cameleiras que em três imensos rectângulos formavam nos dentros jardins de rosas, begónias de mil cores, azáleas e tantas outras flores...

Voltava à frente da casa, junto das tílias e da adormecida araucária excelsa que na nossa gíria era conhecida pela árvore dos macacos, perto também da arvore do papel!

Ruben A. O Mundo à Minha Procura (1966)

[EN] The Oporto Botanical Garden used to be the grandparents house of the famous portuguese short story writer Sophia de Mello Breyner Andresen and of her cousin Ruben A., also a famous novel writer.

I remember that in my childhood i adored to read Sophia short stories and stroll around this gardens with my family.

It was this gardens that inspired some Sophia short stories, namely "The Bronze Boy" and "The Forest". They are also cited in Ruben A. autobiography "The World Searching For Me".

[PT] O Jardim Botânico pode ser dividido em 10 zonas principais, que passamos a descrever.

Bosquetes de Entrada

A entrada do Jardim Botânico encontra-se ladeada por dois bosquetes que se desenvolvem em torno de dois canteiros centrais onde crescem duas araucárias centenárias. Nestes bosquetes estão plantadas árvores e arbustos diversos sendo o revestimento do solo feito por planta herbácea de sombra chamada Ophiopogon japonicum.

No canteiro central da entrada encontra-se um busto do Professor Gonçalo Sampaio, um distinto botânico e professor da Universidade do Porto. O busto é da autoria de outra figura eminente da Universidade do Porto, o Professor Abel Salazar. Na entrada temos ainda o busto do escritor Ruben A. da autoria de Barata Feyo.

Nos bosquetes existem exemplares notáveis de tília-prateada (Tilia tomentosa), araucária-guarda-sol (Araucária angustifolia) e eugenia (Eugenia-mithii).

Jardim dos Anões

O nome deste jardim está associado ao conto de Sophia intitulado "A Floresta", uma história de anões numa floresta criada a partir de um lugar de brincar das crianças da casa.

Aqui existiram até à poucos anos alguns exemplares notáveis de faias e também um imenso carvalho. O seu desaparecimento devido à sua idade avançada e estado sanitário proporcionou nesta fase de reabilitação de infra-estruturas iniciar a criação de um espaço literário a partir da obra da escritora.

Entre as espécies notáveis aqui existentes destaca-se uma butiá e alguns exemplares de grande porte de cedro-do-Libano.

... Era um lugar muito solitário onde nunca passava ninguém. Mesmo o jardineiro era raro ali ir pois naquele lugar tudo crescia selvagem e não havia canteiros nem flores.

O chão estava todo coberto de musgos e das latas copas das árvores descia uma sombra trémula atravessada aqui e além por raios doirados de sol.

Isabel estendeu-se ao comprido no chão junto de um carvalho e começou a ler. ... o olhar de Isabel pousou no tronco do carvalho. Era escuro, enorme e rugoso e seriam precisos três homens para o abraçar. As raízes saindo um pouco da terra formavam arcos e cavidades que lembravam pequenas cavernas.

- Um bom sítio para morarem anões - Pensou Isabel...

Sophia A Floresta (1968)

Jardim do Liquidambar

Este jardim localizado do lado poente da casa, recebe esta designação devido ao notável liquidambar aqui existente. É um espaço onde se encontram diversas azáleas e redodendros e é também um espaço de referência do conto de Sophia "O Rapaz de Bronze".

Jardim do Rapaz de Bronze

O nome deste jardim está associado ao conto de Sophia de Mello Breyner Andresen intitulado "O Rapaz de Bronze". A estátua da senhora existente no centro do lago está na origem do rapaz de bronze, figura central e ficcionada nesta história de flores. É um jardim de finais do séc. XIX embora tenha sofrido alguma remodelação na década de 50.

A vegetação arbustiva encontra-se bastante envelhecida e entre as suas espécies arbóreas notáveis destaca-se o loureiro-da-montanha, uma tamareira-das-Canárias e um exemplar muito antigo de feto-arbóreo-da-Tasmânia.

Jardim dos "Jotas"

Este jardim recebe esta designação devido à inscrição quatro vezes repetida de um par de letras "J", as iniciais de João Henrique e Joana Andresen, os proprietários da Quinta do Campo Alegre e os avós dos escritores Sophia de Mello Breyner Andresen e Ruben A.

Sempre foi um espaço de eleição para as plantas bulbosas. O banco de azulejo coberto por uma pérgula de glicínia é várias vezes referido na obra literária de Sophia.

Ora num dos jardins de buxo havia um canteiro com gladíolos.

Os gladíolos são flores muito mundanas. E aqueles gladíolos achavam que o lugar mais chique do jardim era esse jardim de buxo onde eles moravam.

Os jardins civilizados - diziam eles - são sempre jardins de buxo.

Perto dos gladíolos estava um caramanchão com glicínias e bancos de azulejos.

Nos jardins antigos - diziam os gladíolos - há sempre azulejos.

Os buxos, quando ouviam isto, sorriam e murmuravam com voz de buxo, que é uma voz pequenina, húmida e verde.

- Nos jardins antigos havia buxo e azulejos mas não havia gladíolos...

Sophia O Rapaz de Bronze (1965)

Jardim do Roseiral

Este jardim desenvolve-se na parte imediatamente a sul da casa, envolvido por sebes de camélias e o seu traçado provém do tempo da Quinta do Campo Alegre. No fundo do roseiral encontra-se o busto do Professor Américo Pires de Lima, professor da Universidade do Porto e grande impulsionador da instalação do Jardim Botânico na Quinta do Campo Alegre.

Jardim do Peixe

Este jardim foi projectado por Franz Koepp nos anos 50-60 para colecções de plantas anuais. Recebeu esta designação devido à forma conferida ao seu canteiro central. Nos tempos da Quinta do Campo Alegre, este espaço rodeado por sebes altas de camélias era conhecido como a espargueira.

Jardim do Xisto

Este jardim foi projectado por Franz Koepp nos anos 50 e recebeu esta designação devido à utilização de xisto na sua construção. Nos tempos da Quinta do Campo Alegre este era o local do campo de ténis.

Trata-se de um jardim concebido para as plantas aquáticas, encontrando-se nos lagos plantas características de ambientes lacustres entre as quais os nenúfares, o papiro e o trevo-de-quatro-folhas.

Entre as espécies notáveis aqui existentes destacam-se os medronheiros, o nosso e o medronheiro-do-Texas, o tulipeiro e uma estrelícia-gigante.

Jardim das Suculentas

Este jardim foi instalado por Franz Koepp nos anos 50-60 sobre os antigos campos de cultivo da Quinta do Campo Alegre. A colecção é constituida por um grande número e diversidade de suculentas, sendo as mais interessantes a colecção dos géneros Aloe, Agave, Euphorbia e Opuntia.

Arboreto

O Arboreto foi instalado sobre antigos campos de cultivo e bosque da Quinta do Campo Alegre, tendo sido atravessado por uma alameda de plátanos que ia desde os jardins até à mata, hoje ocupada por um centro desportivo, que ficou separada da quinta pela construção dos acessos da Ponte da Arrábida.

No Arboreto, hoje existem espécies notáveis como as biscófias, a sequóia, a faia, a carpa-europeia, a carpa-negra e o carvalho-das-telhas.

[EN] The Botanical Garden can be divided in the following 10 major areas.

Entrance Copses

At either side of the entrance to the Botanical Garden are copses that developed around two very old araucarias. The thickest countain a variety of trees and bushes and the groundcover is a shade-loving herbaceous plant called monkey grass.

In a bed facing the main gate is a bust of Professor Gonçalo Sampaio, an eminent botanist and professor of Porto University. The bust was the work of another distinguished figure of Porto University, Professor Abel Salazar. To the right of the entrance we see a bust by the sculptor Barata Feyo of the writer Ruben A.

The thickest have remarkable examples of the silver linden, Brazilian pine or candelabra tree and the Lillipilli.

Garden of the Dwarves

The name of this garden comes from a short story by Sophia called "The Forest", a tale of dwarves in a forest created from the places where the children of this house used to play.

Until recently this garden had an enormous oak tree and various outstanding examples of beech, which were removed because of their advanced age and condition. Hence the garden has been reborn as a literary space based on the works of Sophia.

One of the lovely species here is a Pindo palm and some large Cedars of Lebanon.

Liquidambar Garden

Sited to the west of the house, this garden is named after the remarkable specimen of the liquidambar found here. The garden has many azaleas and rhododendrons and it's also mentioned in Sophia short story "The Bronze Boy".

Garden of "The Bronze Boy"

The name of this garden is linked to a short story by Sophia de Mello Breyner Andresen called "The Bronze Boy". The female statue in the middle of the pound explains the origin of the bronze youth, the main fictional character in this tale of flowers. It is a late 19th century garden which was somewhat altered in the 1950s.

Most of the bushes are quite old but some of the more interesting species include a mountain laurel, a date palm and a very old example of the soft tree fern.

The Garden of the "JJs"

This garden takes its name from the initials of the former owners of Quinta do Campo Alegre, João Henrique and Joana Andresen, who were the grandparents of the writers Sophia de Mello Breyner Andresen and Ruben A. Four boxes are planted in the shape of the letter "J", taking up the entire space.

This garden was always a favourite place for planting bulbs. The tilled-covered bench shaded by a wisteria-pergola is often mentioned in Sophia's works.

Rose Garden

This garden lies directly south of the house and is protected by camelia hedges. Its layout dates back to the time of the Quinta do Campo Alegre. At the far end of the garden is a bust of Professor Américo Pires de Lima, a professor at Oporto University and the major driving force behind the installation of the Botanical Garden in Quinta do Campo Alegre.

Fish Garden

This garden was designed by Franz Koepp in the 1950s-1960s for annual plants. It takes its name from the shape of the central flowerbed. In the times when it was a private house the garden, surrounded by tall camelia hedges, was known as the aspargus field.

The Slate Garden

This garden was designed by Franz Koepp in the 1950s and it takes its name for the slate used to build it. In the earlier times it had been the tennis court.

It was designed for aquatic plants and the ponds contain many examples of lacustrine plants such as the white water lily, bulrush and European water clover.

Other outstanding specimens include the Portuguese strawberry tree and the Texas madrone, a tulip tree and a White Bird of Paradise.

Succulent Garden

This garden was made by Franz Koepp in the 1950s-1960s in the former sowing fields of Quinta do Campo Alegre. The collection harbours a large and varied number of succulents, the most interesting ones being the collection of the genuses Aloe, Agave, Euphorbia and Opuntia.

Arboretum

The Arboretum was installed in the former sowing fields and woods of Quinta do Campo Alegre and had an avenue of plane trees stretching from the gardens to the forest that had belonged to the Quinta and is now the site of sports facilities, cut off from the Quinta when the access roads to the Arrábida Bridge were built.

Today, the Arboretum has many fine species such as bischofia, sequoia, copper beech, hornbeam, european hornbeam and the shingle oak.

[PT] Horário de abertura do Jardim Botânico

Verão 9h00 às 19h00

Inverno 9h00 às 17h00

[EN] Botanical Garden opening hours

Summer 9h00 till 19h00

Winter 9h00 till 17h00

A Cache / The Cache

[PT] Para encontrar a cache terá que se deslocar aos locais por onde andavam as personagens dos livros de Sophia, apreciar as plantas e responder a estas simples perguntas:

O que aparece repetido em Rhododendron arboreum Sm. e também em Hemerocallis Citrina Baroni?

O que é que Cryptomeria Japonica (L.F.) D. Don Vilmoriniana tem em segundo lugar e em Agapanthus africanus (L.) Hoffmgg. aparece no inicio?

O que tem a duplicar Cryptomeria japonica (L.f.) D. Don "Bondai-sugi" e Beaucarnea recurvata Lem Agavaceae México SE?

O que partilha Scilla peruviana L. e Rhododendron sp. "Madame Carvalho"?

Dado a natureza do local a escolha do esconderijo da cache foi feita com um cuidado extra, não é necessário em absoluto danificar um único ser vivo. A permanência da cache nestes jardins vai depender disso.

O conteúdo inicial da cache é o seguinte: Stashnote, logbook, lápis, afia lápis, Unite for Diabetes Travel Bug, sinos em miniatura e amostra de perfume.

A cache não está nos mesmos jardins onde encontraram as plantas.

Boa sorte para a caçada e desfrute os jardins. Se não a encontrar pode sempre pedir ajuda ao "Rapaz de Bronze", ele ganha vida todas as noites.

Para que esta cache seja sempre uma surpresa, por favor não publique fotografias ou logs que possam revelar a localização e como encontrou-a.

[EN] To find the cache you must visit the gardens where the characters of  Sophia books wandered see the plants and answer this simple questions:

What is repeated in Rhododendron arboreum Sm. and also in Hemerocallis Citrina Baroni?

What comes in second place in Cryptomeria Japonica (L.F.) D. Don Vilmoriniana and first in Agapanthus africanus (L.) Hoffmgg.?

What does Cryptomeria japonica (L.f.) D. Don "Bondai-sugi" and Beaucarnea recurvata Lem Agavaceae México SE have in double?

What is shared by Scilla peruviana L. and Rhododendron Sp "Madame Carvalho"?

Due to the nature of the place the choice of the cache hiding place was made with extra care, there's absolutely no need to damage a sole living beeing. In fact the cache will remain in this gardens as long as that doesn't happen.

The cache initial contents are as follows: Stashnote, logbook, pencil, pencil sharpener, Unite for DiabetesTravel Bug, little bells, and perfume sample.

The cache isn't in the same gardens where you found the plants.

Good luck for the hunt and enjoy the gardens, and if you don't find it you can always ask for help to the "Bronze Boy", he comes to life every night.

To keep the surprise please don't publish photos or logs that might reveal the cache location and how you found it.

 

Additional Hints (Decrypt)

[Por] Dhr abzr obavgb grz b zrh ivmvaub. Qrgeáf crdhran crqen [Eng] Zl arvtuobhe unf n ornhgvshyy anzr. Oruvaq yvggyr fgbar.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

250 Logged Visits

Found it 205     Didn't find it 17     Write note 21     Temporarily Disable Listing 1     Enable Listing 1     Publish Listing 1     Needs Maintenance 3     Owner Maintenance 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 96 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated: on 4/29/2018 4:19:56 PM Pacific Daylight Time (11:19 PM GMT)
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page