Skip to content

Rêgo do Boi [Arouca] Traditional Cache

Hidden : 08/25/2007
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


O rêgo do Boi
Alvarenga, freguesia do concelho de Arouca, no distrito de Aveiro dista em cerca de 15 quilómetros da sede concelhia, estando situada nas fraldas da serra de Montemuro e na margem direita do rio Paiva.
O povoamento do território que corresponde à actual freguesia de Alvarenga é bastante remoto, por certo anterior ao século XII, visto que nas cumeadas vizinhas foram encontrados vestígios de fortificações castrejas e de edificações dolménicas. Um dos mais importantes vestígios da época do povoamento romano é sem dúvida a ponte romana sobre o rio Paiva (Ria Paiva - Ponte de Alvarenga), cuja edificação se atribui ao mesmo mestre que fez a de Alcântara, em Espanha.
É também património cultural de inestimável valor, a panóplia de lendas que povoam as memórias do povo de Alvarenga, como é o caso da Lenda do Rego do Boi. Segundo a tradição, havendo na freguesia necessidade de água para regar os campos, os habitantes de Alvarenga e da freguesia vizinha de Nespereira disputavam a posse de um ribeiro, denominado Ardena. Chegaram então ao acordo de que quem primeiro conseguisse com que as águas fizessem mover a mó de um moinho, junto à povoação, adquiria o direito sobre elas.
Os habitantes de Alvarenga traçaram então, secretamente, o caminho que deveria tomar o rego condutor da água e conseguiram concluir o seu trabalho antes dos de Nespereira, conquistando o direito ao usufruto das águas. Para festejar esse feito mataram e comeram um boi, daí resultando no nome "Rego do Boi". Mais tarde, chegaram a funcionar cerca de vinte e três moinhos, dos quais ainda restam bastantes e que formam, no seu conjunto, a chamada "Carreira de Moinhos".
Sobre o Rego do Boi
No meio da serra da Franqueira nasce hum rio de pouca memoria passa pello fundo do lugar de Noninha e continua o seu curso junto do lugar de Bustello, e no fundo das terras do dito lugar há tradição nesta terra de Alvarenga que os seus habitantes tiraram a agoa do tal rio em huma noute, por recearem que os habitadores do valle de Nespereira lho impedicem, e chama-se a tal rego o rego do Boi, por se dizer que comeram hum boi na noute que a tiraram, dista desta terra de Alvarenga hum quarto de legoa, isto hé o aqueducto e o seu nascimento hé quasi huma legoa, fertiliza este valle com agoa, que hé o que a faz fértil de pam e vinho, e com a mesma agoa ao mesmo tempo faz moer vinte e três moinhos, tanto de Veram como no Inverno.
O Reytor Luís Vieira Tristão
Transcrição da referência histórico-lendária do REGO DO BOI manuscrita em 1758, no livro “Memórias Paroquiais” do Padre Luís Vieira Tristão.
Infelizmente esta carreira de moinhos que faz parte do roteiro turístico de Arouca está profundamente degradada, mesmo assim achei que valia a pena dá-la a conhecer. Espero que gostem...

Additional Hints (Decrypt)

Cnen n pnpur rapbagene, onfgn à cbegn svpne r à rfdhreqn rfcervgne

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)