Multi-cache

Regicídio [centenário]

A cache by almeidara Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 11/21/2007
In Lisboa, Portugal
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


O dia é 1 de Fevereiro de 1908. Um barco está prestes a chegar vindo do Barreiro. Este é o troço final de uma viagem de comboio que começara em Vila Viçosa. Nele segue a Familia Real de volta à capital. A viagem de coche em direcção ao Palácio das Necessidades será brutalmente parado com um atentado que mata o Rei D. Carlos I e o herdeiro Príncipe D. Luís Filipe e fere D. Manuel.

Antecedentes históricos

Carbonária - Estabelecida em 1822 (ou 1823) "por oficiais italianos que procuravam, por meio de sociedades secretas, revolucionar toda a Europa Meridional". Até 1864 a sua intervenção fez-se sentir em muitos momentos críticos da vida nacional, pois todos os partidários políticos possuíam a sua carbonária. A indignação nacional suscitada pelo afrontoso ultimato da Inglaterra (1890) e as desastrosas consequências da revolta de 31 de Janeiro de 1891, com o seu cortejo de prisões, deportações e perseguições de toda a espécie, arrastaram a mocidade académica para as sociedades secretas. Foi em 1896 que surgiu a última Carbonária portuguesa, sendo completamente diferente das anteriores : diferente organização, ritual e até processos de combater. Foi seu fundador o grão-mestre Artur Duarte Luz de Almeida. A sua influência exerceu-se de maneira intensiva em quase todos os acontecimentos de carácter político e social ocorridos no País, nomeadamente naqueles que tinham em vista defender as liberdades públicas ameaçadas e combater o congreganismo e os abusos do clero. Embora muitas vezes se confundam, a Carbonária e a Maçonaria foram organizações diferentes embora paralelas.

No final do século XIX sentia-se, por todo o País, o descontentamento da população. A maioria do povo português continuava  a viver com grandes dificuldades. Aqueles que já antes eram pobres - operários, agricultores e outros trabalhadores rurais - estavam cada vez mais pobres, e só os que já eram muito ricos conseguiam aumentar a sua fortuna. Esta situação provocava grande agitação e mal-estar. Os sucessivos governos da monarquia liberal mostraram-se incapazes de melhorar as condições de vida da população. E, em 1876, formou-se um novo partido, chamado "partido republicano".  

Em 14 de Janeiro de 1890, o "Partido Republicano Português" organizou uma grande manifestação em Lisboa, acusando o rei D. Carlos e o Governo de terem traído os interesses dos Portugueses em África, pela aceitação do ultimato inglês.  As hostilidades contra o regime monárquico e a propaganda das ideias republicanas nos jornais e revistas foram crescendo. Em 31 de Janeiro de 1891 deu-se, no Porto, a primeira revolta armada contra a monarquia. A revolta teve apoio de alguns militares e de muitos populares. Porém, a guarda municipal, fiel à monarquia, venceu os revoltosos. O número de mortos foi grande. A agitação política e as manifestações populares contra a monarquia não terminaram.

1 de Fevereiro de 1908

Pouco falta para as cinco da tarde. Dois carbonários, Manuel Buíça e Alfredo Costa, reunem-se perto do Rossio no Café Gelo. O primeiro traz consigo uma carabina, enquanto o segundo um revólver pronto no bolso.

No Terreiro do Paço é dado à escolha do Rei um automóvel coberto ou uma carruagem aberta (Landau). O Rei opta pela segunda.

Quando atravessa a praça, Manuel Buíça com a sua Winchester, coloca-se na retaguarda da carruagem e logo no primeiro tiro acerta no pescoço de D. Carlos, quebrando-lhe a coluna vertebral e matando-o instantaneamente. O príncipe herdeiro, embora ferido, consegue ainda disparar quatro tiros sobre Afonso Costa, que cai por terra. Entretanto, Buíça continua a disparar e atinge o príncipe na cabeça. A rainha esforça-se por acudir aos filhos, recebendo nos braços o cadáver do marido. O cocheiro, ferido numa das mãos, lança os cavalos em fuga.

Consequências do atentado

Em Setembro de 1909, o Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano, Sebastião de Magalhães Lima, viajou secretamente para Londres a fim de obter garantias da congénere inglesa (cujo Grão-Mestre era então o Duque de Connaught, filho favorito da Rainha Victoria e irmão do Rei Eduardo VII) de que o golpe em Lisboa teria a aprovação do Governo de Sua Majestade, chefiado por Asquith e integrado por Winston Churchill, Lloyd George e Edward Grey – maçons de inegável peso na política mundial da época. Valendo-se de uma teia de cumplicidades maçónicas, políticas, jornalísticas e financeiras, Magalhães Lima voltou a Londres em Julho de 1910 (já com o Rei Jorge V no Trono), agora acompanhado pelo abastado homem de negócios e dirigente republicano José Relvas, para ouvir da boca de um membro do Governo inglês a confirmação de uma “neutralidade compreensiva”. A posição das autoridades de Londres, expressa por escrito num Memorandum secreto, que ainda existe nos Arquivos Nacionais britânicos, permitiu aos revoltosos lançarem-se confiadamente numa revolução que, sem esse apoio, falhara de tentativa em tentativa nos 20 anos anteriores. E, com efeito, três meses após o seu encontro reservado no Foreign Office, a República estava implantada em Portugal.

Ironicamente, a República é declarada na varanda do mesmo edificio onde, dois anos antes, os corpos dos brutais regicidas foram depositados.

Cache

Esta cache vai levar-te aos pontos chave deste dia fatídico para a mais antiga monarquia da Europa. Cem anos depois muitos dos locais ainda mantêm a utilização da época:
1) Espingardaria A. Montez - onde foram compradas as armas que mataram o Rei..
2) Café Gelo - onde se encontraram os regicidas.
3) Terreiro do Paço (cais das colunas) - onde a família real desembarcou.
4) Arsenal da Marinha - onde foram levados os corpos do Rei e do principe herdeiro foram levados para assintência médica.

To find this cache you will follow some key places of the day when the oldest monarchy in Europe trembled . One hundred years later, many of this places mantain the original utilization.:
1) Espingardaria A. Monte - where the guns that killed the King were bought.
2) Cafe Gelo - where the killers meet.
3) Terreiro do Paço (cais das colunas) - where the royal family arrived.
4) Arsenal da Marinha - where the bodies of the King and Prince where taken to receive medical assistence.

A procura da cache vai levá-lo a percurrer o caminho dos regicidas. Nas coordenadas publicadas procure o ano de estabelecimento da Espingardaria:
This search will take you in the steeps of the killers. In the published coordinates search for the year when this gun shop was established:    190A

Additional Hints (Decrypt)

Ab irezryub
Erq

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

830 Logged Visits

Found it 720     Didn't find it 73     Write note 24     Temporarily Disable Listing 2     Enable Listing 2     Publish Listing 1     Needs Maintenance 3     Owner Maintenance 5     

View Logbook | View the Image Gallery of 180 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated: on 5/25/2017 3:34:44 AM Pacific Daylight Time (10:34 AM GMT)
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum