Skip to content

Biocombustíveis… o Futuro? * Biofuel… the Future? Traditional Cache

This cache has been archived.

ajsa: Não, definitivamente não consigo nada mais do que os já sucessivos adiamentos.
Desejava fazer algo mais mas foi impossível.

Obrigado a todos, deixo o local e tema aberto a novas iniciativas de outros colegas.

More
Hidden : 11/27/2007
Difficulty:
3.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   not chosen (not chosen)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Biocombustíveis… o Futuro?

Biofuel… the Future?

 

Energias Renováveis – Passado… Presente! Futuro?

Solar no Passado… o Presente!

Eólica no Passado… o Presente!

Hidráulica no Passado… o Presente!

Biocombustíveis… o Futuro?

 

Quem passou pelas principais localidades alentejanas, com toda a certeza que observou imponentes silos cerealíferas com a sigla EPAC pintada no seu topo. A EPAC – Empresa Pública de Abastecimentos de Cereais serve como ponto de referência a um passado recente com agricultores a criar grandes fortunas na produção cerealífera. Foi o tempo das vacas gordas da agricultura alentejana, hoje o cenário está bastante diferente e os silos, na sua maioria não passam de grandes estruturas de betão erguidas ao abandono.

Vindos de um próspero passado e com o presente bastante negro para a produção de cereais, o futuro pode ser promissor e estes silos estarão novamente no centro das atenções, mas desta vez não só para engordar as contas bancárias de alguns mas também para curar a nossa casa que está a ficar doente: o nosso querido planeta terra.

Biocombustível

Hoje, mais do que nunca, o tema do aquecimento global e a procura de fontes energéticas alternativas e limpas é título de primeira página para uns e para outros o assunto irritante, caro e desnecessário.

Com excepção do etanol de cana-de-açúcar, todos os outros biocombustíveis ainda estão numa fase bastante embrionária e não é possível afirmar que será a alternativa “limpa” aos actuais combustíveis de origem fóssil.

Os pontos fracos destas possíveis alternativas de combustíveis ainda são muito importantes e será necessário uma grande vontade politica e investimento privado para as ultrapassar, mas há também questões éticas e sociais com grande peso na balança dos contra, senão vejamos: se for observado que este tipo de combustíveis serão a alternativa ao actual cenário energético baseados em combustíveis fosseis, é enorme a probabilidade de a esmagadora produção cerealífera mundial passar a ser canalizada para a produção de combustíveis e, no entanto, continuamos a assistir passivamente a milhares de seres humanos a morrerem de fome. Por outro lado, a especulação dos preços fará disparar o valor dos cereais ficando o consumo humano bastante comprometido.

Um outro factor importante a ponderar será a relação consumo/libertação de CO2 na atmosfera. É sabido que as plantas consomem CO2 para realizar as suas funções vitais durante a fotossíntese, e este aspecto deve ser visto como algo de positivo que poderá acelerar um pouco a “limpeza” deste gás actualmente existente na atmosfera. Por outro lado, a produção, transporte e transformação dos cereais em combustíveis envolve a utilização de maquinaria que liberta CO2 bem como a própria combustão do produto final, o biocombustível, também libertará este gás na atmosfera. Neste aspecto o derradeiro vencedor é o etanol produzido a partir da cana-de-açúcar.

O etanol de cana-de-açúcar está no topo dos biocombustíveis mais rentáveis, a cultura é bastante rápida no seu desenvolvimento, a fermentação do açúcar em etanol é perfeita, a sua transformação é feita recorrendo aos resíduos da cana para gerar energia, chegando inclusivamente a ceder energia excedente. A emissão (produção/uso) de gases de efeito de estufa é 1,08 kg/litro, 56% inferior à gasolina e mais barata, mas, por outro lado, ainda está longe de ser verde ou limpa. A desflorestação será iminente, durante a sua produção é utilizada mão-de-obra humana de baixo custo com grande esforço físico destes. As plantações, antes de cortadas, terão de ser submetidas a queimadas para tornar mais fácil a sua colheita.

Em Portugal, o cenário está voltado para a produção de biodiesel de oleaginosas como o girassol. Desde 2006 que foram implementadas medidas de incentivos fiscais para a sua produção, onde duas fábricas lideraram, nesse ano a sua produção. Para este caso, a emissão (produção/uso) de gases de efeito de estufa é 0,91 kg/litro, 68% inferior ao gasóleo.

Existem outras alternativas ainda em estudo e promissoras como o etanol celulósico produzido a partir de gramíneas e biomassa florestal, o etanol de milho, o biodiesel de algas, biodiesel de soja entre outros.

 

 

 

Renewable Energy – Past… Present! Future?

Solar in Past… the Present!

Eolic in Past… the Present!

Hydraulic in Past… the Present!

Biofuel… the Future?

 

For those who walked by the main towns of Alentejo, certainly watched the imposing cereal silos with the acronym EPAC painted on top of it. The EPAC – Empresa Pública de Abastecimentos de Cereais (Public Enterprise of Cereals Supplier) is a reference to a recent past in which farmers create large fortunes in cereal production. It was the time of fat mans in the Alentejo agriculture, today the scenario is quite different and silos are nothing more than large structures of concrete turned to the abandonment.

Coming from a prosper past and with a dark present for the production of cereals, the future may be promising and these silos will be in the spotlight again, but this time not only for fat bank accounts of some but to heal our house, which is getting sick: our loved planet earth.

Biofuels

Today, more than ever, global warming issue and the demand for alternative and clean sources of energy are the titles of first page for some, and for others It’s an annoying, expensive and unnecessary issue.

With the exception of ethanol from sugar cane, all other biofuels are still in a very embryonic stage and it’s not possible to say that the alternative to the current source of fossil fuels is quite "clean".

The weaknesses of these possible alternative fuels are still very important and will require a great political and private investment to overcome, but there are also ethical and social issues with great weight in the balance, take a look: it is observed that this type of fuel will be the alternative to the present energy scenario based on fossil fuels, this will probably be an overwhelming global cereal production to being channeled into the production of fuels and yet we continue to watch passively to the death of thousands of adults and children dying of starvation. Furthermore, the speculation prices will shoot the value of cereals becoming human consumption significantly compromised.

Another important factor to consider is the relationship consumption/release of CO2 in the atmosphere. It is known that the plants consume CO2 from the atmosphere to perform their vital functions during photosynthesis, and this must be seen as something positive that can accelerate a little "cleansing" of CO2 existing in the atmosphere. Furthermore, the production, transport and processing of cereals in fuel involves the use of machinery which in turn releases CO2 into the atmosphere and finally the burning of the final product, the biofuel also release CO2 in the atmosphere. Here the ultimate winner is the ethanol produced from sugar cane.

The ethanol from sugar cane is at the top of biofuel more profitable, the culture is quite profitable, the fermentation of sugar into ethanol is perfect, the transformation is made using the waste from the cane to generate energy, the issue (production/use) of heat effect gases is 1.08 kg/liter, 56% lower than the petrol is cheaper but on the other hand is still far from being clean or green. The deforestation is imminent, during its production use low-cost human labor with physical effort and the plantations have to be subjected to fires to make them easier to harvest.

In Portugal, the scene is returned for the production of biodiesel, such as sunflower oil. Since 2006 we have implemented measures for tax incentives for their production, where two factories start in its production. In this case, the issue (production/use) of heat effect gases is 0.91 kg / liter, 68% lower than diesel.

There are other alternatives still under study and promising as cellulosic ethanol produced from grasses and forest biomass, ethanol from corn, biodiesel from algae, biodiesel from soybean among others.

 

Por favor, leia informação adicional

Additional Hints (Decrypt)

CG: B pnzvaub cnen bf ovbpbzohfgíirvf é qvsípvy r purvb qr snyfbf erfhygnqbf. Aãb qrfvfgnz. HX: Ovbshryf cngu vf gb qvssvphyg naq shyy bs snyfr erfhygf. Qba'g tvir hc.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)