Skip to content

Arco Encantado Traditional Cache

This cache has been archived.

MightyREV: Esta cache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada perante as situações relatadas.
Relembro a secção das Guidelines sobre a manutenção http://support.groundspeak.com/index.php?pg=kb.page&id=307#maint :

[quote]Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desactivada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

A região onde um geocacher é considerado capaz de manter geocaches responsavelmente irá variar de pessoa para pessoa. Um geocacher que anteriormente fez registo de geocaches numa área alargada a partir da sua residência pode ser considerado habilitado a manter uma geocache a 200 milhas (322 Km) de distância. Contudo, alguém cujas actividades de geocaches têm sobretudo estado dentro da distância de 25 milhas (40km) de sua casa não deverá estar preparado para manter uma geocache tão distante de casa. O critério usado nesta situação fica a cargo do revisor da geocache ou pela Groundspeak.

Por causa do esforço requerido para manter uma geocache, por favor coloque geocaches físicas no seu espaço habitual de geocaching e não em sítios para onde costuma viajar. Geocaches colocadas durante viagens não serão muito provavelmente publicadas a menos que possa fornecer um plano de manutenção adequado. Este plano deve permitir uma resposta rápida a problemas reportados, e deverá incluir o Nome de Utilizador de um geocacher local que irá tomar conta dos problemas de manutenção na sua ausência. Alternativamente poderá treinar uma pessoa local para fazer manutenção à geocache. Documente o seu plano de manutenção numa Nota ao Revisor ou na sua página de geocache. Isto deverá incluir a informação contacto da pessoa que irá efectuar a manutenção. A nota irá ser apagada automaticamente aquando da publicação.[/quote]

Se no local existe algum recipiente por favor recolha-o a fim de evitar que se torne lixo (geolitter).

Como owner, se tiver planos para recolocar a cache, por favor, contacte-me através do mail indicado no meu perfil e refira o GC Code da cache.
Lembro que a eventual reactivação desta cache passará pelo mesmo processo de análise como se de uma nova cache se tratasse, com todas as implicações das Guidelines actuais.

Obrigado

[b] MightyREV [/b]
Geocaching.com Volunteer Geocache Reviewer
Revisor Voluntário em Geocaching.com

[url=http://support.groundspeak.com/index.php]Centro de Ajuda Groundspeak[/url]
[url=http://support.groundspeak.com/index.php?pg=kb.page&id=340]Trabalhar com o Revisor[/url]
[url=http://support.groundspeak.com/index.php?pg=kb.page&id=77]Como ter uma cache publicada (mais) rapidamente[/url]
[url=http://www.geocaching.com/about/guidelines.aspx]As Guidelines são regras[/url]

More
Hidden : 01/13/2008
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:




Arco de Paradela

    Este pequeno monumento, arco de granito de volta inteira, que pousa numa base também pedra, de estilo românico-gótico, datado, provavelmente, do século XII, é um arco memorial, como muitos que a toponímia recorda no Norte do País e de que restam poucos exemplares.


    As opiniões sobre o Arco da Paradela e a sua função, divergem de autor para autor. Para uns é um marco monumental ou padrão que se ergueu para demarcar o limite do couto do mosteiro de São João de Tarouca. Outros dizem ser um monumento funerário erguido para essa do túmulo de Diogo Anes, proprietário do terreno em 1175, ou, ainda, um arco erigido em memória de D. Pedro, conde de Barcelos, que falecido em Lalim, ali parou o seu funeral quando ia a sepultar no Mosteiro de São João de Tarouca.

     Segundo fonte bibliográfica do mosteiro de S. João de Tarouca, existiam 3 arcos, desaparecendo dois com o andar dos anos.

    Dom Pedro Afonso, Conde de Barcelos (1287 - Lalim, 1354) foi, segundo algumas fontes, o primeiro filho natural de D. Dinis (6º Rei de Portugal) e de D. Grácia Froes (de identificação insegura).
    Poeta e trovador como seu pai, teve um papel de relevo na vida política e sobretudo cultural do seu tempo, a ele se ficando a dever uma boa parte dos mais importantes textos da literatura medieval portuguesa.

    O seu primeiro e breve casamento com D. Branca Peres, herdeira de grande parte da fortuna dos Sousa, tornou-o, à sua morte (1305), um dos homens mais ricos do reino. Esse estatuto foi consolidado com o segundo casamento, com a aragonesa D. Maria Ximenes, de quem no entanto se separaria a curto prazo, por desentendimentos vários. Viveu o resto da sua vida com D. Teresa Anes, sua concubina, não tendo tido descendência.

    Exilado em Castela por motivos relacionados com o conflito que opôs D. Dinis ao príncipe herdeiro D. Afonso, tomou contacto com as actividades culturais da corte castelhana, que prolongava o intenso labor do seu bisavô Afonso X de Leão e Castela, o Sábio.

    Regressado do exílio em 1322, retomou a posse de todos os seus bens, que lhe tinham sido confiscados. Pouco depois da morte de seu pai (1325), afastou-se gradualmente da corte do meio-irmão, com quem entra em dissidência (muito embora tenha participado a seu lado na Batalha do Salado em 1340). Refugiou-se nos seus paços de Lalim, que transformou num centro cultural importante. É daí que está datado o seu testamento (Março de 1350) e onde morreu, em 1354. Jaz sepultado no Mosteiro de São João de Tarouca.

    O legado cultural do Conde de Barcelos é um dos mais importantes da Idade Média peninsular. D. Pedro foi certamente o compilador (ou pelo menos o último compilador) das cantigas dos trovadores galego-portugueses. No seu testamento deixa um Livro de Cantigas ao seu sobrinho, Afonso XI de Castela, que se pensa ser o arquétipo dos cancioneiros manuscritos que chegaram até nós; esse cancioneiro, nunca chegou à posse de Afonso XI e não se sabe do seu paradeiro.

    De Lalim teriam ainda saído duas outras obras fundamentais da história e cultura portuguesas, a recompilação dos Livros de Linhagens e a Crónica Geral de Espanha de 1344. Excelente trovador, D. Pedro deixou quatro cantigas de amor e seis cantigas de escárnio, onde o humor (com a malícia característica do género) se alia a um notável sentido rímico e musical.

  Non quer'a Deus por mia morte rogar por D. Pedro, Conde de Barcelos

(Cancioneiro da Biblioteca Nacional 609, Cancioneiro da Vaticana 211)

 

Non quer'a Deus por mia morte rogar,

nen por mia vida, ca non mi ha mester;

e pois aquel que o rogar quiser

por si o rogu'e leix'a min passar

assí meu tempo, ca, mentr'eu durar,

nunca me pode ben nen mal fazer,

nen ond'eu haja pesar nen prazer

 

. E ja m'el tanto mal fez que non sei

ren u me possa cobrar d'iss', e non

sei nen sab'outren, nen sab'el razón

por que me faça máis mal de quant'hei.

E, pois eu ja per tod'esto passei,

nunca me pode ben nen mal fazer

 nen ond'eu haja pesar nen prazer.

 

E ben nen mal nunca m'el ja fará,

pois m'el pesar con tan gran coita deu

que nunca prazer no coraçón meu

me pode dar, ca ja non poderá,

e, pois por min tod'esto passou ja,

nunca me pode ben nen mal fazer

nen ond'eu haja pesar nen prazer.

 

Obtido "AQUI"




Arco de Paradela

    This small monument, entirelly a granitic arc on a granitic base, is romanic-gothic style. Dated, probably, from century XII to XIV, is a memorial arc, as many others that  toponymy remembers in the North of the Country.

    The opinions on the Arc of the Paradela and its function, are diferent from author to author. Some thinks that  it is a monumental landmark that was raised to demarcate the S. João de Tarouca Monastery´s property limit. Others say to be a funerary monument raised for the tomb of Diogo Anes, owner of the land in 1175, or, still, an arc erected in memory of D. Pedro, Count of Barcelos, that deceased in Lalim.Its funeral stopped there when he went to bury in the Monastery of S. João de Tarouca.

     Dom Pedro Afonso, Count of Barcelos (1287 - Lalim, 1354) was, according to some sources, the first natural son of D. Dinis (6º King of Portugal) and D. Grácia Froes.

    Poet and troubadour as its father; played a great roll in the cultural life,writting great part of the most important texts of Portuguese medieval literature.

    In the first and brief marriage with D. Branca Peres, heiress of great part of the Sousa´s richness , became , to its death (1305), one of the richest men of the kingdom. This statute was consolidated with is second marriage, with the Aragonese D. Maria Ximenes, of who however would be, short-term,broken up, for several misunderstandings . The remaining portion of its life was with D. Teresa Anes, is mistress.

    Exiled in Castile (Spain) for reasons related with the conflict that opposed D. Dinis to the inheriting prince D. Afonso, makeed contact with the Castilian cultural activities. Returned of the exile in 1322, retook the ownership of all its goods, that had been confiscated.

    Shortly afterwards the death of its father (1325),takes refuge in its palace of Lalim, that he, then, transformed into an important cultural center. It is from there that is "last will" is dated (March of 1350) and where he died, in 1354.

    Lies buried in the Monastery of S. João de Tarouca.

    The cultural legacy of the Count of Barcelos is one of most important of the Peninsula.




Não está no monumento. Por favor não destrua!

It´s not in the monument.Please, don´t destroy!


Additional Hints (Decrypt)

Aãb dhreb svpne ab cevapvcny! Svpnerv ab dhr b thneqn, ab pnagb, whagb à crqen znvbe, rz frchyghen dhnfr puã. V qba´g jnag gb or va gur znva bar! V jvyy or va gur thneqvna, arne gur pbeare, orfvqr gur ynetre fgbar, ba n, nyzbfg ba gur tebhaq, gbzo.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)