Skip to content

Alvalade Medieval [Sant. Cacém] Multi-Cache

Hidden : 04/15/2008
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Translation
Alvalade Medieval

A cache não está nas coordenadas publicadas

Para encontrar esta cache terá que visitar dois locais antes.
O primeiro é o Largo D. Manuel I, de onde são as coordenadas originais.
Vai encontrar aí o pelourinho de Alvalade, símbolo do seu foral, a Igreja da Misericórdia e algumas casas importantes das antigas individualidades da vila.

Tem que anotar o ano inscrito na parede por cima da porta da Igreja da Misericórdia e usar esse dado para chegar às coordenadas do ponto seguinte, usando estas fórmulas:
Ano:
ABCD
E=B-A
F=C-B
G=C-A

N 37° 5G.EFG
W 008° 23.CDG


Chegados ao 2º ponto podem apreciar lá de cima, o vale de Campilhas . Ao fim da tarde, com o pôr-do-sol no horizonte este é um local muito agradável.
Para encontrar o local final há que recolher mais um número. Este está gravado no chão da entrada Sul do pátio.
Esse número terá este formato:

HIJLM

As coordenadas finais serão as seguintes:
N 37° 56.LHJ
W 008° 2J.HLJ


Uma vez por ano, estes dois locais (não o da cache final) estão sujeitos a entrada paga durante alguns dias. Isto acontece na altura em que se comemora o aniversário do Foral de Alvalade com uma feira medieval que tem o mesmo nome desta cache. É um acontecimento a não perder, a meio de Setembro.
A local final é fora da Vila e podem chegar com o carro até lá, embora seja uma boa caminhada para esticar as pernas.
Uma visita nocturna a este local deverá ser feita com algum cuidado pois o local é escolhido por alguns casais de namorados para estarem à vontade.

Um pouco de História sobre Alvalade ...

A presença humana na freguesia de Alvalade está documentada arqueologicamente a partir do Mesolítico (8 mil anos atrás), como o comprovam as escavações arqueológicas realizadas na Gaspeia no início de 2005.

Ao longo das últimas décadas têm sido também feitos achados e registos do Neolítico,Calcolítico, da Idade do Bronze, da Época Romana e do Período Visigótico.

A fertilidade dos solos, os cursos de água existentes, e a caça abundante que estas terras hospedavam (javalis, veados, lebres, coelhos, mas também lobos, raposas, ginetos e texugos) fizeram da actual freguesia alvaladense um território muito apetecido e disputado desde os tempos mais remotos.

Desse interesse e ocupação humana resultariam sucessivos vestígios de povoamentos.

Em maior abundância encontram-se os achados e testemunhos da colonização romana, de que são exemplo os diversos vestígios e estruturas de villae existentes um pouco por toda a freguesia. Na área de influência e sob a jurisdição da civitas de Miróbriga, as produções das terras de Alvalade asseguravam uma boa parte dos produtos agrícolas e pecuários necessários ao consumo e comércio da velha cidade romana.

Porém, enquanto povoação mais ou menos organizada, Alvalade deve o seu nascimento à ocupação muçulmana, provavelmente no século 9. O topónimo 'Alvalade' provém do vocábulo árabe al-balad que significava 'lugar murado' ou 'lugar protegido'. Atendendo ao topónimo, e ao tipo do povoamento rural existente na região durante o período islâmico tudo indica que o pequeno núcleo urbano primitivo possa ter sido fortificado.

As primeiras casas (que formariam o primeiro conjunto urbano de Alvalade), terão sido levantadas na zona das actuais ruas de Lisboa e Atrás dos Quintais, Quintal do Mirae Largo Cerro do Moinho, uma espécie de promontório na extremidade norte do planalto que domina a junção dos vales do Sado e Campilhas, posição privilegiada que permitia controlar o rio Sado e a ribeira de Campilhas e algumas áreas de cultivo das imediações, elementos importantes dos quais dependeria a sobrevivência do pequeno povoado. Povoado esse que com o passar dos tempos se expandiu, ainda que lentamente, alinhavando a actual Praça D. Manuel I e área envolvente. Para esse crescimento muito terá contribuído, entre outros factores, a construção de uma pequena capela que nos finais do século 15 seria ampliada e daria origem à actual igreja matriz.

Mapa

elipse a cheio: núcleo urbano primitivo de Alvalade (que corresponde à Rua Atrás dos Quintais, Quintal do Mira, Cerro do Moinho e Rua de Lisboa, zona onde foram levantadas as primeiras casas da vila).

elipse a tracejado: Alvalade no século 16.

Beneficiando da sua excelente localização geográfica, Alvalade foi sempre um ponto importante, regionalmente, no trânsito de pessoas e mercadorias.

Durante a reconquista, só após a tomada da praça de Aljustrel aos mouros, em 1234 por D. Sancho II, é que Alvalade viria a ser definitivamente terra portuguesa.

Em 1273, entre outros domínios, a Ordem Militar de Santiago da Espada recebe Alvalade pela pena do rei D. Afonso III.

Nos Estabelecimentos de D. Pero Escacho, Mestre da Ordem de Santiago, promulgados a 26 de Maio de 1327 na sequência da ruptura e independência dos espatários portugueses em relação a Castela, surge a primeira referência conhecida à comenda de Alvalade, e são regulamentadas as rendas que o respectivo comendador poderia usufruir.

Marca senhoral Marca senhoral Marca senhoral Marca senhoral

Marcas senhoriais da Ordem de Santiago em Alvalade

Em 20 de Setembro de 1510 o rei D. Manuel I concedeforal a Alvalade, conferindo-lhe o estatuto de concelho e alguma independência administrativa e judicial.

Algum tempo depois (1510/1520 ?) é construído e erguido o pelourinho no centro da actual Praça D. Manuel I.

A primeira contagem (Numeramento) da população de Portugal efectuada por ordem do rei D. João III, que decorreu entre 1527 e 1533, dá conta que existiam no concelho de Alvalade, nessa época, 133 vizinhos (cerca de 600 habitantes).

Em finais do século 17 o curato de Nossa Senhora do Roxo (estabelecido em meados do século 16), dá origem à criação da freguesia do Roxo, surgindo assim a primeira e única divisão administrativa no concelho de Alvalade.

Nos inícios de 1755 a vila possuía 275 fogos e 1208 habitantes, mas o megassismo de 1 de Novembro do mesmo ano provocaria a derrocada de grande parte dos edifícios públicos e habitações, deixando a povoação semi-destruida.

Duque da Terceira

Duque da Terceira

Mais demolidores que o terramoto foram os efeitos provocados pela Revolução Liberal...

Na região era conhecida a simpatia política das instituições alvaladenses pelo regime absolutista, posição oficialmente assumida em 9 de Outubro de 1831, data em que o concelho jura fidelidade ao rei D. Miguel I. Considerado um pequeno bastião miguelista, tal circunstância obrigaria o Duque da Terceira a entrar na vila no dia 18 de Julho de 1833 afim de converter o concelho à causa liberal. A câmara e as principais instituições alvaladenses são chamadas aos velhos paços do concelho, convocadas pelo Duque, onde são coagidas a renunciar o apoio a D. Miguel, e acabam por aclamar D. Maria II também como sua rainha e soberana. Contrariar e enfrentar o Duque da Terceira e o seu contingente militar, poderia, naquela conturbada época, pagar-se com a própria vida. Eram assim os tempos da Guerra Civil de 1832/34...

Após a vitória militar do Partido Liberal, e convencionados os acordos (ou melhor, as concessões) de Évoramonte, D. Miguel pernoita em Alvalade no dia 31 de Maio de 1834. Apesar de deposto e fortemente contestado em grande parte do país, D. Miguel é recebido e acolhido na vila com grande respeito e deferência. Alvalade fica registada como a terra onde em vida o Rei Absoluto passaria a sua última noite em território português.

 

A implantação do Liberalismo provoca uma nova divisão administrativa do território nacional e dita a extinção do concelho de Alvalade em 6 de Novembro de 1836.

Em resultado desta decisão político-administrativa, Alvalade é incorporada como freguesia no vizinho concelho de Messejana.

Em 24 de Outubro de 1855, na sequência da extinção do concelho messejanense, Alvalade transita para o concelho mineiro de Aljustrel.

D. Miguel I

D. Miguel I

Em 1860, vinte e quatro anos depois de ter perdido a sua autonomia administrativa, Alvalade tem apenas 620 habitantes divididos por 180 fogos. Os efeitos das crises decorrentes da Revolução Liberal e da supressão do concelho, fizeram com que Alvalade perdesse metade da população e de grande parte da sua força de trabalho. As famílias mais abastadas e com maior prestigio abandonam também a freguesia, os campos deixam de ser cultivados, e vivem-se momentos dramáticos de pobreza e miséria. Desgovernada e sem qualquer orientação administrativa que enfrente a crise, e vivendo o pior período da sua existência, Alvalade sofre um novo golpe a 4 de Julho de 1861, ao perder mais uma das suas seculares instituições com a extinção da Santa Casa da Misericórdia, decidida pelo Governo Civil de Beja, que transfere também todo o seu património para a Casa Pia de Beja.

No dia 18 de Abril de 1871, Alvalade muda novamente de administração concelhia, passando desde então a pertencer ao concelho de Santiago do Cacém.

A partir daqui abre-se um novo ciclo para Alvalade, que estabilizada do ponto de vista político, administrativo e social, assiste a um ligeiro aumento da sua população residente e à normalização dos trabalhos e produções agrícolas.

Em 23 de Agosto de 1914 o comboio sulca pela primeira vez solos alvaladenses, e são inauguradas as Estações dos Caminhos de Ferro e do Telegrafo Postal. No mesmo dia, as principais ruas da vila passam a ter também iluminação pública.

O comboio e a estação significariam o primeiro e um dos mais importantes factores de desenvolvimento que a freguesia de Alvalade conhece no século 20.

Uma década depois (em 1924) é instalada a Guarda Nacional Republicana.

O telefone chegaria no dia 1 de Abril de 1959, inicialmente apenas com a rede disponível entre as 8 e as 24 horas.

Em 1995, a pedido e instâncias da freguesia e da Câmara Municipal de Santiago do Cacém Alvalade readquire o título de ' Vila ', que havia perdido aquando da supressão do seu concelho em 1836.

Actualmente a freguesia caminha para algum desenvolvimento, com uma economia baseada ainda fortemente no sector agrícola, mas também já sustentada nas áreas do pequeno comércio, em alguma indústria, e na prestação de serviços.

Nos Censos efectuados em 2001, a freguesia de Alvalade registou 2305 habitantes.

texto de Luis Pedro Ramos

(Junho de 2005)
Utilizado com a devida autorização


This page was generated by GeoPT Listing Generator

Additional Hints (Decrypt)

[Eng]Unatvat. 1,5zgf [Pt]Craqhenqn. 1,5zgf Cbe snibe, qrvkne an zrfzn cbfvpnb

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)