Skip to content

This cache has been archived.

ramiles: Fim! Obrigado ás pessoas que conheci aqui e que me proporcionaram bons momentos! Sejam felizes!

More
<

Sabor de Maçãs

A cache by ramiles Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 04/26/2008
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Sabor de Maçãs
Colocar aqui uma multi é o reconhecimento do interesse paisagístico e ecológico do curso do Rio Maçãs e uma homenagem às minhas origens: embora não tenha nascido em Quintanilha, a ligação à aldeia é assegurada pela permanência nela de alguma familia e por ser o local de "criação" do meu avô materno.
A cache inicial é um TB, criada pelo KinderPT, encontrei-a em Portuguediz, Sobreposta (Moinhos de Briteiros), no concelho de Braga. O Objectivo do TB é promover a criação de novas caches, pelo que os geocachers que o encontrarem devem substitui-lo por outro onde colocarão todo o seu conteúdo, e com ele criarão uma nova cache (uma ideia bem original!).



QUINTANILHA
Freguesia do Concelho de Bragança. População 192 habitantes em 182 fogos. Dista 31 km da sede de Concelho e está situada na margem da Ribeira de Mação. Há nesta Freguesia três minas de chumbo, denominadas Carreirão do Ferradal, Quintanilha n.º 10 e Quintanilha n.º 14. Já do século XI consta a existência desta freguesia porque a citam as inquirições de D. Afonso III em “Terra” de Bragança (1258), em que se situava.O seu nome, todavia, era muito diferente do actual, porque nas ditas inquirições se registou com a sua designação da altura: Quintala de Rio Maçãs. Que é a própria freguesia presente de Quintanilha, provam-no a situação junto do Rio Maçãs.O topónimo primitivo, vindo directamente do lat. quintana (unidade agrária dos Romanos), pelo diminutivo Quintanella, “Quintela”, ou pequena “quinta” modificou-se, porém, fora, em nosso ver, da evolução fonética normal, sofrendo alteração para uma outra espécie de diminutivo, dialectal, pela vizinhança dos falares leoneses – não devendo perder-se de vista que Quintanilha fica situada na região mais vizinha dos falares guadramilês e de Rio de Onor. Assim, foi o primitivo topónimo “Quintela”, português arcaico, substituído pelo correlativo, Quintanilha, leonês. A povoação situa-se junta da ponte internacional. Na alta Idade Média, foi domínio dos nobres da grande parte nobiliária dos N”Braganção, desde D. Alano, pelo menos. Herdada do Braganção D. Fernão Mendes deixou-a, com Bragança, à coroa, sua viúva, a Infanta D. Sancha Henriques, irmã do nosso primeiro rei. Já nesta altura devia existir a Freguesia de S. Tomé de Quintela de Rio de Maçãs.

A criação paroquial, deve-se, apesar da distância, por certo, à Sé arquiepiscopal (Braga), em cuja diocese já nos tempos dos Suevos se situava o pagus bragantino e, portanto, o termo desta freguesia. A freguesia é essencialmente agrícola. Além da igreja matriz, há uma ermida de inovação de Nossa Senhora da Ribeira, junto da qual se realizam importantes romarias, muito concorridas por portugueses e espanhóis. É tradição que foi por esta freguesia e junto desta ermida que entrou em Portugal a Rainha Santa Isabel de Aragão, que se dirigia a Trancoso, onde casou com D. Dinis. Teria sido a Rainha Santa que construíra a primitiva matriz. D. Dinis autorizou que os rendimentos da coroa nesta freguesia revertessem para o templo. Em 1839 pertencia ao Concelho de Outeiro, extinto em 22-VI-1953 e 31-XII-1853 passando, então, ao Concelho de Bragança. O lugar das Veigas foi sede de uma freguesia extinta no século XVIII.

Fazem parte da freguesia de Quintanilha, as aldeias de Quintanilha, Refega e Veigas.
(Retirado da página da APAM - Associação Protectora Amigos do Maçãs)


¤
Na freguesia foram criados alguns percursos pedestres um deles foi, em parte, percorrido para criar a multi que vos proponho.

    
A azul - O percurso em que foi criada a cache
      
 

A Cachada

Poderá estacionar junto à igreja velha de Quintanilha (N:41º 45.014; W: 6º 34.098) e seguir a pé, ou fazer o percurso de automóvel, sendo certo que os caminhos que encontrarão, embora transitáveis, são caminhos agrícolas onde  por vezes as silvas e os arbustos crescem de forma descontrolada.
Os que se fazem cache-transportar em 4x4, ou em 4x2 com provas de resistência já dadas; os que têm pressa, ou aqueles que não estão para fazer exercício fisico - só têm que se apear para procurar as caches (talvez noutra oportunidade concretize o sonho de muitos e crie uma multi que lhes permita permanecerem no cachemobile). Se optarem pelo estacionamemto façam-no no largo junto à Igreja, ou numa das ruas adjacentes, seja qual for o sítio que escolham nunca ficarão longe do início do percurso.

O percurso leva-o a visitar duas azenhas e duas praias fluviais, verdadeiros ex-libris da freguesia são-no também do Parque Nacional de Montesinho a cuja área pertencem. A cache final encontra-se perto de uma azenha já objecto de restauração.


Se escolherem a primavera, principalmente no decorrer do mês de Maio, encontrarão na floração das espécies silvestres um belíssimo espectáculo, com relevância para a elevaçãodefronte da aldeia, já em território espanhol (Pedroso).


Coordenadas do ínicio do percurso
    Igreja Velha
N - 41º  45. 014
 W - 06º  34. 098
»

Para determinarem as coordenadas da micro
Spoiler:
 
Tenham cuidado com o buraco em frente ao segredo, não vão torcer um pé.
Na Igreja velha contem os degraus da escada para o campanário e façam as operações que se seguem:

?? - nº de degraus
N - 41º 44. 7(?? + 28)
W - 06º 34. 1(?? + 19)


»

Para a cache final

Usem as coordenadas contidas na micro.


Additional Hints (Decrypt)

N zvz aãb qreehonenz b rfpbaqrevwb!

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.