Skip to content

Igreja Matriz [Alvito] Multi-Cache

This cache has been archived.

alieri: Contentor desapareceu, assim como os de duas outras caches minhas aqui perto.

More
Hidden : 07/15/2008
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
1 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


foto cruz c igreja em fundo
SÍNTESE HISTÓRICA DE ALVITO

Os testemunhos mais antigos que se conhecem da presença humana no concelho remontam ao neolítico, existindo vários vestígios que nos asseguram a presença do Homem durante a idade do cobre, a idade do bronze e a idade do ferro.

A ocupação intensa levada a cabo pelos romanos fez-se sentir logo no início do século I, subsistindo ainda vários testemunhos desta presença, de que são exemplos as villae de S. Romão, de S. Francisco e Malk Abraão.

Também visigodos e muçulmanos ocuparam estas antigas villae, dando continuidade à ocupação romana. Conquistada pelos Portugueses em 1234, em 1251 a povoação é doada a D. Estêvão Anes, chanceler-mor do reino, por D. Afonso III e pelos Pestanas de Évora. A partir desta data, sobretudo através da acção do Chanceler, procede-se ao seu repovoamento, passando Alvito a ser uma povoação com dimensões consideráveis para a época.

Em 1279 morre D. Estêvão Anes, ficando a vila em testamento para a Ordem da Santíssima Trindade, a qual lhe concede carta de foral, idêntica ao de Santarém, a 1 de Agosto de 1280. Tal foral viria a ser confirmado por D. Dinis em 1283. Em 1387, D. João I doa Alvito a D. Diogo Lobo, em troca dos bons serviços prestados na batalha de Aljubarrota (1385) e na conquista de Évora aos espanhóis (1387), ficando a vila ligada à história desta família ao longo de todo o período que durou o regime monárquico.

A 24 de Abril de 1475, D. Afonso V concede ao Dr. João Fernandes da Silveira, esposo de D. Maria de Sousa Lobo, o título de Barão, passando Alvito a ser a «cabeça» da primeira baronia instituída em Portugal. Nesta época já a povoação desfrutava de um crescimento acentuado, fruto da conjuntura favorável em que o reino se encontrava e que permitiu um forte crescimento populacional em todo o país.

Tal crescimento teve fortes repercussões na economia da vila, dado que Alvito passa a ser um dos principais centros político- económicos de todo o Alentejo, durante o período moderno, tendo quase 1700 habitantes e 364 fogos, segundo as estatísticas do senso de 1527.

Este facto justifica o esplendor que se pode observar em muitos monumentos: Castelo, Igreja Matriz, Igreja da Misericórdia, Igreja de Nossa Senhora das Candeias, bem como na representatividade da arte manuelina de Alvito.
Na época de transição do séc. XVIII para o séc. XIX, o crescimento e prosperidade de Alvito estagnam, começando o seu declínio a partir de meados do séc. XX, sobretudo durante as décadas de 60 e 80.
Apesar disso, esta localidade patenteia ainda a riqueza de outrora, revelada através da beleza dos seus monumentos e da grandiosidade da sua história.
Alvito é pois, um concelho onde ruralidade e monumentalidade se encontram para desenhar os caminhos do futuro.

A Igreja Matriz de Alvito é na minha opinião uma das mais belas Igrejas do Alentejo.
Consagrada a Nossa Senhora da Assunção, foi edificada em finais do séc. XIII-XIV, tendo sido reconstruída na quase totalidade no segundo quartel do Séc. XVI.
Apresenta aspectos dos estilos gótico e manuelino. De planta em forma de cruz latina, o seu exterior é coroado por corochéus e ameias que lhe dão um aspecto severo.
O portal com arco em ogiva é do estilo gótico, enquanto as gárgulas são medievais.
Possui três naves no interior, destacando-se a nave central, situada num plano mais elevado. No altar-mor, a talha barroca evidencia as colunas ornamentais.
As paredes são revestidas com azulejos do século XVII.
Recomendo vivamente que visite o interior da Igreja.


Para encontrar a cache, veja a cruz localizada no ponto inicial, e responda ao seguinte:
- Qual a data inscrita no topo da cruz (lado da Igreja)? = X Y W Z
- Quantas vezes se encontram as seguintes letras: [ A, T, N, E, C ] no texto na base da cruz, 
que começa por "TRIC??", e substitua-as por esse valor para chegar à longitude 
(por exemplo, se houvesse 4 "D" no texto, 7º59.DDD seria transformado em 7º59.444).

A cache encontra-se em
38º15.(W)(Z)(X+Y+Z) 
07º59.(A)(T+N)(E+C)

ENGLISH TRANSLATION SOON

Additional Hints (Decrypt)

Pnaqrrveb

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)