Skip to content

<

Lusitani: Lezíria do Tejo

A cache by FamiliaSilvestre + PutoSilvestre Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 08/26/2008
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size:   regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


 

A Lezíria do Tejo é uma sub região da classificação NUTS III, que coincide praticamente com a região tradicional do Ribatejo.
Com excepção de Rio Maior e Benavente os restantes concelhos integrantes desta região fazem fronteira com o rio Tejo, possuindo zonas ribeirinhas de grande beleza natural.
O principal algomerado urbano da região é a cidade de Santarém, capital do Gótico.
Lezíria do Tejo is a Portuguese region according to the NUTS III classification, almost coincident with the traditional Ribatejo region.
The Tagus river flows across all the region councils (with the exeception of Rio Maior and Benavente)
The major city in the region is Santarém, also known as the Ghotic capital.


   

Património Natural

Rio Tejo

O Tejo é o maior rio da Península Ibérica. Nasce em Espanha a 1593 m de altitude na Serra de Albarracín, e desagua no Oceano Atlântico, banhando Lisboa, após um percurso de cerca de 1007 km. A sua bacia hidrográfica é de 80.600 km2
Nas suas margens ficam localidades espanholas como Toledo, Aranjuez e Talavera de la Reina, e portuguesas como Abrantes, Santarém, Vila Franca de Xira,  Almada e Lisboa.
        The Tagus is the longest river on the Iberian Peninsula. It measures 1,038 kilometers in length. It drains an area of 80,100 km²,and follows a very constricted course for much of its length, but after Almourol it enters a vast alluvial valley prone to flooding.
The source of the Tagus is the Fuente de García, at 1593m , in the Albarracín mountains. All its major tributaries enter the Tagus from the right (north) bank. The main cities it passes through are Aranjuez, Toledo and Talavera de la Reina in Spain, and Abrantes, Santarém, Vila Franca de Xira, Almada and Lisbon in Portugal.

Reserva Natural do Paúl do Boquilobo - Golegã

Nos campos da Golegã, entre os rios Almonda e Tejo, é uma zona húmida, classificada de Reserva Natural sendo Reserva da Biosfera pela UNESCO. O Paul do Boquilobo alberga o mais importante garçal do território português e é importante local de concentração para espécies invernantes nomeadamente anatídeos, galeirões e limícolas. Único local em que se reproduz o Zarro-comum e um dos poucos em que nidificam a Gaivina-dos-paúis e o Colhereiro. Principal refúgio português da Piadeira e do Pato-trombeteiro Paúl do Boquilobo Biosphere Reserve consists of a natural freshwater wetland surrounded by marshes, which lie in a bend of the Almonda River. Floods from the Tejo River naturally inundate the site in winter and part of it subsequently dries out when the water table is mechanically lowered in spring to create larger areas for cultivation.
The wetland, which is also a Ramsar site, is a very important wintering site for waterbirds in Portugal, with concentrations of ducks pintail (Anas acuta) and cattle egret (Bubulcus ibis), little egret (Egretta garzetta), black-crowned night-heron (Nycticorax nycticorax) and a growing population of the spoonbill (Platalea leucorodia). 

Reserva Natural do Cavalo do Sorraia - Alpiarça

O Cavalo do Sorraia poderá ser o sobrevivente de um tipo de equino que se manteve até há pouco entre nós em estado selvagem e se denominava Zebro, na Idade Média. Pode ser o antepassado genético do Cavalo Lusitano e do Cavalo Andaluz.

Em Alpiarça, desenvolve-se um trabalho pioneiro na recuperação genética da raça no sentido de o salvar da extinção.

Açude da Agolada - Coruche

O Sítio classificado do Açude da Agolada com cerca de 226 ha e uma albufeira com 1 km de comprimento, situa-se a 2,5 km da vila de Coruche. A região é em geral coberta de montado de sobreiro, com bons povoamentos de pinheiro manso e algum pinheiro bravo. Esta zona e a do açude do Monte da Barca, são visitadas anualmente por cerca de 50 espécies de aves.

Património Histórico e Arqueológico

Núcleo Mesolítico dos Concheiros de Muge - Salvaterra de Magos

Os concheiros de Muge (concheiro Cabeço da Arruda; Moita do Sebastião e Cabeço da Amoreira), são uma das mais importantes estações arqueológicas da pré-história portuguesa. Aqui foram encontradas as maiores colecções de esqueletos do período mesolítico na Europa.

Castro de Vila Nova de São Pedro - Azambuja

É um povoado fortificado classificado como Monumento de Interesse Nacional. A sua riqueza material é de extrema importância para a compreenção dos aspectos mais relevantes das sociedades camponesas pré-históricas.

Villa Romana de Rio Maior - Rio Maior

Datada do século III /IV era uma grande quinta, onde se exploravam todos os recursos disponíveis: produtos agrícolas (cereais, leguminosas, azeite, vinho, etc.); mineração de Ferro e fabrico de utensílios de metal; criação de animais; fabrico de cerâmica; tecelagem; produção de sal (para conserva de alimentos e tratamento de couro), etc.

A produção era depois vendida às cidades romanas como Eburobritium (Óbidos), Collipo (Leiria), Scallabis (Santarém) e ao exército romano.

Pórtico do Paço dos Negros - Almeirim

Na localidade de Raposa, a treze quilómetros do centro, encontramos os restos do Paço refeito por D. Manuel I, no século XVI. Sobrou uma magnífica portada que daria acesso ao pátio manuelino e cujo arco é coroado pelo escudo real e ladeado de rosetas.

Cruzeiro do Calvário - Benavente

Em 1644, foi erigido um Calvário em mármore de Estremoz com a seguinte inscrição: "Est obra mandarao fazer os irmaos dos Santos Passos em o anno de 1644", no então denominado Rocio do Moinho de Vento que a partir desta data se passou a designar como o Rossio do Calvário.
O Cruzeiro está envolvido por um adro, sobranceiro ao rio Sorraia, de onde se avista a lezíria, no limite norte da vila.

Aldeia da Palhota - Cartaxo

É uma típica aldeia piscatória, de origem avieira, situada na margem direita do rio Tejo. Característica e pitoresca pelas suas habitações construídas sobre estacas de madeira, esta aldeia merece um olhar do visitante que queira inteirar-se do modo de vida centenária destas comunidades piscatórias.

Aldeia do Arripiado - Chamusca

Aldeia de grande beleza, edificada em declive que desce até ao Tejo, tem vista panorâmica sobre o Castelo de Almourol.  Esta pitoresca aldeia, fica situada na Freguesia da Carregueira a norte do concelho da Chamusca, junto à margem sul do Rio Tejo. É nesta bela povoação que começa a famosa Lezíria Ribatejana. Sendo edificada em declive, as construções destas paragens, vão desde a estrada Nacional 118, até à beira-rio.

Cidade de Santarém - Capital do Gótico

A cidade de Santarém possui um enorme património de que destacamos:
  • Castelo (Portas do Sol) com o seu bonito jardim, localizado no topo da colina sobre o rio Tejo. Ainda é possível identificar partes da muralha original.
  • Igreja de São João do Alporão que remonta ao século XII, guardando os únicos vestígios significativos da arquitectura românica em Santarém.
  • Torre das Cabaças que apresenta planta quadrada, em estilo maneirista, elevando-se a 26,8 metros de altura. Os seus muros são rasgados por oito ventanas e é rematada por uma estrutura metálica com oito púcaros de barro em forma de cabaça e que servem de caixa de ressonância ao sino do relógio. Um imponente sino de bronze, datado de 1604, sinaliza as horas do relógio mecânico. Actualmente alberga o núcleo museológico do tempo.
  • Fonte da Figueira datada do século XIV
  • Convento de Santa Clara de estilo gótico do século XIII, quando as Clarissas provenientes de Lamego se decidem fixar em Santarém.
  • Sé Catedral construída nos séculos XVII e XVIII, sobre as ruínas do Paço Real. Apresenta uma fachada maneirista e interior barroco de uma só nave com capelas laterais.





Some of the top sites at Santarém include:
  • Old Castle of Santarém (Portas do Sol): Located on a high slope over the Tagus river and the surrounding landscape, the site of the old castle of Santarém is now a nice garden that offers spectacular views. Part of the walls and towers of the castle are still preserved.
  • Church of Saint John of Alporão (Igreja de São João de Alporão): Built between the 12th and the 13th centuries by the Knights Hospitallers. The church now houses a small Archaeological Museum.
  • Cabaças Tower (Torre das Cabaças): Ancient defensive tower of the mediaeval wall of the city. Houses the Time Museum.
  • Fountain of the Fig Tree (Fonte da Figueira): Rare example of a 14th century fountain in Portugal, decorated with merlons and coats-of-arms of Portugal and King Dinis I.
  • Convent of Saint Claire (Convento de Santa Clara): 13th century feminine convent. Good example of Portuguese mendicant Gothic style.
  • Cathedral of Santarém (Sé-Catedral): Built in the 17th century in mannerist style as the Jesuit church of the city, it became the Seminary church after the Jesuits were expelled from Portugal in the mid-18th century.

Cultura e Tradições

Agricultura

Na lezíria as terras de aluvião, de grande aptidão agrícola, são maioritariamente utilizadas na produção do tomate, melão e melancia, milho, girassol e a vinha.
A fama dos vinhos do Ribatejo é anterior à fundação da nacionalidade, referindo-se a eles D. Afonso Henriques, em 1170, no foral da cidade de Santarém.
Em 2000, o Ribatejo recebe a Denominação de Origem Controlada (DOC), certificação que fortalece a qualidade dos vinhos Ribatejanos.
A Rota do Vinho do Ribatejo constitui um roteiro de caracter cultural, gastronómico e de animação turística, que tem como ponto fulcral, o vinho.

Cavalo

Portugal é um país com fortes tradições no que diz respeito à produção e utilização do cavalo. E o Ribatejo é, talvez, o maior paraíso para os cavaleiros. Assim sendo, nada mais tentador do que percorrer a Lezíria a cavalo.Na Lezíria, o cavalo é um meio de transporte vulgar, com profundas raízes na tradição local.
Numa região onde o rio é rei e senhor, existem vários caminhos equestres, que percorrem a grande estrada fluvial que é o Tejo.

Toiros

Na Lezíria o terreno acidentado do norte de Portugal dá lugar às planícies do sul e as terras mais secas do interior sentem a primeira brisa do mar. Este é o ponto de encontro de várias paisagens, hábitos e tradições de Portugal.
À beira rio, é habitual ver touros bravos e cavalos a pastar em liberdade.
A tourada é uma tradição presente nos países Ibéricos e França, e em algumas das áreas por eles colonizadas (México e Colômbia), que consiste da lida de touros bravos a pé ou montado a cavalo.
Os Forcados são um grupo de oito homens que enfrentam o animal a pé.

O Campino

O Campino é um personagem típico da região do Ribatejo que está ligado à condução de gado, em especial os touros. Veste-se de uma forma muito característica com o seu barrete verde com orla e barra em vermelho, camisa branca, colete encarnado, uma faixa vermelha que usa na cintura, calça azul, meias brancas até ao joelho, sapato preto com esporas, uma jaqueta que coloca sobre o ombro esquerdo e por último o seu bastão (pampilho) que utiliza na condução do gado.

Feiras e Festas

Há feiras, festas religiosas e pagãs e festivais nos catorze concelhos, embora três grandes marcos feirantes se imponham na região. A velhíssima Feira do Ribatejo, igualmente chamada de Feira Nacional de Agricultura, instalada hoje no Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas, às portas de Santarém, em Junho
Na Golegã, pelo São Martinho, celebra-se a Feira Nacional do Cavalo. À volta do Largo do Arneiro, muita fidalguia, os melhores exemplares equestres e castanha a acompanhar o vinho novo.
O mais novo dos certames dá pelo nome de Festival Nacional de Gastronomia, pai de todos os seus congéneres portugueses, e traz à Casa do Campino, em Santarém, pela segunda de Outubro, os melhores gastrónomos e as melhores iguarias de todo país.
São ainda de destacar as feiras dos Santos no Cartaxo (em Novembro) e da Cebola em Rio Maior.

Gastronomia

Venha ao Ribatejo saborear a afamada Sopa de Pedra, o Carneiro à moda de Alpiarça, a Miga Fervida, o Cozido de Carnes Bravas, a Sopa de Cachola, a Caldeirada à Fragateiro, a Açorda de Sável, o Torricado de Bacalhau, o Ensopado de Enguia, as espetadas em vara de loureiro...

Para acompanhar estes pratos deverá escolher vinho do Ribatejo que já conquistou o mercado pelas suas características derivadas de castas seleccionadas em regiões demarcadas ou protegidas.

Doçaria
Não pode esquecer a excelente doçaria como os Pampilhos, os Celestes, os Arrepiados de Almoster, os Queijinhos do Céu, as Tigeladas, as Delícias de Batata, as Broas de Pinhão e Mel...

    

A cache

A cache está localizada no coração da Lezíria e mostra algumas das suas características, a presença remota de povos que se dedicavam à recolha e agricultura, tirando partido das diversas linhas de água, os campos agrícolas actuais, as vinhas, e uma importante quinta da região com produção vinícola e uma coudelaria.

Ponte Romana de Muge

O Porto de Sabugueiro, devido à sua proximidade junto ao rio Tejo, foi durante o período romano, um importante porto fluvial, as escavações realizadas e os estudos publicados, definem este local como uma importante vila romana, com produção de material cerâmico, devido à existência de um forno de cerâmica, aqui encontrado na década de 60.
Sensivelmente a 400 metros deste local, encontra-se a Ponte Romana, que atravessa a ribeira de Muge. Pelo aparelho de construção usado, em especial no arco de maiores dimensões, verifica-se sem dúvida que a sua origem é romana, contudo os outros dois arcos mais pequenos, pela sua tipologia são atribuíveis à Idade Média.
Esta Ponte foi um dos principais pontos de travessia, que ligava Muge, quer ao interior do pais (Alentejo), quer à cidade de Santarém.

Herdade de Muge 

Na casa da quinta residiu durante mais de um ano, a Rainha Dona Leonor, terceira mulher do Rei D. Manuel I, irmã do Imperador D. Carlos V, e Mãe da Infanta Dona Maria. Posteriormente a casa de Muge passou para os Condes de Odemira. Dona Maria de Faro, Condessa de Odemira, casou com Dom Nuno Álvares Pereira de Mello, 1º Duque do Cadaval e encontra-se à quase quatro séculos na posse desta família. Actualmente os cerca de 5000 ha são explorados por uma sociedade agrícola apostada na renovação da vinha e tecnologias de produção e introdução de novas marcas no mercado.
A coudelaria desde 1648 sofreu vários cruzamentos ao gosto e necessidades das épocas. A partir de 1954 a coudelaria tem-se concentrado na utilização de garanhões Lusitanos, e tem várias parelha presentes em competições, alguns cavalos a tourear e em povas de dressage.
Located at the heart of this region, the cache site shows some of its characteristics. Early colonization, agriculture fields, vines, an important historic farm with wine production and a Lusitano horse stud.

Muge Roman Bridge


Due to the proximity to the Tagus river this was place of an important roman site, with a river port. Remains of a ceramic manufactory were also found at this location.
About 400m of the findings there is a roman bridge over the Muge water stream. The bridge although originally roman was modified during the middle age.
This was one of the most important crossing points connecting Muge to Alentejo and Santarém.

Herdade de Muge


Queen Dona Leonor lived in this farm for about one year. She was wife to the King D. Manuel I.
Later this house was taken by the Odemira counts, and D. Maria de Faro, countess of Odemira, married with Dom Nuno Álvares Pereira de Mello, first duke of Cadaval. The farm is in posession of this family for almost 4 centuries.
Nowadays the exploration has about 5000 ha mainly of vines, and the farm and wine production facilities are being renewed.
The farm also hosts a horse stud (Coudelaria) focusing on breeding Lusitano horses.

















                               


A cache é uma caixa de plástico com os objectos habituais. Por favor deixe-a exactamente onde e como a encontrou.
Dentro da cache, além dos objectos habituais, vai encontrar uma folha especial com um número. Por favor anote este número e o nome da cache. Juntando todos os códigos das 30 caches parciais, conseguirá obter as coordenadas da localização da cache final Lusitani, que está escondida algures em Portugal.
Para dúvidas ou esclarecimentos relativos ao projecto global das caches Lusitani, pode contactar os responsáveis pelo projecto: GeoDuplaP&F
The cache is an plastic box with the usual objects in it. Please leave it well hidden.
Inside the cache, besides the usual objects, you'll find a special hint sheet with a number. Please note this number and the cache name. Finding all 30 partial caches codes, enables you to find the coordinates of the final Lusitani cache, which is hidden somewhere in Portugal.
If you have any doubt or need any clearing about the Lusitani cache project, you can contact the project developers: GeoDuplaP&F

Additional Hints (Decrypt)

[PT] Ab avaub irtrgny
[EN] Irtrgnoyr arfg

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.