Skip to content

<

Água por Dentro e por Fora - MG03

A cache by MitoriGeikos Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 08/26/2008
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:





TERMAS DE MONFORTINHO

Nas faldas da serra de Penha Garcia, onde o rio Erges a rompe na corrida para o Tejo, situa-se a Fonte Santa.

Os romanos, nas andanças por estas terras, interessaram-se pelas águas da serra de Penha Garcia. Sem um fim medicinal, tiveram termas na Mansatela, Salvador, Ramiro, Penha Garcia, Foro, Badanais, Brejos, Gorgolão, Monfortinho e Fonte Santa. Parece que as termas romanas, na Fonte Santa, tiveram a sua plena actividade, um pouco mais acima, junto do rio Erges, ao fundo da Veiga do Cravo.


bosque cogumelo

Antes das guerras da restauração, Monfortinho era uma povoação de certo valor social. Além de uma igreja paroquial tinha um convento. Desses tempos, temos ainda a capela da Senhora da Consolação e as antigas imagens da Senhora da Consolação, de S. Pedro, do Espírito Santo e de São Sebastião. Foi destruída pelos espanhóis depois de 1640. Monfortinho tornou-se uma propriedade rural de um só dono.

Médico
Na história das Termas de Monfortinho, toma particular relevo o médico Dr. José Gardete Martins, que, com abnegada dedicação e sacrificando toda a sua vida e haveres, obteve a concessão da “exploração da indústria crenoterápica e a exploração das nascentes de água minero-medicinal de Monfortinho” por alvará publicado em 20 de Dezembro de 1906, primeiro passo para a fundação da  Companhia das Águas da Fonte Santa de Monfortinho no dia 19 de Dezembro de 1907.

Até esta data, e depois durante longos anos, o Dr. José Gardete Martins lutou com sérias dificuldades para angariar capitais, no desejo de fazer de Monfortinho umas Termas dignas de poderem ser famosas e úteis à humanidade do ponto de vista clínico, sem conseguir encontrar quem o compreendesse. Por fim, a Providência trouxe à sua presença o ilustre beirão e incansável batalhador, o Sr. Conde da Covilhã, que enfrentando uma terrível tarefa realizou o que pode chamar-se um milagre, transformando o que era quase selva, neste aprazível oásis, apreciado por todos.

É uma obra do Arquitecto Vasco Pereira de Lacerda Marques. O projecto inicial tem a sua assinatura e é datado de 1938. Em 1940, foi inaugurado o edifício que agora se remodelou bem como o Hotel da Fonte Santa. Com essas obras deu-se a grande explosão termal que há muito se tornava necessária.

O belíssimo balneário das termas foi sujeito, em 2001, a uma profunda remodelação, efectuada pelo Arquitecto José Luís Teixeira Pinto. Toda a infra-estrutura foi reorganizada e modernizada criando um novo ambiente de bem-estar com áreas modernas de repouso e relaxamento.

Termas
As águas da Fonte Santa de Monfortinho são águas termais hipossalinas, tendo como características químicas dominantes: elevada percentagem de sílica e alto teor de anidrido carbónico. O caudal atinge os 25 l/segundo. 

Estas águas são aconselhadas para doenças crónicas da pele (psoríase, eczemas, acne, celulite, úlceras), hepato-vesiculares e intestinais, reumáticas (artrose, espondilose, tendinite, fibromialgia, etc), das vias respiratórias (rinite, sinusite), litiase renal.


Fontes:

http://www.monfortur.pt/TERMAS.htm
http://www.casadeferias.com/termas_de_portugal_monfortinho.html





Additional Hints (Decrypt)

An ryrinçãb r whagb qn áeiber pbegnqn. Pbybpne pbzb sbv rapbagenqn cs.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)