Skip to Content

<

Salvé Rainha [Montejunto]

A cache by mtrevas & friends Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 10/21/2008
Difficulty:
3 out of 5
Terrain:
3.5 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


SALVÉ RAINHA



SERRA DE MONTEJUNTO:

É a Serra de Montejunto o mirante natural mais alto da Estremadura; linha de cumeadas divisória de zonas climatéricas diferentes; acidente geográfico que, pela sua altitude e dimensão, polariza toda a paisagem que a envolve; estrutura geológica rica em algares, grutas e lagoas residuais; santuário de nidificação de uma avi-fauna invulgar e preciosa; reduto e refúgio de pequenos mamíferos; parque natural de uma flora de transição mediterrânico-atlântica.
Localizada no extremo Sul do Concelho do Cadaval e a Norte do Concelho de Alenquer, orientada de Este para Oeste, e Serra de Montejunto eleva-se a 666 metros acima do nível médio do mar. A Serra é constituída por um maciço calcário onde predominam altas escarpas e gargantas apertadas.
Destacamos neste maciço os cabeços de S. João, Moinho do Céu, Penha do Meio-Dia, Espigão, Bicha e Monfarinho.

Devido à sua orientação quase concordante com a linha da Costa Atlântica e ao seu revestimento vegetal, a Serra constitui, no eixo Montejunto-Estrela, uma importante fronteira climatérica que separa, meteorologicamente, o Norte-Sul do País. Os seus valores médios anuais de temperatura do ar variam entre 12,5º C e 16º C e a insolação na Serra varia de 2 400 a 2 600 horas/ano. A sua pluviosidade é de 800 a 1 000 mm/ano com um total de 75 a 100 dias/ano de precipitação igual ou superior a 10 mm.

Em relação à singularidade da sua estrutura orográfica já no século XVI Frei Luís de Sousa a descreve comoum só monte de pedra, ou uma só pedra antes que Serra. Porque o nome de Serra compreende montes de penedias e rochedos encadeados e continuados com vales e subidas; e esta consta de uma só pedra, ou monte que igualmente cresce e sobe em meio de terras lavradias.

Na linguagem actual, os geólogos referem a Serra como um maciço calcário de formação jurássica assinalada por diversas zonas de falhas que assinalam as suas escarpas, os seus vales e os seus planaltos, as suas grutas e algares. Também é rica do ponto de vista paleontológico com importantes jazidas de amonites, turritelas e outros fósseis de interesse científico.

Nela estão referenciados quase uma centena de algares e grutas de grande valor biológico, geológico e mesmo arqueológico, entre as quais citamos: Gruta das Fontaínhas, Gruta da Salvé-Rainha, Algar das Gralhas, Buracos Mineiros, Gruta da Rocha-Forte, Lapa da Maria Pia e Algar do Bom Santo.

 Esta Serra, que se apresenta comoilha biológica que emerge em meio de terras lavradias contém uma fauna notavelmente rica quando comparada com a das regiões limítrofes.
A pirâmide ecológica reflecte o ecossistema da montanha e dela constam mais de uma centena de espécies de aves nidificantes e migradoras, cerca de vinte e cinco espécies de mamíferos e vinte de répteis e anfíbios, constituindo, no seu todo, um dos ecossistemas mais prósperos do centro do país.

As riquezas da serra do Montejunto estão defendidas através da criação institucional da figura jurídica de Área de Paisagem Protegida da Serra de Montejunto. 

 

A CACHE:

Gruta da Salvé Rainha

Situa-se perto do miradouro da Serra e foi descoberta acidentalmente em 1956 aquando do alargamento de uma estrada. Esta pequena gruta foi parcialmente explorada nesse mesmo ano por Leonel Ribeiro com a colaboração de algumas pessoas do Cadaval.
Esta gruta necrópole forneceu, além de ossos humanos, machados e enxós em pedra polida, lâminas em sílex, contas de colar, fragmentos de vasos cerâmicos e um vaso de boca oval, intacto. Cronologicamente, este material integra-se no Neolítico final.
Parte deste espólio perdeu-se e desconhece-se o paradeiro de algumas das peças estudadas nos anos 70.

Por forma, a dar a conhecer esta pequena gruta, a cache foi colocada no seu interior, poderá encontrar o container no final do terceiro patamar sobre o lado direito, a cerca de 10 metros da entrada da gruta, precisamente onde a gruta se estreita, praticamente impossibilitando a passagem mais além.

MUITO IMPORTANTE:

Para realizar esta cache, necessita de usar lanterna e capacete de protecção como forma de segurança. Por favor não tente avançar mais que o local da cache, se bem que é possível, para tal necessitará de material de espeleologia mais específico para garantir a sua total segurança.

Para uma maior longevidade desta cache, por favor deixe o container precisamente no local onde o encontrou.

Additional Hints (Decrypt)

iRe SbGb FcBvYre

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

469 Logged Visits

Found it 426     Didn't find it 19     Write note 13     Temporarily Disable Listing 2     Enable Listing 2     Publish Listing 1     Needs Maintenance 4     Owner Maintenance 2     

View Logbook | View the Image Gallery of 107 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.