Skip to Content

This cache has been archived.

marioafonso: (sem palavras)

More
<

Estaleiros Navais de Viana do Castelo

A cache by Bruno (adoptada por marioafonso) Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 07/26/2009
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

For the english version of this information, please, click HERE!


Esta cache pretende apresentar os Estaleiros Navais de Viana do Castelo


Os Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) foram fundados em Junho de 1944 no âmbito do programa do Governo para a modernização da frota de pesca do largo, na forma de uma sociedade por quotas de responsabilidade limitada com o capital social de 750 contos, por um grupo de técnicos e operários especializados oriundos dos Estaleiros Navais do Porto de Lisboa, encabeçados por Américo Rodrigues, seu mestre geral. Juntar-se-lhes-iam, como sócios capitalistas, Vasco D'Orey e o vianense João Alves Cerqueira da Empresa de Pesca Proprietária de veleiros para a pesca do bacalhau.

No início da sua actividade ocupavam uma área de 35.000 m2 concessionada pela Junta Autónoma dos Portos do Norte, onde foram construídas duas docas secas, com 151 x 18,5 m e 127 x 18,5 m, respectivamente, e as demais infraestruturas necessárias ao desenvolvimento da actividade de construção e reparação naval. Todas as demais infraestruturas da Empresa foram realizadas a partir deste núcleo central cujo prazo de concessão foi, em Julho de 1948, aumentado por 35 anos.

Os três primeiros navios construídos pelos ENVC foram arrastões para a pesca do bacalhau. Eram eles o "Senhor dos Mareantes" e o "Senhora das Candeias" para a Empresa de Pesca de Viana e o "São Gonçalinho", para a Empresa de Pesca de Aveiro, todos eles de 1.480 tdw. E foram todos entregues em 1948.

Em Maio de 1949, os ENVC foram constituídos em Sociedade Anónima de Responsabilidade Limitada (S.A.R.L.) com o capital social de 37.000 contos, por efeito de valorização do seu activo.
Em 1950, a Empresa H. PARRY & SON, LDA tornou-se a principal accionista dos ENVC, passando Jacques de Lacerda a exercer as funções de Administrador-Delegado. Posteriormente, em 1957, juntava-se às instalações existentes, também em regime de concessão, a Doca Eng. Duarte Pacheco, construída na área da Doca Comercial.
Nos anos seguintes, foram-se dando os incrementos estritamente necessários em termos de áreas, oficinas e equipamentos e a Doca nº. 1 alargada para 25,5 m por forma a fazer face a novas entregas em carteira.
Em 1971, o Grupo CUF (dono da LISNAVE) assumiu uma posição maioritária no capital da Empresa e foi elaborado um Plano Director de Desenvolvimento a ser cumprido em duas fases, das quais a primeira foi praticamente realizada. No entanto, a situação de crise internacional surgida e acentuada a nível nacional em 1974 impediram que a segunda fase deste plano fosse levada para diante. Diga-se, aliás, que era muito ambiciosa e introduzia a Empresa no mercado das 80 a 100.000 toneladas.

Foi novamente ampliada a Doca nº.1, para as suas actuais dimensões de 203 x 30 m. Construiu-se a bacia de aprestamento com 190 x 65 m, adquiriu-se o guindaste de 100 toneladas e construíram-se novas oficinas, com realce para as oficinas de Pré-Montagem, Encanamentos e Caldeiraria Ligeira.
Em 1975 a Empresa foi nacionalizada, passando a Empresa Pública e o seu capital social aumentado para 330.000 contos.
Em 1987 o seu capital estatutário foi fixado em 3.000.000 contos.
Em 1988 ficou concluída a plataforma de instalação com 140 x 30 m, no enfiamento da Doca nº. 1, investimento destinado a melhor rentabilizar a exploração desta Doca na actividade da reparação naval. Ficou também concluída a ampliação da oficina Pré-Montagem de Blocos, de 80 para 140 m de comprimento.
Em Dezembro de 1988, o prazo de concessão dos terrenos incluídos no domínio público marítimo foi alargado por mais 50 anos até Abril de 2031 e sua área acrescentada em mais 220.000 m2.

Em 1991, os ENVC são transformados em Sociedade Anónima de Capitais Maioritáriamente Públicos.
Em 1992 ficou concluída a construção dos novos armazéns, ocupando uma área de 480 m2.
Em 1993 ficou concluída a construção do novo Cais de Amarração do Bugio, com 300 m de comprimento e fundos à cota -6,5 m ZH. Ficaram também concluídas as novas oficinas de apoio às docas, com uma área total de 360 m2.
Em 1995 ficaram concluídas as novas oficinas do Polo do Aço, com uma área total de cerca de 6100 m2 e compreendendo:

  • Oficina de corte por plasma
  • Linha de fabrico automático de painéis
  • Fabrico de pequenos conjuntos
  • Processamento de perfis

No decurso dos seus 50 anos de actividade, desenvolveu-se uma evolução natural a nível dos mercados-alvo da Empresa, distinguindo-se claramente 3 etapas:

  • De 1944 a 1974 cerca de 90% do total de unidades construídas destinaram-se a armadores nacionais (incluindo as ex-colónias), sendo cerca de 50% destinadas ao reforço e substituição da frota pesqueira;
  • Na 2ª metade da década de 70 e nos anos 80, o principal mercado da Empresa foi a Ex-URSS, para o qual foram produzidas algumas grandes séries;
  • No anos 90 os ENVC passaram a construir fundamentalmente para o mercado Alemão.

A partir de 2000 o mercado tem sido mais diversificado, estando incluída na sua actual carteira de encomendas a renovação da frota da Marinha Portuguesa.

Entre as 200 unidades entregues desde a sua fundação, contam-se batelões, rebocadores, ferry-boats, navios de pesca, de carga a granel e porta-contentores, navios tanques, transportadores de produtos químicos, LPG's, cimenteiros e vasos de guerra.

Esta e muita mais informação em ENVC.pt.



A CACHE
Trata-se de uma caixa envolvida num saco de plástico preto.
Contém, inicialmente, logbook, stash note e material de escrita, além de algum espaço para troca de objectos e recordações.
O terreno é de fácil acesso, embora existam escadas, o que impede o acesso a cadeiras-de-rodas.

O local é muito utilizado por muggles que se dedicam à pesca, pelo que, PF, sejam discretos!
PF, deixem a cache no mesmo local que encontraram e, se possível, sem estar à vista.
Consultem o WP1, a coordenada por onde deverão aceder!
Aproveitem para fazer algum Cache In Trash Out, pois o local tende a ficar sujo com o lixo que os muggles deixam!

Divirtam-se e boas cachadas!

free counters

Additional Hints (Decrypt)

Ynqb qvervgb, qronvkb qbf frhf céf / Evtug fvqr, haqre lbhe srrg.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

72 Logged Visits

Found it 43     Didn't find it 9     Write note 11     Archive 1     Needs Archived 2     Temporarily Disable Listing 2     Enable Listing 2     Publish Listing 1     Owner Maintenance 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 19 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.