Skip to Content

<

Arca perdida

A cache by Dimitrivsky and adopted by Napoleão Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 6/6/2009
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Paranho da Arca situa-se no extremo sul do concelho de Oliveira de Frades, constituindo com a de Varzielas um núcleo à parte, em relação à globalidade do território oliveirense.
Esta freguesia é limitada a sudoeste pelo Rio Águeda, que irriga na sua margem direita muitos campos de Paranho.
O clima é de elevadas temperaturas no Verão, o que a densa vegetação florestal de algum modo ameniza.
Aos rigores invernosos vão os habitantes resistindo com a tradicional capucha de burel, que os próprios homens, sobretudo os mais idosos, até hé pouco se não envergonhavam de usar traçada ao pescoço, à laia de capa de estudante.
O solo é de alguma fertilidade. São bem conhecidos os campos de Paranho, cuja riqueza em milho já ajudou o celeiro concelhio a matar a fome à gente de outras freguesias nos tempos difíceis da 2ª Grande Guerra.
Adentro da Freguesia, a povoação do Covelo, numa covada da montanha, constitui como que um oásis de verdura na dureza da terra caramulana. Dotada de um autêntico micro-clima, ali se cria fruta, vinho, milheirais verdejantes.
O bem conhecido Carvalhedo, na Gândara, junto à anta de Arca, reserva botânica de extraordinário valor ecológico e turístico, autêntico manancial de águas, é um parque maravilhoso...

...A minúscula Arca, que deu nome à freguesia, está hoje quase parada no tempo. Resume-se, assim, a duas ou três casas antigas que são agora como que documentos históricos, além de uma ou duas novas construções junto à estrada florestal.
Segundo a tradição oral, aqui faziam trânsito e estação as antigas diligências que se dirigiam às terras de Águeda e do Litoral.
Arca pode bem orgulhar-se de ter junto de si um dos ex-libris da cultura megalítica do concelho e de toda a serra do Caramulo: a tão divulgada anta ou dólmen de Arca. Apresenta-se constituída por 3 blocos em posição aproximadamente vertical (esteios), com alguns outros já partidos, sobre os quais descansa uma grande laje (tampa ou mesa) a cobrir o espaço interior. Mede de altura cerca de 4,5 metros e a mesa 4,20x3,20m.
Como as demais construções dolménicas, deverá ter tido um corredor de acesso e um montículo circular de terra e pedregulho que servia de protecção, a que se dá o nome de mâmoa ou mamoa.

Sobre a anta de Arca (monumento nacional por decreto de 16.06.1910), diz o Dr. Amorim Girão:
"...ao pretendermos fazer a enumeração destes monumentos, o lugar principal cabe de direito à anta ou dólmen situada não longe da igreja matriz do Espírito Santo de Arca, já porque é de todos eles o que apresenta externamente maiores dimensões, já porque, sendo o único geralmente conhecido, tem servido para autenticar quantas notícias ou referências se tem escrito sobre a alta antiguidade a que remonta o povoamento humano nesta região...

...Muitas têm sido as referências feitas a este importante monumento megalítico, conhecido e designado na Carta Corográfica pelo nome de Pedra de Arca e que qualifica algumas povoações, como Arca, Paranho de Arca, Covelo de Arca.
Apesar de as suas dimensões não serem muito superiores às de outras tantas vizinhas, o facto de lhe ter sido destruída a mamoa, que indubitavelmente teve, o que dá para a tampa ou chapéu uma altura de 4,5 metros sobre o solo, permitindo passar-se a cavalo por baixo e impedindo subir a ela sem o auxílio duma escada, confere-lhe o primeiro lugar entre os megalitos da região..."

Uma das lendas criada à volta desta anta:
A anta de Arca foi erigida por uma moura e a laje que se encontra horizontalmente em cima das que servem de pilares foi lá colocada pela dita moura, trazendo-a à cabeça, a fiar numa roca e com um filho ao colo. A dita moura aparece todos os anos na madrugada de S. João a fiar uma roçada em cima da anta e rodeada por objectos de ouro; ao feliz mortal que lá passar em primeiro lugar será perguntado de qual gostará mais: se dos olhos da moura ou dos objectos de ouro que lá tem. Como todos têm dito que gostam mais dos objectos de ouro, eles têm-se transformado sempre em cinzas devido aos poderes mágicos da moura.
Só conseguirão os objectos de ouro quando se agradarem mais dos olhos da moura e não do ouro.
 
NOTA: Texto extraído da Monografia de Oliveira de Frades - Edição da Câmara Municipal - 1991



P.F. RECOLOQUEM A CACHE NO MESMO LOCAL E DA MESMA FORMA COMO A ENCONTRARAM.

LEVEM ALGO COM QUE POSSAM ESCREVER.
Façam o C.I.T.O enquanto se dirigem para o local, se possível.
Tirem fotos das vistas da cache.
Obrigado pela vossa visita. Divirtam-se!

Additional Hints (Decrypt)

An beyn qb przvgéevb qr crqenf

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

319 Logged Visits

Found it 301     Didn't find it 1     Write note 12     Publish Listing 1     Needs Maintenance 4     

View Logbook | View the Image Gallery of 62 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.