Skip to Content

<

Gruta Terra Chã [Rio Maior]

A cache by nunodezoito Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 06/20/2010
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size: small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Gruta Terra Chã [Rio Maior]

Esta Gruta é Monumento Nacional












Os primeiros registos conhecidos desta gruta datam de 1872 a quando da publicação do livro ‘Diário Ilustrado nº127’ escrito por Bernardino Soveral e no qual descreve as formações cristalinas da gruta já em pormenor. Posteriormente em 1878 no livro ‘Portugal Antigo e Moderno’, Pinho Leal dedica 3 páginas com descrições detalhadas e no qual esta gruta é já descrita como uma das mais bonitas da Europa. A gruta tem formações que se distinguem pelas suas transparências e pelas diferentes côres que possuem.

Estando localizada numa das encostas da Serra dos Candeeiros a gruta tem uma extensão de 210 metros com uma altura que em alguns locais atinge os 9 metros e é constituída por quatro galerias principais que tomam os nomes de ‘Sala dos órgãos’, ‘Sala das estátuas’, ‘Sala da catedral’ e ‘Grande salão’. Uma representação destas galerias e da disposição da gruta pode ser observada no terraço da área de apoio à gruta.

Em termos arqueológicos a gruta também surpreende pois aqui foram encontradas ossadas de um homem do Paleolítico Superior (Homo Sapiens Sapiens) e diversos objectos desta mesma época (com cerca de 15.000 anos). Também foram encontradas ossadas do Neolítico (por volta de 3.000 a.C.). Todos os achados encontram-se em Lisboa no Museu dos Serviços Geológicos de Portugal devidamente catalogados.

Em termos de fauna a surpresa continua pois existe na gruta um verdadeiro troglobiont (nome dado a animais que só conseguem viver em grutas) que é o crustáceo Proasellus spinipes. A matéria orgânica necessária para estes crustáceos viverem é transportada pelos morcegos que também aqui habitam.

Foi nos anos setenta que se pensou em abrir ao público a gruta. O que seria uma boa ideia revelou-se quase fatal, pois as obras danificaram muitos afloramentos calcários e os gazes produzidos foram nocivos à conservação dos mesmos. A publicidade que a gruta teve, levou a que muitos curiosos fossem á gruta e partissem estalagmites e estalactites para levarem como recordação (o que é uma pura ilusão pois estes afloramentos calcários só têm valor e interesse inseridos no seu meio que é a gruta).
Finalmente a gruta foi fechada em 1986 e a Federação Portuguesa de Espeologia com a colaboração de jovens do Rancho Folclórico de Chãos realizaram trabalhos de limpeza de todo o espaço.

Actualmente só é possível visitar a gruta com uma marcação prévia e acompanhado de técnicos da Cooperativa Terra Chã. Este projecto é uma iniciativa do PNSAC (Parque Nacional das Serras de Aires e Candeeiros), Junta de Freguesia de Alcobertas, Câmara Municipal de Rio Maior e Associação Rancho Folclórico de Chãos.

A aparente desvalorização desta gruta está muito relacionada com algum vandalismo que aqui houve no passado, mas também não nos podemos esquecer que só mais recentemente é que outras grutas na região foram descobertas como: Grutas de Mira De Aire em 1947; Grutas de Santo António em 1955; Grutas de Alvados em 1964 e Grutas da Moeda em 1971.

Agora temos é que preservar a gruta e arranjar um modo que todos quanto a queiram visitar o possam fazer em segurança e sem danificar o que resta.


Ficam agora algumas noções básicas sobre a formação de grutas.

As Galerias e Salas de uma gruta formam-se quando a água carregada de gás carbónico dissolve o calcário e alarga a conduta inicial do ‘rio’ subterrâneo.

As deposições minerais em cavernas que se formam principalmente por processos químicos de dissolução e precipitação tomam por nome espeleotemas e são classificados em:
Estalactites – Quando a água vinda por uma fenda chega ao tecto de uma galeria perde o dióxido de carbono e solta carbonato de cálcio ao redor da gota. Vai-se assim formando um elemento tubular por cujo interior a água flui. O crescimento da estalactite depende de muitos factores mas é da ordem de 0,3mm por ano.
Estalagmites – Quando a água chega ao solo começa a ser formada a estalagmite que normalmente é mais larga que a estalactite, mas que tem uma ordem de crescimento semelhante.
Coluna – Quando a estalactite se junta á estalagmite subjacente.
Cortina – Quando a gota de água surge na galeria numa parede ou tecto inclinado e escorre pela superfície deixando um rasto de calcite. Com o passar de tempo forma-se uma ‘lâmina’ ondulada que pode possuir várias côres conforme a água infiltrada transporta mais ou menos argila ou materiais orgânicos.
Couve-flor – Quando a gota de água cai dos tectos pode provocar salpicos o que origina um crescimento irregular da calcite sobre outros espeleotemas vizinhos formando superfícies rugosas e porosas.


Additional Hints (No hints available.)



 

Find...

207 Logged Visits

Found it 185     Didn't find it 7     Write note 10     Publish Listing 1     Needs Maintenance 3     Update Coordinates 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 49 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.