Skip to Content

<

O Abrigo dos Vampiros

A cache by Necas Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 01/09/2010
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
4 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Translation
O Abrigo dos Vampiros


O que vos mostrará esta cache? Se ainda não tiraram as vossas conclusões através do nome, nada como uma visita para ficarem esclarecidos. Será que se atrevem???


Agora, sem dramatismos, alguns aspectos que devem conhecer acerca destes simpáticos mamiferos voadores:
 
Os Morcegos pertencem ao grupo dos mamíferos:
       » têm o corpo coberto de pelos
       » alimentam os bebés com o leite das mães
       » mantêm a temperatura do corpo constante,
         mas são também os únicos mamíferos que voam.

Ao contrário do que muita gente pensa, os morcegos não são todos iguais. Em Portugal existem 24 espécies destes mamíferos voadores, que variam muito no tamanho, aparência, comportamento e noutros aspectos da sua biologia.

Alimentam-se de insectos, que caçam durante a noite. Algumas espécies capturam insectos voadores, outras conseguem apanhá-los no solo e em rochedos, paredes e plantas ou superfícies de águas calmas. Para poderem capturar estas presas, os morcegos têm um voo extremamente ágil. Ainda que tenham boa visão, durante a noite utilizam principalmente o seu sistema de ecolocação que consiste na localização dos objectos e presas através dos ecos de ultrasons que emitem pela boca e pelo nariz.
Na Primavera dão à luz uma única cria, que cresce rapidamente. Durante os meses quentes do ano, acumulam grandes quantidades de gordura, que serve de reserva alimentar para o Inverno. Durante o Inverno a maioria dos morcegos hibernam por longos períodos devido à falta de alimento. Este ciclo repete-se ao longo dos cerca de 30 anos que estes pequenos animais chegam a viver. Esta longevidade é surpreendente tendo am conta as suas pequenas dimensões. Os morcegos da nossa fauna variam entre 3 a 10 cm de comprimento.

Algumas espécies abrigam-se quase exclusivamente em grutas, minas e outros subterrâneos. Outras preferem pequenas cavidades nos troncos das árvores, como ninhos de pica-pau abandonados. Há também espécies que se abrigam em casas e igrejas, em geral em salas pouco perturbadas, no forro, na cave, ou em esoaços apertados (entre telhas, por trás de pinturas, etc). Outras espécies passam o dia em estreitas fendas em muros, pontes ou rochedos. Não ocupam em geral o mesmo abrigo ao longo de todo o ano, chegando por isso a fazer migrações com centenas de quilómetros.

Os mocegos são olhados como mau presságio e ligados a bruxas e lendas, como a do Conde Drácula. Há também uma crença de que se emaranham nos cabelos. Felizmente cada vez se acredita menos nestes mitos. Os morcegos são inofensivos e não causam prejuízo. São até muito úteis pois destroem grandes quantidades de insectos, combatendo pragas agrícolas e florestais e vectores de doenças. Numa noite, um morcego pode comer mais do que o seu próprio peso em insectos!

Tal como no resto da Europa as populações de muitas das nossas espécies têm vindo a diminuir, havendo em Portugal  9 em perigo de extinção. 
Os morcegos de ferradura têm um vooo lento e acrobático, e um sofisticado sistema de ecolocação. Utilisam ultrasons emitidos através do nariz, orientados pelos curiosos apêndices  nasais a que devem o nome. Utilizam principalmente abrigos subterrâneos, mas podem também ser encontrados em edifícios. 
Os morcego-rato, lanudos e de franja emitem ultrasons através da boca. O tipo de voo varia com a espécie, correspondendo a diferentes comportamentos de caça. As duas primeiras espécies são as de maiores dimensões, e abrigam-se quase exclusivamente em grutas e minas. As restantes utilizam em geral outros abrigos.

Durante a hibernação os morcegos penduram-se imóveis em tectos, fissuras, ou buracos de árvores. Desde que a temperatura do abrigo se mantenha ligeiramente acima da temperatura de congelamento, os morcegos mantêm a temperatura corporal pouco acima da temperatura ambiente, não baixando, normalmente, dos 6ºC. Nestas circunstâncias o consumo de oxigénio, assim como o batimento cardíaco, baixam significativamente, e praticamente toda a energia utilizada tem passa a ter origem no metabolismo da gordura. Ao mesmo tempo o animal sofre diversas alterações internas, como a diminuição de volume de alguns órgãos e quebra de tecidos.

Na hibernação o balanço de sais e água mantém-se inalterado e, aparentemente, a reduzida quantidade de água produzida durante o metabolismo é suficiente para compensar a perda por evaporação. Neste processo a produção de urina diminui para cerca de 1% do volume produzido quando em actividade. O metabolismo não é apenas abrandado, com baixas temperaturas é também suprimido de forma activa, e é esta capacidade dos morcegos que parece ser a chave para uma hibernação prolongada. Contudo o mecanismo responsável por esta supressão está ainda por deslindar, havendo apenas especulações.

CUIDADOS ESPECIAIS A TEREM DURANTE A HIBERNAÇÃO DOS MORCEGOS:

Em Portugal considera-se que o período de hibernação de morcegos se estende desde Outubro a Março, embora seja mais notório de Novembro a Fevereiro. Durante esse periodo, NÃO DEVEM ACORDAR OS MORCEGOS, pois os mesmos ao acordar e interromper a hibernação irão dispender energia preciosa, e devido à escassez de alimento poderão não sobreviver até ao fim do periodo em que deveriam estar hibernados.


A CACHE

Para fazer esta cache é necessário entrar numa pequena  gruta. Importante levarem: Lanternas, capacete, roupa que se possa sujar e calçado  minimamente aderente.  Aconselha-se (não é obrigatório) o uso de uma corda, cerca de 15 metros chegam, que judará, principalmente na saída.

Para chegar à cache devem de descer a gruta, até chegar a uma pequena "sala". Na "sala" devem de procurar a cache num buraco, a cerca de 1,30 metros de altura do chão ( VER SPOILER)


A CACHE NÃO SE ENCONTRA NAS COORDENADAS APRESENTADAS. ESTAS CORRESPONDEM À ENTRADA DA GRUTA.

Pontos a terem em consideração. Importante para a prevenção de acidentes:

Levar o material acima recomendado;

Não devem levar crianças, a não ser que fique um adulto com eles à entrada da gruta;Não devem fazer esta cache sozinhos;

Não  a devem fazer durante a noite.

Para os mais aventureiros, a gruta continua para além da"sala" onde se encontra a cache. A partir dessa sala têm acesso à esquerda para outra "sala" ou então, pela direita, encontrarão um "túnel", a subir, com mais alguns metros de percurso.

Boa cachada e espero que gostem! Ah, já me esquecia... E cuidado com os vampiros  :)



Cache nomeada para os Prémios GPS. As votações abrirão a 6 de Março . Para mais informações basta clicar na imagem.


Additional Hints (No hints available.)



 

Find...

357 Logged Visits

Found it 315     Didn't find it 20     Write note 20     Publish Listing 1     Owner Maintenance 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 178 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.