Skip to content

This cache has been archived.

btreviewer: Esta geocache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada perante uma situação de falta de manutenção.
Relembro a secção das Linhas de Orientação que regulam a manutenção das geocaches:

O dono da geocache é responsável por visitas à localização física.

Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desactivada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

Se no local existe algum recipiente por favor recolha-o a fim de evitar que se torne lixo (geolitter).

Uma vez que se trata de um caso de falta de manutenção a sua geocache não poderá ser desarquivada. Caso submeta uma nova será tido em conta este arquivamento por falta de manutenção.

btreviewer
Geocaching.com Volunteer Cache Reviewer
Work with the reviewer, not against him

More
<

O Parque O Rio e ...

A cache by white_shark Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 06/10/2010
Difficulty:
4 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:



 
História de Quadrazais 

   Quadrazais é uma aldeia raiana que fica no planalto do Sabugal, no sopé das Serras da Malcata e Mesas , junto às margens do rio Côa . O carácter montanhoso do relevo da região aliado à pobreza do solo e à dureza do clima fazem desta terra uma terra "dura", bastante isolada de outro qualquer núcleo populacional. Todos estes factores físicos e climáticos se coadunam e ajudam a compreender os costumes dos primeiros povos que aqui habitaram.

   As primeiras comunidades eram tribais e viviam da agricultura, mas sobretudo da pastorícia. Dos vários povos que habitaram a região de Riba-Côa, destacam-se os Vetónios e Austeres. Por volta do ano de 550 a.c., chegam os Túrdulos, vindos do zona a norte do rio Tejo, e passaram a ocupar terras além Côa. Este povo não foi, no entanto, capaz de criar uma civilização ou de povoar densamente esta área ; e, portanto, ainda no século VI a.c. , chegam até estas terras Fenícios, Gregos e Celtas.

   Estes últimos foram os principais responsáveis pelo povoamento da região até à data de início da romanização.    Estando a decorrer o período de ocupação romana, os povos indígenas resistiram até cerca de 138 a.c. , altura em que se registou um definitivo domínio romano na região; desse altura datam várias pontes, sobre o rio Côa, existentes ainda hoje no concelho do Sabugal.Dos séculos seguintes, incluindo o período da Invasão Árabe e o da Reconquista Cristã não há dados que forneçam informações relevantes acerca dos costumes dos povos que aqui habitavam.Crê-se, contudo, que por volta do século XII a região se encontrasse quase deserta. Durante os séculos XII e XIII é então feito um repovoamento da região, por ordem do rei de Leão, que, mesmo não possuindo soberania sobre a região, oferecia terras a quem as povoasse. Os colonos eram maioritariamente galegos.    Esta língua de terra, entre os rios Côa e Águeda, encontrava-se no meio da luta entre Portugal e Espanha, e só em 1297 com o Tratado de Alcanizes é definitiva a incorporação destas Terras no reino de  Portugal (embora já tivesse sido pertença de D. Afonso Henriques em 1174 e dominada por Portugal em 1130).   

   D.Dinis, vendo a política de repovoamento castelhano e o não cumprimento do Tratado, tomou todos aqueles lugares pela força (datam desta altura obras de reconstrução no castelo de Sabugal).    Nesta zona fronteiriça, desde o século XIII que os  povos caminhavam para lá e para cá das fronteiras, trabalhando e trocando bens e produtos agrícolas.    Tratando-se de uma zona afastada da Capital, fora da área de alcance do exército português, esta área era acossada pelas pilhagens e incêndios que os Castelhanos praticavam com frequência.    Em 1651, os Espanhóis sofrem uma grande derrota em Quadrazais; vêem mesmo os quadrazenhos tomar os Castelos de Eljas e ValVerde del Fresno e a povoação de Xalma.    Estas constantes guerrilhas e desrespeito das fronteiras dura até ao século XIX com a assinatura do Convénio entre Portugal e Espanha em 1864, só a partir de então os dois povos viveram em paz nesta região Transcudana.
 
O PARQUE O RIO

 
 

 
Gíria Quadrazenha e Contrabando
 
Ao falar de Quadrazais, falamos também do Contrabando e claro da Gíria.
 
O contrabandista, que pela calada da noite, passava mercadoria por essas serras, montes e penedias, fugindo à guarda fiscal, desapareceu. Com ele foi, lentamente, sendo esquecida a gíria quadrazenha.
A gíria quadrazenha é um calão contrabandista , isto é, uma linguagem específica usada e desenvolvida por uma população ao longo das décadas de acordo com as suas necessidades. Certamente, a Gíria surgiu a par do contrabando. Como o contrabandista era um homem que palmilhava o país, de norte a sul, e passava ainda além fronteiras, as origens de algumas palavras da Gíria são muito variadas. A essência da Gíria Quadrazenha era comunicar numa linguagem apenas dominada pelos contrabandistas.
Deste modo os Quadrazenhos podiam falar, combinar idas a Espanha, vendas de mercadoria, mesmo na presença dos guardas (fachos), sem serem compreendidos. Um dos primeiros registos históricos da utilização da Gíria foi no reinado de D.Pedro IV, quando se mandou formar um cordão de guardas à volta das aldeias raianas (Quadrazais e Vale de Espinho) de modo a evitar que os Contrabandistas pudessem trazer consigo a peste de Espanha.
O Contrabando e o uso corrente da Gíria duraram até aos anos 60. A partir da época da emigração o contrabando cessou e a Gíria entrou em desuso, sendo apenas relembrada e conhecida pelos mais velhos.
 
 

 POR FAVOR NÃO DEIXEM FOTOS DA MICRO, NEM DICAS NO LOG QUE POSSAM AJUDAR NO MISTÉRIO.
 

Quer saber mais sobre o Geocaching em Portugal?
Adere ao grupo de discussão e visita os sites Geocaching@PT ,



Additional Hints (Decrypt)

(zvpeb) - Crafr hz cbhpb r hgvyvmr U2b
Svany - fvz rfgbh nv é cbffviry onfgn crafne.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.