Skip to Content

<

Gil da Guarda, O Augusto

A cache by jocasife (nandonavigator) Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 10/13/2010
Difficulty:
3 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size: micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Pelo facto de ter adotado esta geocache, impõe-se uma pequena introdução explicativa. O antigo owner ausentou-se do país, e eu tinha vindo a tomar conta da cache de forma oficiosa, desde que fiz o meu registo, pois na altura ela precisava de manutenção, as coordenadas nunca foram muito certeiras, mas com mais ou menos dificuldade os found’s cresciam. Até que ultimamente começou a ter problemas. Foram feito os ajustes possíveis e está de volta com nova roupagem. Próximo do parque de campismo.

Translation

Desde que conheço esta cache sempre tive curiosidade sobre a razão do seu nome, o seu criador explicou-me que era uma pequena “homenagem” a uma familiar que vivia na Guarda, de seu nome, Gil.

Com a intenção de dar uma nova roupagem à listing, pesquisei e também eu encontrei um Gil que viveu na Guarda, de nome próprio Augusto e que foi este:

 

 

 AUGUSTO GIL

Augusto César Ferreira Gil nasceu, acidentalmente, em Lordelo do Ouro, Porto, onde os seus pais, naturais do distrito da Guarda, se encontravam, tendo falecido em Lisboa. 
Estudou inicialmente na Guarda e formou-se em Direito na Universidade de Coimbra. Na cidade dos estudantes conviveu com colegas e amigos que partilhavam as mesmas preocupações literárias.

Após a formação académica fixou-se na Guarda, onde exerceu funções públicas, tendo fundado o jornal Actualidade. Foi contemporâneo de João de Deus, Eugénio de Castro e Lopes Vieira, geração intelectual ligada ao parnasianismo e ao simbolismo. 

Começou a exercer advocacia em Lisboa, tornando-se mais tarde Director-Geral das Belas-Artes. 
Foi na poesia que o autor mais se destacou, ligando a imaginação simbolista a um lirismo e sátira popularizáveis. Talvez por isso fosse tanto do agrado das massas populares. 
Qualquer motivo banal lhe servia para fazer versos. Inspira-se na natureza, nos pobres, temas que torna acessíveis e realistas, dando-lhes um raro sentido de ritmo.

Na sua poesia notam-se influências do lirismo de António Nobre pelo que também se pode afirmar que se insere numa perspetiva neo-romântica nacionalista. 

Por outro lado pode ser visto como o primeiro precursor do neo-realismo coimbrão de 1940, visto sob o prisma do socialismo poético, observado mais tarde na obra de Fernando Namora ou Carlos de Oliveira.

Apesar de estar bem divulgada, a sua obra carece ainda de um estudo aprofundado, embora alguns autores lhe tenham dedicado atenção, como Ladislau Patrício, parente do poeta.
Seja como for, o nome de Augusto Gil ocupa um lugar de destaque na literatura portuguesa.

Fonte:Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço

BALADA DE NEVE

Batem leve, levemente,
como quem chama por mim.
Será chuva? Será gente?
Gente não é, certamente
e a chuva não bate assim

 

É talvez a ventania:
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho…

 

Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é chuva, nem é gente,
nem é vento com certeza.

 

Fui ver. A neve caía
do azul cinzento do céu,
branca e leve, branca e fria…
Há quanto tempo a não via!
E que saudades, Deus meu!

 

Olho-a através da vidraça.
Pôs tudo da cor do linho.
Passa gente e, quando passa,
os passos imprime e traça
na brancura do caminho…

Fico olhando esses sinais
da pobre gente que avança,
e noto, por entre os mais,
os traços miniaturais
duns pezitos de criança…

 

E descalcinhos, doridos…
a neve deixa inda vê-los,
primeiro, bem definidos,
depois, em sulcos compridos,
porque não podia erguê-los!…

 

Que quem já é pecador
sofra tormentos, enfim!
Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!…
Porque padecem assim?!…

 

E uma infinita tristeza,
uma funda turbação
entra em mim, fica em mim presa.
Cai neve na Natureza
e cai no meu coração.

This page was generated with help of Geocaching Portugal Listing Generator

Additional Hints (Decrypt)

Crqenf

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

766 Logged Visits

Found it 693     Didn't find it 38     Write note 14     Needs Archived 1     Temporarily Disable Listing 3     Enable Listing 3     Publish Listing 1     Needs Maintenance 6     Owner Maintenance 4     Update Coordinates 3     

View Logbook | View the Image Gallery of 65 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.