Skip to content

PR4TVD: Cruzeiro Traditional Cache

This cache is temporarily unavailable.

Bitaro: Pelo teor dos últimos registos, parece necessária a intervenção do dono para verificar o estado da geocache.
Até lá, ficará temporariamente inativa.

Por favor leia atentamente as Linhas de Orientação que regulam a manutenção das geocaches:

O dono da geocache é responsável por visitas à localização física.

Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desativada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

Esta designação serve para geocaches que estão com alguma questão pendente ou um problema temporário por resolver.
Como dono, tem ao dispor quatro soluções possíveis:

  1. Efectuar a manutenção necessária e reativar a geocache, dentro do prazo estabelecido pelas Linhas de Orientação
  2. Colocar uma nota na geocache com o plano de manutenção, caso esta não possa ocorrer num curto espaço de tempo. Nessa nota deve constar:
    • o prazo em que pretende efetuar a manutenção,
    • o argumento pelo qual o prazo indicado abaixo terá de ser ultrapassado para que fique novamente ativa;
  3. Caso não consiga assegurar a manutenção da mesma, pode considerar o processo de adopção por um geocacher local;
  4. Arquivar a geocache se não tiver disponibilidade para assegurar o estado pleno da mesma. Por favor, tenha em consideração que nesta opção é necessário remover a geocache ou os conteúdos da mesma para evitar que se tornem lixo (*geolitter*).

Assim, caso não seja feita manutenção ou indicado um motivo válido pelo qual a geocache deva estar desativada além do tempo previsto pelas Linhas de Orientação, a mesma será arquivada num prazo de 30 dias.
Relembro que não é possível desarquivar uma geocache que seja arquivada por falta de manutenção.

Obrigado pela colaboração
Bitaro
Community Volunteer Reviewer

Centro de Ajuda
Trabalhar com o Revisor/Revisões mais rápidas
Linhas Orientação|Políticas Regionais - Portugal

More
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Related Web Page

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


 O PR4 é um percurso circular com um total de 16 km, tendo sido criada uma derivação, o PR4.1 com cerca de 11.750 km.

 O PR4.1 separa-se ao Km 7, depois do Castro do Zambujal, seguindo para Torres Vedras. A explicação do percurso que se segue refere-se ao de maior dimensão, abrangendo assim todos os pontos principais dos dois percursos.

 Partindo do Parque Verde da Várzea, seguimos para sul em direcção ao Barro, onde o precurso segue por caminhos de terra batida, entre vinhedos, em direcção à Serra da Pena. Passando por uma pequena capela avistamos o Sanatório do Barro: fundado em 1570 pela Infanta D.Maria, filha de D.Manuel e de D.Leonor, o Sanatório foi reedificado, em 1619 para os Frades Arrábidos. Actualmente, encontra-se instalado no edifício o Hospital Dr. José Maria Antunes Júnior, especializado no tratamento de doenças infecto-contagiosas.

 No alto da serra podemos visitar a estátua de Nossa Senhora da Pena, bem como usufruir de uma visão priveligiada sobre a cidade de Torres Vedras. Ainda no miradouro localiza-se os Tholos do Barro. O Tholos é um monumento funerário que data do 3ºmilénio a.c., tendo sido classificado como Monumento Nacional em 16 de Junho de 1910. Os habitantes do neolítico depositavam aqui os seus mortos, sentados e acompanhados por diversos alimentos e artefactos.

O percurso segue depois em direcção à Serra da Vila, passando pela parte mais alta desta povoação, para descer depois em direcção ao Castro Zambujal.

O Castro Zambujal é um povoado fortificado da idade do Cobre ou Calcolítico (do Grego: Chalcos=cobre+lithos=pedra) datado do 3º milénio a.c situado num esporão rochoso na margem direita da Ribeira de Pedrulhos, afluente do Rio Sizandro. Descoberto em 1932 por Leonel Trindade (que dá hoje o nome ao Museu Municipal), foi escavado ao longo da década de 60 e inícios de 70 pelo instituto Arqueológico Alemão.

Trata-se de uma fortificação Pré-Histórica com quatro muralhas e torres e, que teve ocupação humana ao longo de, pelo menos, 800 anos. O espólio arqueológico, ou seja, os achados daí provenientes, são muito vastos, destacando-se: as cerâmicas decoradas; as pontas de seta de sílex, os utensílios em osso e em pedra, e por fim o cobre que era aqui trabalhado, através das técnicas da metalúrgica.

Do alto do Castro vê-se a foz do rio Sizandro, o mar e toso o vale da ribeira.

Retomando o percurso, 900 metros à frente, pode optar por regressar a Torres Vedras seguindo o trajecto do PR4.1, ou continuar em direcção ao Varatojo pelo PR4.

Nesta localidade pode visitar-se o convento, que fica a meio da encosta. Fundado em 1470 por D.Afonso V, é ocupado por frades Franciscanos desde essa época.

Após uma subida pelas ruas do Varatojo, chega junto de alguns moinhos, de onde se volta a ter uma vista priveligiada sobre a cidade de Torres Vedras.

 A partir daí o percurso é sempre a descer até ao Parque Verde da Várzea, para um grande e merecido descanso.

 Principais Pontos de Interesse ao longo do percurso

Ao longo dos diferentes trajectos propostos neste projecto, há locais que, pela sua importância histórica, cultural e/ou social merecem agum destaque. São eles o Parque Verde da Várzea, ponto de partida e fim de cada um dos percursos, o Convento do Varatojo, o Castro do Zambujal, o Miradouro e o Tholos do Barro e o sanatório do Barro.

FICHA TÉCNICA
Nome do Percurso
Rota do Castro do Zambujal
Localização
Concelho de Torres Vedras
Freguesia de S. Pedro e Santiago e Freguesia
de Santa Maria do Castelo e S. Miguel

Acessos
A8 > Lisboa > Torres Vedras > Leiria
EN 8 > Malveira > Torres Vedras > Bombarral
EN 115 > Torres Vedras > Cadaval
EN 9 > Alenquer > Torres Vedras > Mafra

Tipo de Percurso
Pequena Rota Circular
Ponto de Partida/Chegada
Ribaldeira
Distância
15km
Desníveis acumulados
410 metros
Altitude
Máx: 213m (km12 - Casal de S. Pedro)
Min: 65m
Duração
5 horas
Grau de Dificuldade
Média
Época Aconselhada
Todas
Cartografia
Carta Militar nº 375 proveniente do Instituto
Geográfico do Exército





CUIDADOS ESPECIAIS E NORMAS DE CONDUTA
 > Seguir somente pelos trilhos sinalizados;
 > Cuidado com o gado. Embora manso, não gosta de aproximação de estranhos às suas crias;
 > Evitar barulhos e atitudes que pertubem a paz do local;
 > Observar a fauna à distância preferencialmente com binóculos;
 > Não danificar a flora;
 > Não abandonar lixo, levando-o até um local onde haja serviço de recolha;
 > Fechar as cancelas e portelos;
 > Respeitar a propriedade privada;
 > Não fazer lume;
 > Não colher amostras de plantas e rochas;
 > Ser afável aos habitantes locais, esclarecendo quanto à actividade em curso e às marcas do percurso;

CONSELHOS PARA UMA BOA MARCHA
 > Calçado cómodo e já habituado ao pé, preferencialmente botas de marcha;
 > Meias macias e sem costuras;
 > Use roupa leve, adequada à época e ao estado do tempo; Chapéu ou boné e um impermeável ou roupa de abafo;
 > Uma pequena mochila com farnel (sandes, sumos, chocolate, fruta e água)
 > Não vá só. Leve família e os amigos.

MAPA DO PERCURSO

Uma geocache com o apoio da

Additional Hints (Decrypt)

Irybpvqnqr Pbagebynqn

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)